Anúncios

A geada deve voltar a trazer prejuízo para produtores rurais do Centro-Sul do Brasil com a erupção de ar polar. A tendência que o pior de geada seja a sexta-feira, quando grande número de localidades terá a ocorrência do fenômeno e muitas com muito forte a severa intensidade. A geada deverá alcançar áreas do Chuí, no Extremo Sul do Brasil, ao Sul do Mato Grosso do Sul, Sul de Minas Gerais e possivelmente pontos do Sul de Goiás.

Hoje, a geada se limita ao Sul do Brasil e não chega a ser abrangente. Isso em razão da presença de vento e nuvens em muitas áreas. O grande risco hoje é geada negra (que mata a planta e é diferente da geada tradicional) em razão do frio muito intenso e do vento em localidades de média e elevada altitude.


O cenário deverá mudar, entretanto, nesta quinta-feira. A geada já deverá alcançar maior número de municípios do Sul do Brasil e parte do Centro-Oeste e do Sudeste do país. As áreas que podem ficar de fora da zona de geada são as que terão nuvens na madrugada, o que favorecerá a neve, como o Nordeste gaúcho e parte de Santa Catarina.

O dia crítico e por demais preocupante para a formação de geada será a sexta-feira. O frio que se espera para o Centro-Sul do país é enorme na madrugada e o amanhecer da sexta. As mínimas abaixo de zero serão generalizadas no Sul do Brasil e devem ocorrer em parte da Região Sudeste. No Sul, termômetros podem indicar -7ºC a -9ºC na Serra do Sudeste e Aparados da Serra do Rio Grande do Sul. De -10ºC a -12ºC no Planalto Sul Catarinense e de -6ºC a -8ºC no Paraná. A cidade de São Paulo pode uma das mínimas mais baixas em décadas.

Sob este cenário, a geada no começo da sexta-feira será muito ampla e generalizada. Vai se formar na quase totalidade dos municípios do Sul do Brasil e até em alguns costeiros, onde o fenômeno é pouco comum. Em muitas áreas a geada será de grande intensidade e até severa no Sul, sobretudo em baixadas de municípios de maior altitude. Deve gear em muitas cidades de São Paulo e do Sul de Minas Gerais.


Com isso, os prejuízos por geada com as duas ondas polares anteriores deste inverno, do final de junho e da terceira semana de julho, devem aumentar ainda mais. Novamente se espera um impacto em hortifruti, cana-de-açúcar e com risco mais uma vez para o café. Outras culturas também podem sofrer conseqüências negativas deste terceiro grande evento de geada generalizada, o que é raro, uma vez que normalmente a cada inverno o normal é serem registrados um dois episódios de geada ampla no Brasil.

Os mapas de geada estão disponíveis ao assinante com até quatro atualizações diárias em nossa seção de mapas da página.

Anúncios