Anúncios

Irritado, o presidente da COP28, Sultão Ahmed Al Jaber, fala durante uma conferência de imprensa na cúpula do clima das Nações Unidas em Dubai nesta segunda-feira em que reagiu às declarações suas reveladas pelo Guardian em que declarou que nenhuma ciência afirma que a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis ajudará a atingir as metas climáticas. |KARIM SAHIB/AFP/METSUL METEOROLOGIA

O executivo petrolífero dos Emirados Arábes Unidos que lidera a conferência mundial do clima enfrentou intensas críticas nesta segunda-feira devido à sua afirmação de que “não havia ciência” que mostrasse que os combustíveis fósseis devem ser eliminados gradualmente para evitar níveis desastrosos de aumento da temperatura global.

Sultan Al Jaber, presidente da COP28 e executivo-chefe da empresa estatal de petróleo Adnoc, disse em um vídeo recém-publicado que “não há ciência lá fora, ou nenhum cenário lá fora, que diga que a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis é o que limitará o aquecimento do planeta a 1,5ºC”.


Os cientistas dizem que se as temperaturas subirem mais de 1,5ºC em relação aos níveis pré-industriais, a humanidade terá dificuldade em se adaptar a tempestades cada vez mais severas, secas, calor e à subida do nível do mar.

Al Jaber fez os comentários polêmicos há duas semanas, mas eles só vieram à tona no domingo, quando foram relatados pelo jornal inglês The Guardian.


“Por favor, ajude-me, mostre-me um roteiro para a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis que permitirá o desenvolvimento socioeconômico sustentável, a menos que você queira levar o mundo de volta às cavernas”, disse Al Jaber em um painel de discussão liderado por Mary Robinson, ex-presidente da Irlanda, que é agora um proeminente defensor do clima.

As suas observações desencadearam uma tempestade nas negociações climáticas realizadas no Dubai, conhecidas como COP28. O ex-vice-presidente Al Gore, que apelou à substituição dos combustíveis fósseis pela energia eólica, solar e outras energias renováveis, atacou Al Jaber.

“Desde o momento em que esta absurda farsa começou, foi apenas uma questão de tempo até que o seu disfarce absurdo não escondesse mais a realidade do conflito de interesses mais descarado na história das negociações climáticas”, disse Gore por e-mail ao New York Times. “Obviamente, o mundo precisa eliminar gradualmente os combustíveis fósseis o mais rápido possível”, afirmou.

Na segunda-feira, um desafiador Al Jaber sugeriu que ele não disse o que pode ser ouvido no vídeo. E indicou que qualquer pessoa que afirmasse o contrário estava a tentar minar a sua liderança na COP28. Diante de uma coletiva de imprensa lotada e organizada às pressas, Al Jaber pareceu levar as críticas para o lado pessoal e descreveu sua formação como economista e engenheiro.

“Eu respeito a ciência em tudo que faço”, disse ele. “Eu já disse repetidas vezes que a redução e a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis são inevitáveis”, disse Al Jaber.

Ele insistiu que já apelou muitas vezes à eliminação progressiva dos combustíveis fósseis e disse que os seus esforços para defender as alterações climáticas foram ignorados pelos meios de comunicação social. Al Jaber pareceu ofendido, discordando de “uma declaração, tirada do contexto com deturpação e má interpretação que obtém cobertura máxima”.

O planeta já aqueceu cerca de 1,2ºC desde a Revolução Industrial, impulsionado pela queima de carvão, petróleo e gás. Jim Skea, presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU, disse, sentado ao lado de Al Jaber, que os combustíveis fósseis precisariam ser “grandemente reduzidos” até 2050, a fim de limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

Anúncios