Anúncios

Um raio atinge a cúpula da Basílica de São Pedro, no Vaticano. Nada de extraordinário, não fosse no dia da primeira renúncia de um papa em mais de seis séculos. As fotos do raio atingindo o Vaticano horas depois da renúncia surpreendente de Bento XVI acabou em capas de alguns jornais do mundo (abaixo) e provocou furor nas redes sociais, sob as mais variadas teses. Uns sustentavam ser um sinal divino de fúria do céu. Outros diziam que o registro fotográfico era falso ou de uma data anterior.  



O fato ocorreu e as fotos são genuínas. Quem assistiu o Jornal Nacional, da Rede Globo, na noite de ontem ouviu logo no início da edição do telejornal o relato do correspondente Marcos Losekann relatar um violento temporal na aproximação de Roma. “Uma das piores tempestades dos últimos dez anos de acordo com os romanos”, disse Losekann. “Quase o piloto teve que arremeter para pousar sabe Deus onde”, complementou. Foram várias horas seguidas de chuva forte, muitos raios e ventania, conforme os boletins metar do Aeroporto de Roma.



A foto acima foi feita pelo fotógrafo freelance Alessandro Di Meo, da agência italiana de notícias ANSA, a mesma que deu em primeira mão a notícia da renúncia papal porque sua jornalista Giovanna Chirri era a única presente a entender Latim, idioma em que o Papa anunciou sua renúncia. A foto de Alessandro Di Meio foi distribuída também pelas agências espanhola EFE e a européia EPA. “Entendo que a foto possa parecer incrível, mas tive que esperar mais de 40 minutos para registrar o raio correto no momento certo”, relatou. Seguindo ele, eram 19h30m em Roma, quando o raio alcançou a Basílica de São Pedro. “Estava chegando o temporal e quando vi o primeiro relâmpago tive a ideia de imediato de fotografar”, conta. Di Meo, contudo, não foi o único a fotografar. Filippo Monteforte também captou o raio atingindo o Vaticano no dia da renúncia do Papa em imagem que foi distribuída pela agência de notícia francesa France Press (AFP).

Anúncios