Brutais ondas de calor ganham ainda mais força no Hemisfério Norte, quebram recordes históricos de temperatura e saturam os serviços de emergência média. O calor extremo afeta o Sudoeste dos Estados Unidos, parte da Europa e setores da Ásia, Norte da África e Oriente Médio.

Placa de uma farmácia indicando a temperatura externa perto da Scalinata di Trinita dei Monti (Escadaria Espanhola) em Roma durante a onda de calor brutal na Itália. | TIZIANA FABI/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Faixas da Europa torraram terça-feira em uma onda de calor seguida de incêndios florestais e alertas de saúde, enquanto partes da Ásia e dos Estados Unidos também sofreram com o tempo extremo. Bombeiros combatem incêndios em partes da Grécia e das Ilhas Canárias, e a Espanha emitiu alertas de calor, enquanto algumas crianças na Sardenha, na Itália, foram advertidas a não praticar esportes por motivos de segurança.

Nos Estados Unidos, a cidade de Phoenix quebrou um recorde de 49 anos com seu 19º dia consecutivo de temperaturas de 43,3ºC ou mais, disseram autoridades meteorológicas. “Você não pode ficar na rua, é horrível”, disse Lidia Rodriguez, 27, em Madri. De Washington a Pequim, as autoridades alertaram nos últimos dias sobre os perigos do calor extremo para a saúde, pedindo às pessoas que bebam água e se protejam do sol.


Hospitais em toda a Itália viram um aumento acentuado no número de pessoas que procuram atendimento de emergência para doenças relacionadas ao calor, à medida que uma onda de calor continua atingindo o país, com as temperaturas em Roma estabelecendo um novo recorde.

Alguns hospitais relataram um aumento de 20 a 25% no número de chegadas às unidades de emergência sofrendo de desidratação ou outras doenças causadas pela superexposição ao calor. As temperaturas em Roma atingiram 41,8°C nesta terça-feira, quebrando o recorde anterior de 40,7°C estabelecido em junho de 2022. A Sicília atingiu cerca de 41°C e houve máximas de 45°C na Sardenha.

Na cidade de Nápoles, no Sul, o hospital Cardarelli disse que 231 pacientes acessaram atendimento de emergência nas últimas 24 horas – o equivalente a um paciente a cada seis minutos e o maior número diário desde a pandemia de coronavírus em 2020. A maioria dos pacientes eram idosos, alguns deles de residências. No entanto, pessoas de todas as idades, inclusive turistas, têm procurado atendimento.


“Vivemos um momento extremamente delicado”, disse Antonio d’Amore, diretor geral do hospital. Dos internados na segunda-feira, 2% estavam em estado grave e 38% em estado moderadamente crítico. “Dada a criticidade do momento, peço aos cidadãos que entrem em contato com o pronto-socorro apenas em casos de real necessidade”, disse d’Amore. “Agora devemos dedicar nossas energias àqueles que realmente precisam de cuidados”.

TIZIANA FABI/AFP/METSUL METEOROLOGIA

O Ministério da Saúde da Itália colocou 23 cidades, incluindo Roma, Florença, Bolonha, Bari, Catânia, Cagliari, Palermo e Turim em “alerta vermelho”, uma medida que significa que o calor é tão intenso que é considerado uma ameaça à saúde do toda a população, não apenas crianças e idosos. O ministério pediu às pessoas que se vistam de linho, evitem sair de casa durante as horas mais quentes e cortem o álcool, o café e os refrigerantes.

Emitiu ainda uma circular aconselhando os governos regionais a estabelecer “códigos de calor” em unidades de emergência como forma de priorizar o atendimento, ao mesmo tempo em que presta assistência domiciliar, especialmente aos mais vulneráveis, e impulsiona os serviços médicos fora do expediente.

A Meteo France disse que um recorde de 29,5ºC foi alcançado na estação de esqui alpina de Alpe d’Huez, que fica a uma altitude de 1.860 metros enquanto 40,6ºC foram Registrados pela primeira vez tempo em Verdun, no sopé dos Pirineus.


Em um forte lembrete dos efeitos do aquecimento global, a Agência Meteorológica Mundial (OMM) da ONU disse que a tendência das ondas de calor “não mostra sinais de diminuição”. “Esses eventos continuarão a crescer em intensidade, e o mundo precisa se preparar para ondas de calor mais intensas”, disse John Nairn, consultor sênior de calor extremo da OMM, a repórteres em Genebra.

Moradores locais observam o incêndio florestal no assentamento de Irini, perto da cidade turística de Loutraki, cerca de 80 quilômetros a leste de Atenas. | VALERIE GACHE/AFP/METSUL METEOROLOGIA

A Noroeste da capital grega, Atenas, colunas de fumaça pairavam sobre a floresta de Dervenohória, onde um dos vários incêndios ao redor da capital e além ainda estava queimando. Ainda queima um incêndio florestal no balneário de Loutraki, onde o prefeito disse que 1.200 crianças foram evacuadas na segunda-feira de acampamentos de férias.

Nas Ilhas Canárias, cerca de 400 bombeiros combateram um incêndio que devastou 3.500 hectares de floresta e forçou a evacuação de 4.000 moradores, com as autoridades alertando os moradores para usarem máscaras do lado de fora devido à má qualidade do ar.

As ondas de calor na Europa e no mundo “não são um único fenômeno, mas vários agindo ao mesmo tempo”, disse Robert Vautard, diretor do instituto climático francês Pierre-Simon Laplace. “Mas todos eles são fortalecidos por um fator: a mudança climática”.