Maringá registrou grande número de ocorrências por queda de árvores devido ao forte temporal com vendaval da madrugada deste sábado e que trouxe ainda cortes de energia no município | PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ

Temporais deixaram um rastro de destruição nas últimas horas no Paraná. Mais de mil casas foram destelhadas pelos temporais fortes a severos de vento e granizo que atingiram diversas cidades do território paranaense. Várias regiões do Paraná sofreram com tempo severo no final da sexta e no começo deste sábado, mas as piores tempestades ocorreram no Oeste.

O município mais castigado pelas tempestades foi Maripá, no Oeste paranaense. A cidade, localizada a cerca de 40 quilômetros de Toledo, foi castigada no final da tarde da sexta-feira por intenso temporal de vento e granizo com áreas de instabilidade muito fortes que atuavam naquele momento no Oeste do Sul do Brasil e ganhavam força.

Conforme a imprensa local, árvores, postes, estruturas e telhados foram destruídos com as rajadas que chegaram a 100 km/h. A Defesa Civil Estadual informou que mais de mil casas foram destelhadas por causa do granizo que atingiu o município. “Há cinco equipes, entre Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, atuando desde a madrugada na cidade para ajudar a população”, afirmou o capitão da Defesa Civil do Paraná, Marcos Vidal.


A quantidade de pedra que caiu no município foi tanta que gramados e ruas ficaram brancos. Muitas pessoas ficaram desabrigadas e as equipes do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, e da prefeitura estão nas ruas para dar apoio aos moradores. Foi um dos piores temporais da história do município.

Maringá

Outra cidade duramente castigada pelos temporais das últimas horas foi Maringá, onde também se registraram danos. Muitas árvores e postes não resistiram à força do vento e caíram, atingindo veículos e telhados de residências. De acordo com os bombeiros, mais de 50 pedidos de cortes de árvores foram registrados.

A Prefeitura de Maringá criou um gabinete de crise devido ao impacto do temporal da madrugada deste sábado no município. Uma força tarefa foi organizada para fazer frente aos estragos e impactos nos serviços públicos. Algumas áreas da cidade seguem sem luz.


Até o final da manhã deste sábado, conforme a empresa de energia Copel, 65 mil consumidores estavam sem energia na cidade. Paiçandu (20 mil clientes) e Mandaguaçu (13 mil) também registravam ocorrências de falta de luz. Em todo o Paraná, informou a companhia, eram 326 mil clientes sem energia ou mais de um milhão de pessoas. Mais de 700 profissionais foram acionados para agilizar o restabelecimento da energia.

Por conta da falta de luz, o serviço de água também foi afetado em vários municípios. Mais de 20 cidades do Paraná, de acordo com a companhia de saneamento Sanepar, estava com interrupção no fornecimento de água. A situação era mais grave em municípios do Oeste e do Sudoeste paranaense.

Curitiba

Em Curitiba e Região Metropolitana, várias residências também ficaram sem energia neste sábado. Boletim da Defesa Civil, divulgado pela prefeitura da capital, revelou que os ventos chegaram a 32,8 Km/h, mas as rajadas foram muito mais fortes a ponto de terem derrubado árvores em diferentes bairros da capital paranaense.

Árvores caíram sobre casas e estabelecimentos comerciais na Região Metropolitana de Curitiba | COPEL

Curitiba amanheceu com árvores caídas na ruas | COPEL

Centenas de empregados da empresa de energia trabalham para restabelecer a luz em cidades do Paraná depois dos fortes vendavais das últimas horas | COPEL

O vento derrubou postes até de concreto em diferentes municípios com a violência das tempestades trazidas pela frente fria que avançou pelo Sul do Brasil | COPEL

Devido ao temporal, a Sanepar informou que houve quedas de energia no sistema de produção da Estação de Tratamento de Água Passaúna, na capital. Pode haver falta de água e/ou oscilação de pressão na rede em vários bairros de Curitiba, Araucária, Almirante Tamandaré, Campo Largo e Campo Magro. O abastecimento deve se normalizar ao longo do dia, até o período da noite, informou a empresa.


Previsão do tempo

Os temporais fortes a severos no Paraná foram consequência de uma frente fria que avançou sobre a massa de ar quente que se encontrava sobre o território paranaense, o que formou nuvens muito carregadas. A organização da instabilidade em forma de linha favoreceu os vendavais que atingiram diversas cidades. Em reiterados boletins, a MetSul alertava para o risco de tempo severo no Paraná no final desta semana.

A imagem das 2h deste sábado do canal infravermelho do satélite meteorológico GOES-16, da NOAA, mostrava nuvens de grande desenvolvimento vertical de tempestades sobre o Paraná com uma linha de tempestades com nuvens Cumulonimbus que avançaram de Oeste para Leste com os vendavais.

Não se descarta instabilidade isolada no Oeste do Paraná neste domingo, mas os próximos dias tendem a ser de sol e predomínio do tempo firme no estado. O que vai chamar a atenção será o calor à medida que uma grande massa de ar quente vai cobrir o território paranaense com vários dias de temperatura muito alta para esta época do ano, sobretudo no Oeste e no Noroeste.