NOAA

O fenômeno La Niña retornou e, segundo a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos, atua desde o mês de agosto no Oceano Pacífico Equatorial. Os últimos dados de anomalia de temperatura da superfície do mar indicaram desvios de -1,2ºC tanto no Pacífico Equatorial Central (região Niño 3,4) assim como no Pacífico Equatorial Leste (região Niño 1+2), logo dentro do patamar de um evento moderado de La Niña. Há um consenso, aliás, neste momento, dentre a maior parte dos meteorologistas dos Estados Unidos e outros centros internacionais, que o La Niña atual já superou a fase de fraco e está no território de moderada intensidade.

A MetSul Meteorologia antecipa que a tendência é do fenômeno La Niña seguir se intensificando agora no último trimestre do ano, permanecendo no território de moderada intensidade no curto prazo e podendo atingir mesmo o patamar de forte intensidade entre os meses de novembro e dezembro. Com isso, as condições de La Niña persistirão no decorrer do verão e, mais, acreditamos que possam avançar mesmo no outono.

La Niña não é apenas oceânico, mas sim um fenômeno oceânico-atmosférico, ou seja, que ocorre tanto no Pacífico como na atmosfera. E, neste momento, a atmosfera responde ao resfriamento das águas superficiais do Pacífico Equatorial. Observa-se uma Circulação de Walker mais intensa que o normal, o que deve se esperar quando existe um episódio de La Niña em andamento.


O que ocorre? Há forte movimentos ascendentes do ar (convecção) sobre o Pacífico Oeste muito quente, o que explica a razão para a Austrália ter mais chuva com La Niña, e esse ar que ascendeu “viaja” para Leste pela faixa equatorial do Pacífico na parte alta da atmosfera e “desce” (subsidência) sobre as áreas com as águas mais frias no Centro e no Leste do oceano, passando a fazer o movimento inverso na direção Oeste perto da superfície.


Um dos indicadores deste movimento na atmosfera é o chamado Índice de Oscilação Sul, que responde pela sigla SOI em Inglês (Southern Oscillation Index). Este índice é calculado diariamente a partir da diferença de pressão atmosférica em superfície entre o Taiti e Darwin no Pacífico. Valores positivos acompanham La Niña e negativos se dão com La Niña. Hoje, a média da SOI dos últimos 30 dias é de +12,44, logo em patamar típico de La Niña.

O perfil de águas subsuperficiais, abaixo da superfície, mostra que há grande piscina de águas mais frias que deve alcançar a superfície no decorrer dos próximos noventa dias. Isso fará com que o resfriamento em superfície aumente até o final deste ano, portanto intensificando a La Niña.

É por isso que os modelos de clima, em geral, apontam que neste último trimestre do ano se dará uma intensificação do evento de La Niña em curso. A maior parte destas projeções computadorizadas indica que o pico de intensidade do fenômeno se daria entre os meses de novembro e janeiro. E, o mais importante, o evento deste ano atingiria o patamar de forte intensidade.


Convencionou-se, apesar de não existir uma regra consensual, que anomalias médias entre -0,5ºC e -0,9ºC designam um evento fraco. De -1,0ºC a -1,4ºC de moderada intensidade. De -1,5ºC a -1,9ºC de forte intensidade. E abaixo de -2,0ºC um episódio intenso. Muitos modelos climáticos e alguns dos mais importantes estão indicando que o pico deste evento de La Niña poderia ter valores entre -1,5ºC e -2,0ºC, assim na faixa de forte intensidade, e alguns chegam a projetar até anomalia de temperatura da superfície do mar abaixo de -2ºC, por conseguinte em território intenso. Os modelos CFS, da NOAA, e o GEOS 5, da NASA, indicam que o evento de La Niña poderia ter um pico de -2ºC a -2,5ºC, assim no patamar de intenso, entre dezembro e janeiro.

Por sua vez, no campo dos modelos rodados por centros meteorológicos da Europa, as projeções não são muito distintas. O modelo do Centro Meteorológico Europeu aponta a possibilidade de anomalias entre -1,5ºC e -2,0ºC enquanto o do Met Office do Reino Unido sinaliza ao redor de -2,0ºC entre o fim de dezembro e o começo de janeiro.

Assim, não apenas o episódio de La Niña prossegue nos próximos meses como tende a se intensificar e ainda deve atingir forte intensidade com possibilidade até de ser intenso. A maior ou menor intensidade de um evento de La Niña não significa que seus impactos serão mais ou menos intensos, logo não se pode fazer a associação La Niña fraca e estiagem fraca ou La Niña forte e estiagem forte, no caso do Sul do Brasil. O que o aumento da intensidade produz é o incremento da probabilidade dos impactos comuns virem a ocorrer, o que no caso do Sul do Brasil significa um aumento de probabilidade da ocorrência de estiagem.

A MetSul Meteorologia entende que a pergunta quanto aos próximos meses não é se terá ou não estiagem e sim qual será a sua extensão e gravidade. Consideramos como altíssima a probabilidade que o fenômeno La Niña impacte negativamente a safra de verão de 2021 no Sul do Brasil, em particular no Rio Grande do Sul, com perda de produtividade que em algumas áreas poderá ser significativa.

Este material não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização prévia da MetSul Meteorologia