Anúncios

Pampa tomado pelas águas em Barra do Quaraí | Reprodução

O pampa virou mar. Volumes muito altos de chuva foram registrados entre quinta-feira e ontem no Oeste do Rio Grande do Sul. A chuva extrema trouxe alagamentos e inundações com transtornos em áreas urbanas ao passo que houve prejuízos na agricultura.

A paisagem coberta de lavouras de arroz, soja e pastagens em Barra do Quaraí mais parecia o mar tal a quantidade de chuva que caiu na zona. O dilúvio ocorre no momento crítico da colheita da safra de verão.

As medições indicaram que em apenas 24 horas a precipitação em Barra do Quaraí somou 170 mm, o que trouxe as inundações.

Com efeito, o mesmo ocorreu mais ao Sul na Argentina. Volumes muito altos de chuva em curto período ocorreram no Centro argentino no final desta semana.

Os registros foram expressivos em pontos do Norte da província de Buenos Aires e das províncias de Santa Fé e Entre Rios. As marcas em alguns locais chegaram perto de 300 mm.

As cidades mais atingidas pelas intensas precipitações com inundações, por exemplo, foram Galvez, na província de Santa Fé, Paraná, em Entre Rios, e San Pedro, na província de Buenos Aires. Os municípios argentinos sofreram com alagamentos e inundações em áreas urbanas e rurais.

Assim, os volumes observados em apenas 24 horas em alguns locais destas províncias do Centro da Argentina foram equivalentes às médias de precipitação do outono inteiro.

A chuva foi abundante também na cidade de Buenos Aires. A precipitação no observatório central de Villa Ortúzar, do Serviço Meteorológico Nacional, chegou a 70 mm. O acumulado, para se ter idéia, equivaleu à metade da média mensal de chuva da capital argentina em apenas 24 horas.

Por que choveu tanto?

Afinal, por que choveu tanto nestas regiões? Então, a atmosfera muito instável com grande aporte de umidade e ar quente gerou a chuva volumosa. A situação é típica do verão e ainda possível no início do outono.

Com efeito, os dados mostravam corrente de jato em baixos níveis da atmosfera no Norte da Argentina. Isso favoreceu a chuva extrema em pontos do Centro argentino e do Oeste do Rio Grande do Sul.

Então, o ambiente instável trouxe nuvens com grande altura capazes de despejar volumes excessivos de chuva. Os eventos de chuva extrema, portanto, foram pontuais.

Por fim, o risco de chuva localmente volumosa persiste neste fim de semana no Rio Grande do Sul. A MetSul tem um aviso para hoje de chuva volumosa em parte do Estado. O  risco é maior no Noroeste e Norte do território gaúcho.

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

Uma outra região sujeita à chuva forte a intensa hoje é o Norte de Corrientes e o Sul de Misiones, na Argentina.

Anúncios