Um vídeo ilustra a enorme intensidade do frio que se está registrando nestes dias no Sul da Argentina. Alfredo Ristol, morador da localidade de Maquinchao, na província de Argentina, gravou um vídeo mostrando como uma bolha de água e sabão congelou e apenas segundos com o frio que fazia no momento de 14ºC abaixo de zero.


A Argentina teve ontem a sua menor temperatura do ano até agora na rede oficial de estações do Serviço Meteorológico Nacional com quase 20ºC abaixo de zero. A mínima nacional ocorreu justamente na cidade de Maquinchao, que pela sua topografia na província de Río Negro, costuma ter marcas extremamente baixas, semelhante ao que ocorre em Urupema no Sul do Brasil. A temperatura na localidade desceu a 19,9ºC negativos no começo da terça-feira.

Mesmo que Maquincho esteja acostumada a valores extremos de frio, uma mínima de -19,9ºC como a de ontem não é comum. Tanto que meteorologistas argentinos destacaram ter sido a menor temperatura mínima na estação do SMN na localidade desde 2007, ano em que a Argentina enfrentou um dos seus invernos mais rigorosos até hoje.

E o frio nesta quarta-feira foi mais uma vez extremo em Maquinchao. A temperatura mínima na estação do Serviço Meteorológico Nacional na cidade do Norte patagônico foi de 18,0ºC abaixo de zero. Menos extrema que a de ontem, mas ainda assim incomum para os padrões locais. No restante da região, entretanto, não houve registro de frio tão intenso pela instabilidade por um centro de baixa pressão muito profundo.

O movimento do ar frio de origem polar tem estado predominantemente zonal no Cone Sul, ou seja, com as massas de ar frio se movimentando de Oeste para Leste no Sul da América do Sul e sem progredir para o Norte de forma recorrente. Isso explica o julho até agora de temperatura muito acima da média no Centro-Sul do país enquanto no Sul do continente tem feito muito frio. A tendência para os próximos sete dias no Sul do Brasil é de temperatura acima a muito acima da média de julho.