Anúncios

Sem alívio. A onda de calor deste fim de 2013 prossegue e na sexta-feira voltou a trazer valores extremos de temperatura no Cone Sul. Na Argentina, a máxima chegou a 42,6ºC em Santiago del Estero. Já no Uruguai, a máxima bateu nos 39,3ºC na cidade de Bella Unión. No Rio Grande do Sul foi outro dia escaldante, mas, como previsto pela MetSul, a instabilidade impediu que a maioria dos municípios gaúchos repetisse as marcas extremas anotadas na tarde da quinta-feira. Mesmo assim, fez muito calor. As máximas chegaram a 40,2ºC em Teutônia, 38,3ºC em Bagé, 37,7ºC em Pelotas, 37,6ºC em Santa Cruz do Sul e 37,3ºC em Uruguaiana. O forte calor, com a vegetação seca, novamente provou muitos incêndios em vegetação. Bombeiros combateram fogo no Jardim Botânico de Caxias do Sul e no campo em Livramento (foto abaixo de Daniel Badra/Especial/CP).



Assim como a MetSul vinha antecipando aos seus clientes e na mídia, a chuva foi mais ampla ontem da tarde para a noite, apesar de  irregular e não beneficiar todos municipios. Choveu na maioria das regiões do Estado, até com forte intensidade em alguns pontos. O calor formou nuvens carregadas à tarde em muitas cidades, caso de Ijuí (foto abaixo de Carlos Kist).


A boa notícia é que choveu no cinturão da soja e do milho da Metade Norte do Estado e até com volumes  altos. Caíram 78 mm em Ibiburbá e 69 mm em Cruz Alta. Uruguaiana acumulou 53 mm. Também na Serra houve chuva com intensidade forte a ponto de Bento Gonçalves ter 39 mm. A má notícia é que não choveu em todas as áreas que precisam de água e, pior, em alguns municípios, como era o nosso temor, a instabilidade veio com temporais localizados de vento, granizo e estragos.


O calor bateu recordes históricos na região metropolitana na sexta. A máxima na estação da MetSul Meteorologia no Morro do Espelho, em São Leopoldo, foi a 41,2ºC. De acordo com o diretor-geral da MetSul e responsável pela estação desde a sua abertura, foi o recorde absoluto de máxima desde o início das medições em 1987. Já em Lomba Grande, no interior de Novo Hamburgo, estação mantida pelo meteorologista Marcelo Schneider teve máxima de 40,3ºC, recorde absoluto desde o início dos dados em 1997. Fez muito calor ainda em Campo Bom (sem recorde) com 40,9ºC e em Canoas, onde a base aérea acusou 41ºC. Com tanto calor, apenas com muita água para se refrescar no Vale do Sinos (foto abaixo de Neia Dutra/Jornal NH/GES).

Porto Alegre teve na sexta-feira 41ºC pelo segundo dia seguido. Depois dos 41,1ºC da quinta no Moinhos de Vento, ontem fez 41,0ºC na Sertório. Ainda segundo dados da rede do Metroclima, os termômetros indicaram na sexta 40,7ºC no Moinhos de Vento, 39,3ºC na Lomba do Pinheiro e 38,9ºC no Menino Deus. Estações particulares acusaram 39,9ºC na Chácara das Pedras e 39,1ºC no Passo D’Areia. No Aeroporto Salgado Filho, a FAB anotou 37,8ºC. Já no Oitavo Distrito de Meteorologia, no Jardim Botânico, que mantém a estação de referência climatológica oficial da cidade, a máxima na convencional foi de 39,0ºC, a mais alta de 2013 em Porto Alegre. Apesar de um refresco longe do ideal e o mais seguro, as águas do Guaíba acabaram sendo o refresco para algumas pessoas na tarde de ontem em Porto Alegre (foto de Paulo Nunes/Correio do Povo).


Apesar do segundo dia seguido com 41ºC, a chuva não caiu em Porto Alegre. Ficou nos arredores da cidade, onde foi até forte com granizo, casos de Viamão, Alvorada e trechos da Free-way (BR-290). Uma nuvem Cb até chegou a se formar a Sudoeste da Capital no meio da tarde (foto abaixo de Eduardo Straliotto), mas não evoluiu para a cidade que permaneceu escaldante.


Um nuvem de grande desenvolvimento vertical (foto abaixo de Fernando Mainar) que se formou sobre o Leste da Capital, ao avançar para Leste, ficou ainda mais carregada e foi responsável por trazer a chuva forte com granizo em Viamão e Alvorada, mas não teve efeito maior em Porto Alegre, exceto por interromper o aquecimento às 16h, quando fazia 41,0ºC na cidade.



E, no que já ficou repetitivo, o calor, segue. Massa de ar quente, úmida e bastante instável está sobre o Rio Grande do Sul. O sol chega a aparecer acompanhado de nuvens neste sábado, amanhã e na segunda-feira na maioria das regiões do Estado, mas o forte calor associado a umidade traz pancadas de chuva para quase todo o território gaúchos nos três dias, especialmente entre a tarde e a noite. Os altos índices de instabilidade atmosférica indicados por modelos numéricos sugerem o risco de temporais isolados de chuva forte a torrencial, vento e granizo em diversas áreas do Estado, alguns fortes e com potencial de provocar estragos. A instabilidade atmosférica será maior neste domingo e na segunda-feira, quando os temporais podem ser mais numerosos e intensos no Rio Grande do Sul. A atmosfera estará em “modo amazônico” no Estado com madrugadas muito quentes e dias bastante abafados. As máximas não devem repetir os extremos de quinta e ontem, mas podem ficar entre 37ºC e 39ºC em algumas regiões.

Anúncios