Anúncios

Frente fria avançou rápido pelo Rio Grande do Sul na última quarta-feira e na sua trajetória deixou um rastro de destruição e prejuízos, sobretudo, devido a fortes rajadas de vento. O sistema frontal foi antecedido por aquecimento que no dia 27 de maio favoreceu máxima de 27,4oC em Santa Cruz do Sul, no dia 28 a máxima no Estado foi de 28,1oC em São Borja e ontem a máxima foi de 27,6oC em Iraí. O ar quente que precedeu a chegada da instabilidade serviu de combustível para ativar a convecção que provocou temporais isolados já na terça-feira com queda de granizo em pelo menos 6 municípios gaúchos, entre eles Porto Alegre, São Gabriel, Triunfo, Cruz Alta e região de Sobradinho. Passada a instabilidade, hoje o dia começou frio com mínimas de 1,6oC em Farroupilha e 1,8 oC em Santa Rosa.


Ontem a frente fria avançou com intensidade pelo Rio Grande do Sul desde a madrugada. No período da manhã uma área de tempestades avançou em grupo de Sul para o Norte levando chuva, granizo e vendavais por onde passava. Inúmeros foram os municípios que tiveram destruição, sobretudo, nas partes do Centro e Oeste do Estado em razão dos vendavais. O avanço da instabilidade foi rápido e pela sequência de imagens acima é possível notar que em pouco mais de 7 horas a frente fria cruzou o Rio Grande do Sul de Sudoeste a Nordeste.

A imagem de satélite de alta resolução da NASA mostra que nas áreas de “aparência rugosa” atuavam nuvens de grande desenvolvimento vertical, com potencial de tempo severo em áreas localizadas. 1% dessas nuvens dão origem a tornados.



Imagem de satelite de alta resoluçao da NASA da manhã de quarta-feira – NASA

A imagem abaixo mostra que por volta das 8h00 havia vários núcleos de chuva extrema com alto potencial de tempo severo, ou seja, raios, vendaval e granizo. Na Argentina, em Corrientes, localidade de La Cruz, um tornado devastou parte da cidade (em destaque a esquerda no mapa). Na imagem seguinte, é possível observar que as 9h15 um intensa linha de temporais avançava na altura de Alegrete.

 

Imagens de radar da Redemet

O deslocamento da frente fria pelo Estado foi muito rápido o que acentuou a intensidade da instabilidade já que neste processo provocou rápida troca de massas de ar, o ar quente foi substituído pelo ar seco e frio.

Na Região Metropolitana e na Serra os temporais ocorreram entre o fim da manhã e começo da tarde, embora a chuva já tivesse ocorrido no turno da manhã em municípios da Grande Porto Alegre.

Redemet

No quadro abaixo destaque para as maiores rajadas de vento registram ontem no Rio Grande do Sul. O vento mais forte ficou concentrado entre o Centro e o Oeste do Estado,  região que teve também maiores danos com destelhamentos, queda de postes e árvores.

 

Dados do INMET

Segundo da base aérea de Santa Maria o vento atingiu 111 km/h às 10h40. Contudo, a Metsul acredita que pelo rastro de destruição de algumas áreas o vento possa ter atingido de 130 a 150 km/h. Os maiores danos foram destelhamentos assim como queda de postes que deixou centenas de milhares de residencias em energia elétrica.

A chuva foi forte em alguns pontos, porém o rapido deslocamento da frente fria pelo Estado fez com que o periodo de precipitação tenha sido curto e em razão disso os volumes acumulados em grande parte do Rio Grande do Sul não foi muito expressivo. Na Capital as estações do Metroclima registraram 20 a 30 mm na maior parte dos bairros.

Dados de chuva das estações automáticas do Inmet e estações particulares

A mídia ontem deu grande destaque a Sapiranga, município da Região Metropolitana que teve os maiores danos na sua área urbana. Foram pelo menos 40 postes derrubados pelo vento além de prédios que foram destruídos, outdoors e arvores que foram devastados pelo vendaval. Pelos menos outros 13 municípios tiveram danos severos devido ao temporal. E mais de 154 mil clientes ficaram sem luz após o temporal. No fim da tarde de hoje, ainda havia pelo menos 30 mil clientes que não tiveram a energia elétrica restabelecida. Análise preliminar da equipe da Metsul descarta possibilidade tornado e trabalha com a possível ocorrência de uma “micro explosão” em Sapiranga no bairro central onde o prédio que funcionava um boliche foi totalmente destruído. As imagens dos destroços do prédio tem forte indícios de intensa corrente de ar descendente da nuvem para o solo provocando a destruição.

 

O vendaval derrubou 40 postes em Sapiranga- Néia Dutra

Destruíção no município de Sapiranga- Néia Dutra

Em Jaguari, no Oeste do Estado dezenas de árvores tiveram suas copas arrancadas com assinatura típica de atividade tornádica, os danos só não foram maiores porque o fenômeno ocorreu em área rural, pouco habitada.

Possível tornado arrancou copa das árvores na área rural de Jaguari – Divulgação/AESUL

 

 

Forte vendaval arrancou árvores pela raíz em São Vicente do Sul – João Filho – PMSV

 

Em Cachoeira do Sul segundo avaliação da Defesa Civil mais de mil casas foram destelhadas devido ao vento forte que afetou a cidade ontem no fim da manhã.

Em Manoel Viana 90% dos prédios púbicos foram destelhados pelo vendaval.

Vendaval provou destruíção também em Manoel Viana – João Vilnei

Anúncios