Anúncios

Pastores recebem sacos de carvão como ajuda de uma empresa em meio a condições climáticas extremamente frias em Bayanmunkh, na província de Khentii, na Mongólia. Mais de dois milhões de animais já morreram na Mongólia neste inverno, disse uma autoridade, vítimas do fenômeno climático extremo “dzud”, que a ONU afirma colocar 90% do país em risco. | BYAMBASUREN BYAMBA-OCHIR/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Mais de dois milhões de animais morreram na Mongólia neste inverno, informou o governo do país asiático nesta segunda-feira enquanto o país enfrenta frio e neve extremos. O inverno de 2024 tem sido mais rigoroso do que o habitual na Mongólia, com temperaturas abaixo da média e nevascas muito fortes

O país está acostumado com o clima severo entre os meses gelados entre dezembro e março, quando as temperaturas descem até 50ºC negativos em algumas áreas. Mas este inverno tem sido mais rigoroso do que o habitual, com temperaturas mais baixas do que o normal e nevascas muito fortes, afirmaram as Nações Unidas num relatório recente.

Até segunda-feira, 2,1 milhões de cabeças de gado morreram de fome e exaustão, disse Gantulga Batsaikhan, do Ministério da Agricultura do país. A Mongólia tinha 64,7 milhões desses animais, incluindo ovelhas, cabras, cavalos e vacas, no final de 2023, mostram as estatísticas oficiais.

O clima extremo é conhecido como “dzud” e normalmente resulta na morte de um grande número de animais. As Nações Unidas afirmaram que as alterações climáticas estão a aumentar a frequência e a intensidade dos dzuds.


A Mongólia sofreu seis dzuds na última década, incluindo o inverno de 2022-23, quando 4,4 milhões de cabeças de gado morreram. O dzud deste ano foi agravado por uma seca de verão que impediu os animais de acumularem reservas de gordura suficientes para sobreviverem ao inverno rigoroso.

Setenta por cento da Mongólia está enfrentando condições “dzud ou quase dzud”, disse a ONU. Isso se compara a 17% do país na mesma época em 2023. “O inverno começou com fortes nevascas, mas subitamente a temperatura do ar subiu e a neve derreteu”, disse à AFP o pastor Tuvshinbayar Byambaa. “Então as temperaturas caíram novamente, transformando a neve derretida em gelo”.

Esse gelo torna difícil para o gado chegar à grama abaixo, disse ele, impedindo-os de pastar e forçando muitos pastores a pedir dinheiro emprestado para alimentação. “As mudanças climáticas são tão repentinas hoje em dia”, disse Tuvshinbayar. O dzud mais mortífero de que há registo foi no inverno de 2010-2011, quando mais de 10 milhões de animais morreram – quase um quarto do gado total do país na altura.

A queda de neve deste ano – a mais intensa desde 1975 – agravou o sofrimento dos pastores, prendendo-os em áreas mais frias e impossibilitando-os de comprar comida e feno para os seus animais nas cidades vizinhas. A Mongólia é um dos países menos povoados do mundo e cerca de um terço da sua população de 3,3 milhões de pessoas é nômada.

O governo prometeu ajudar, lançando uma campanha para fornecer forragem de feno aos pastores, numa tentativa de evitar novas perdas de produtos cruciais como carne e caxemira, uma das principais exportações do país. Mas, por enquanto, Tuvshinbayar e seus colegas pastores só podem rezar por um clima mais quente.

“Está se tornando muito difícil ser pastor – sofremos secas e inundações no verão e dzud no inverno”, disse ele à AFP. “Começarei a perder os meus animais se a neve não derreter nos próximos meses”, acrescentou. “Todos os pastores estão rezando para que o tempo mais quente derreta esse gelo, para que nossos animais possam alcançar a grama”.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios