Anúncios

Pessoas esperam sob temperatura congelante para serem transferidas para uma estação de trem, depois que cruzaram as fronteiras ucranianas para a Polônia, no posto fronteiriço de Medyka, na Polônia. | LOUISA GOULIAMAKI/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Os refugiados da guerra que escapam para países vizinhos e os ucranianos que permanecem no país em cidades cercadas com falta de luz, água e gás enfrentam o pior frio deste ano até agora em um inverno que vinha sendo menos gelado que o normal e que resolveu mostrar sua força justamente entre a segunda e a terceira semanas da guerra.

Mais de 2,5 milhões de pessoas já fugiram da Ucrânia, a esmagadora maioria de mulheres e crianças, e o principal destino é a Polônia, onde o frio na madrugada desta sexta foi extremo. As mínimas chegaram a -15,8ºC em Kasprowy Wierch e Zakopane; -12,3ºC em Lesko; -12,1ºC em Bialystok; -11,9ºC em Suwalki; -11,1ºC em Lublin Radawiec; -10,5ºC em Siedice; e -10,3ºC em Deblin.


Na Ucrânia, onde moradores derretem a neve para não passar sede com a falta de água e com várias cidades sem aquecimento pela guerra, as mínimas hoje chegaram a -15,7ºC em Ai-Petri; -11,5ºC em Rivne; -11,0ºC  em Shepetivka; -10,6ºC em Simferopol; -10,5ºC em Khmel’Nyts’Ky; e -10,0ºC em Sarny e Ternopil. Na capital Kiev, que voltou a reportar dados, a mínima desceu a -8,6ºC no começo desta sexta.

Um forte sistema de bloqueio por um centro de alta pressão sobre o Oeste e Norte da Europa abriu caminho para que o ar muito frio do Ártico ingressasse no Norte da Ásia e na Europa Oriental. A onda polar traz temperaturas durante o dia 10ºC a 12ºC abaixo do normal no Leste da Ucrânia e 5ºC a 7ºC abaixo do normal na parte ocidental do país.


São os dias mais frios que o país experimenta em semanas, uma vez que a última onda de frio mais forte ocorreu no final de dezembro e por um tempo em meados e final de janeiro em meio a um inverno muito ameno. Ontem, a Ucrânia registrou mínimas de -10,1ºC em Konotop, -10,2ºC em Poltava e -11,3ºC em Ai-Petri. Na vizinha Polônia, para onde grande parte dos refugiados da guerra está ingressando pelas fronteiras, as mínimas desta quinta-feira baixaram a valores de até -15,2ºC em Kasprowy Wierch.

E o frio vai seguir castigando os ucranianos e refugiados em países vizinhos. Isso porque um reforço do ar do Ártico chega da Rússia neste fim de semana. As temperaturas podem se aproximar de 20ºC negativos no Nordeste ucraniano. A onda de frio seguirá ao menos até o meio do mês, quando a alta do bloqueio atmosférico começará a entrar em colapso.

Um homem caminha entre casas destruídas durante ataques aéreos na cidade central ucraniana de Bila Tserkva. Ucranianos enfrentam, além das bombas, o frio extremo sem luz, água e comida em algumas cidades. | ARIS MESSINIS/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Militares das Forças Militares Ucranianas fazem uma fogueira para se aquecer na região de Luhansk em meio ao frio intenso na Ucrânia que vai aumentar muito nos próximos dias | ANATOLI STEPANOV/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Soldado polonês carrega uma criança e ajuda uma família de refugiados depois que eles cruzaram a fronteira para a Polônia da Ucrânia na passagem de fronteira em Medyka, Leste da Polônia, em 9 de março, sob neve e frio extremo. | LOUISA GOULIAMAKI/AFP/METSUL METEOROLOGIA

“O clima frio realmente afetou os civis, que [estavam] tentando fugir da zona de guerra”, escreveu Tatiana Adamenko, chefe do Departamento Agrometeorológico do Centro Hidrometeorológico da Ucrânia em Kiev, em um e-mail ao Washington Post. Adamenko se correspondeu com o Post através de Inbal Becker-Reshef, professor da Universidade de Maryland e diretor do programa da NASA Harvest, que colabora com o centro hidrometeorológico ucraniano para previsão de safras.

O frio extremo desta semana contrasta fortemente com as temperaturas excepcionalmente altas para o inverno em fevereiro em fevereiro. Dados de 17 estações meteorológicas terrestres ucranianas indicaram que as temperaturas em fevereiro estavam vários graus acima da média normal ao longo do mês. Muitas estações meteorológicas interromperam o serviço perto do final de fevereiro, mas os dados de satélite também mostram temperaturas acima da média em março.

O site oficial do Centro Hidrometeorológico Ucraniano está fora do ar há vários dias. Adamenko disse que as informações meteorológicas padrão ainda estão chegando e são salvas em seu servidor, mas apenas das estações que não estão sendo ocupadas pelas forças russas. As informações meteorológicas para o exército ucraniano estão sendo fornecidas pelo serviço hidrometeorológico militar, com o qual ela não tem conexão.

Anúncios