Anúncios

Astronautas a borda da Estação Espacial Internacional registraram imagens da nuvem de cinzas do vulcão de Tonga atingindo camadas superiores da atmosfera da Terra | NASA

A erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai, em janeiro, terá efeito de resfriamento no Hemisfério Sul e em escala global, mas será muito menor do que se pensava inicialmente, segundo um estudo liderado por pesquisadores do Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Academia Chinesa de Ciências que foi publicado no periódico Advances in Atmospheric Sciences em 1º de março.

O vulcão submarino em Hunga Tonga-Hunga Ha’apai (HTHH) entrou em erupção violenta em 15 de janeiro de 2022, o que levantou grande preocupação pública sobre seu impacto no clima global. O dióxido de enxofre (SO2) injetado na estratosfera após erupções vulcânicas é oxidado e convertido em aerossóis de sulfato. A erupção foi a maior em décadas, arrasou ilhas próximas, causou uma onda de choque que chegou ao Brasil e gerou um tsunami global que foi registrado no Brasil, onde as partículas no céu alteraram as cores do céu em diferentes regiões e no Sul do Brasil.


Esses aerossóis permanecem lá por um ou dois anos e, enquanto estão lá, trabalham para reduzir a radiação solar recebida, resultando em um curto período de resfriamento global. A temperatura da superfície volta ao normal à medida que os aerossóis vulcânicos se dissipam e, portanto, uma única erupção vulcânica não é suficiente para alterar a tendência de aquecimento global a longo prazo.

A maior erupção vulcânica dos últimos 500 anos, a erupção do Monte Tambora na Indonésia em abril de 1815, causou o chamado “ano sem verão” no ano seguinte em muitas partes do mundo. Houve uma redução na temperatura média anual da superfície nos trópicos e no hemisfério norte em 0,4ºC-0,8°C.


A erupção do Tambora, entretanto, emitiu de 53 a 58 terrogramas (Tg) de dióxido de enxofre (SO2) . Medições de satélite da erupção em HTHH mostraram que a massa total de suas cinzas vulcânicas era apenas cerca de 0,4 Tg.

Uma estimativa inicial relatada anteriormente colocou a redução na temperatura do ar da superfície global entre 0,03ºC e 0,1°C nos próximos um a dois anos como resultado da erupção do vulcão de Tonga. “Esta estimativa inicial relatada pode ter superestimado o impacto, pois não levou em consideração o local onde ocorreu a erupção, o que altera a distribuição espacial dos aerossóis de sulfato estratosféricos, uma variável que pode alterar substancialmente os resultados”, disse ZHOU Tianjun, do IAP.

“Isso ocorre porque as emissões de erupções vulcânicas do Hemisfério Sul estão em grande parte confinadas à circulação no mesmo hemisfério e nos trópicos, com menos impacto no Hemisfério Norte. Isso, por sua vez, leva a um resfriamento global mais fraco do que os vulcões do Hemisfério Norte e tropicais”, assinalou.

Para chegar a uma avaliação mais precisa, a modelagem por computadores precisa levar em consideração a latitude da liberação de aerossóis de sulfato. Corrigir isso, no entanto, foi um desafio, pois há poucas erupções vulcânicas do Sul semelhantes ao do vulcão de Tonga no registro histórico. Simulações de modelos climáticos que usam grandes erupções vulcânicas do sul no último milênio forneceram uma referência útil.

Dessa forma, os pesquisadores encontraram uma correlação significativa entre a intensidade de 70 erupções vulcânicas selecionadas no último milênio e a resposta global da temperatura média da superfície no primeiro ano após a erupção. Eles, então, escolheram seis erupções tropicais particularmente grandes em simulações de modelos e dimensionaram a resposta da temperatura da superfície de acordo com a intensidade da erupção do Monte Pinatubo em 1991, onde 20 Tg de SO2 foram ejetados.

Os resultados das simulações do modelo foram semelhantes às observações do mundo real e foram reduzidos para a erupção de Tonga com sua injeção estratosférica de 0,4 Tg de SO2. Os resultados finais mostraram que a temperatura média global da superfície diminuirá apenas 0,004°C no primeiro ano após a erupção. Isso está dentro do escopo da variabilidade interna do sistema climático. O resfriamento no Hemisfério Sul será mais forte do que em outras partes do mundo, com o resfriamento maior de mais de 0,01°C ocorrendo em partes da Austrália e da América do Sul.

Isso significa que a erupção não será forte o suficiente para superar a tendência de aquecimento global de longo prazo. No entanto, os pesquisadores incluíram uma ressalva a essas conclusões: esse seria o caso se a erupção fosse um evento único. Nenhuma erupção explosiva foi detectada desde o evento de 15 de janeiro até agora. No entanto, pode se tornar ativo novamente no futuro, pois esse vulcão entrou em erupção muitas vezes nos últimos 100 anos.

Anúncios