Quedas de árvores e danos devem ser esperados durante a passagem de temporais pelo Rio Grande do Sul nas primeiras horas desta sexta. Vento deve passar de 100 km/h em parte do estado. | PMPA/DIVULGAÇÃO

Condições perigosas de tempo severo com chuva forte, raios, granizo de variado tamanho e vendavais – alguns com rajadas muito intensas e de potencial destrutivo – são esperadas no Rio Grande do Sul nas primeiras horas desta sexta, alerta a MetSul Meteorologia.

Haverá tempestades fortes a localmente severas no estado nas primeiras horas do dia. Embora o alerta laranja oficial das autoridades, a MetSul entende que o risco é condizente com alerta vermelho (o mais alto da escala) em parte do território gaúcho.

O tempo severo no Rio Grande do Sul no começo desta sexta se dará por influência de uma área de menor pressão atmosférica na dianteira de uma frente fria. A madrugada será o período de mais alto risco de tempo severo no estado gaúcho com chuva localmente forte, muitos raios, granizo e vendavais.

Como a MetSul vem alertando, as primeiras horas desta sexta podem ter tempestades fortes a severas à medida que uma linha de instabilidade se desloca muito rapidamente de Oeste para Leste pelo estado.

Ao cruzar pelo território gaúcho, esta linha traz nuvens muito carregadas de tempestades com granizo e vendavais. É alto o risco de temporais muito fortes em diferentes pontos com queda de granizo de variado tamanho.

A maioria ds modelos numéricos indica que a instabilidade deve chegar à região de Porto Alegre e área metropolitana durante a madrugada desta sexta-feira com risco de chuva forte, granizo e vendavais que localmente podem ser fortes a intensos. O nosso modelo WRF estima a chegada do mau tempo entre 2h e 3h da manhã na área da capital.

Projeções de modelo indicavam hoje que poderia se formar uma frente de rajada do Centro para o Leste gaúcho na madrugada de hoje com fortes vendavais e que em alguns locais poderia trazer rajadas perto e acima de 100 km/h com estrago.

O modelo WRF de alta resolução da MetSul, em sua saída das 12Z desta quinta-feira, outra vez trouxe o indicativo de rajadas de vento muito forte e em alguns pontos com potencial de danos e até destrutivo para as primeiras horas desta sexta. O modelo chega a indicar vento de 120 km/h a 140 km/h.

Mesmo o risco de fenômenos severos de vento isolados como microexplosões e tornados não pode ser descartado nas primeiras horas desta sexta-feira, uma vez que corrente de jato em baixos níveis estará atuando sobre o estado, gerando maior divergência (cisalhamento) de vento.

Os vendavais podem trazer falta de luz em muitos pontos, queda de árvores e postes, danos estruturais e destelhamentos. Recomenda-se evitar andar na rua sem necessidade durante a madrugada desta sexta. Em diferentes pontos poderá haver árvores tombadas e fios caídos com risco de acidentes.

Não se pode comparar o que se espera com os ciclones de junho e julho porque são situações radicalmente distintas. No ciclone, o vento sopra forte a intensamente por horas seguidas. Na condição de tempo severo esperada nesta sexta o vento pode ser forte a violento, mas com muito curta duração. Não são descartadas rajadas em muitas cidades mais fortes que nos ciclones de junho e julho.

Na manhã desta sexta, o pior já terá passado. Isso porque a instabilidade mais forte deve se concentrar durante a madrugada. Durante a manhã, contudo, o tempo ainda vai estar instável no Norte e no Leste gaúcho, com chuva e trovoadas, não se descartando ainda algum temporal isolado.

No decorrer desta sexta, a instabilidade avança para o mar e Santa Catarina e o sol vai aparecer com nuvens e aquecimento na maior parte do estado. Pontos da Metade Norte ainda podem ter instabilidade isolada com ocasional granizo localizado.

No início do sábado, entre a madrugada e de manhã, com o avanço de ar frio, uma frente fria se organiza e se intensifica entre a Metade Norte gaúcha e Santa Catarina com chuva, raios e risco de temporais isolados. Ao longo do fim de semana, a chegada de ar seco e frio de alta pressão garante sol e vai proporcionar uma madrugada de domingo invernal pelo frio.