Anúncios

Uma grande nuvem de poeira oriunda do deserto do Saara avança neste momento pelo Atlântico Norte a partir da África e já ingressa no Caribe. Imagem do satélite Sentinel-5P foi divulgada pela Adam Plataform, mostrando a enorme pluma se deslocando pelo oceano de Leste para Oeste em direção ao continente americano.

Nuvem de poeira do Saara avança neste momento pelo Atlântico Norte | Adam Plataform

A pluma de poeira saariana que se desloca através do Oceano Atlântico da África não é novidade. Grandes plumas de poeira do deserto avançam  rotineiramente no Oceano Atlântico, principalmente do final da primavera ao início do outono no Hemisfério Norte. Se for grande o suficiente e com ventos alísios favoráveis, a poeira pode viajar milhares de quilômetros através do Atlântico até as Américas Central e do Norte.


Em muitos locais do Caribe, além da América Central, os habitantes notarão a camada de poeira do Saara na forma de uma névoa leitosa. As minúsculas partículas de poeira lançadas a quiômetros de altitude no ar também provocam a dispersão dos raios do sol ao entardecer e amanhecer, o que dá lugar a começos de manhã e finais de tarde muito mais coloridos.

A poeira saariana chega com ar extremamente seco e isso tende a inibir a formação de ciclones tropicais como tempestades tropicais e furacões. Um ciclone tropical precisa de um ambiente quente, úmido e calmo. Por isso, no curto prazo a temporada de furacões do Atlântico Norte estará calmíssima.

Um estudo a partir de dados da NASA mostrou que a poeira do Saara é benéfica para a nossa floresta amazônica, servindo como “alimento” para a floresta tropical. A viagem transoceânica de um continente para o outro, de acordo com os pesquisadores, é importante por causa do que está na poeira.

A poeira levantada da depressão Bodélé, no Chade, um antigo leito de lago formado por minerais rochosos compostos de microorganismos mortos, está carregada de fósforo. Trata-se de um nutriente essencial para as proteínas e o crescimento das plantas, do qual a floresta amazônica depende para florescer.

Os nutrientes, os mesmos encontrados em fertilizantes comerciais, são escassos nos solos amazônicos. Folhas caídas em decomposição e matéria orgânica fornecem a maioria dos nutrientes, que são rapidamente absorvidos pelas plantas e árvores após entrarem no solo. Alguns nutrientes, entretanto, incluindo o fósforo, são levados pela chuva para riachos e rios.


O fósforo que atinge os solos amazônicos a partir da poeira do Saara, uma estimativa de 22.000 toneladas por ano, é quase a mesma quantidade perdida pela chuva e inundações. A descoberta faz parte de um esforço maior de pesquisa para entender o papel da poeira e dos aerossóis no meio ambiente e no clima local e global.

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

Anúncios