Anúncios

Entre a quinta e a sexta-feira a formação de uma frente fria associada a um centro de baixa pressão atmosférica favorece o retorno da instabilidade mais generalizada no Rio Grande do Sul. Modelos projetam altos acumulados de precipitação concentrados em áreas próximas a fronteira com  o Uruguai. Projeção de maiores acumulados entre a Campanha e a zona Sul do Estado que ontem sofreram com episódios de chuva torrencial e alagamentos devido a chuva excessiva num curto espaço de tempo. (foto de capa de Sandro Müller de Canoas)

Em Bagé o Inmet registrou 81 mm o que corresponde a 76% da média histórica do mês. Desde o dia 1° até hoje, o município de Bagé já registra acumulado de 380 mm o que representa mais de três vezes o normal para o mês inteiro. E vai chover mais nos próximos dias na região com risco de novos alagamentos e enchentes na cidade. Em Pelotas, na Zona Sul,  ontem chegou a chover 77 mm em alguns bairros o que corresponde a 50% do nornal para o mês e houve alagamentos em vários bairros.


 

ALERTA

A chuva excessiva desta primeira metade do mês elevou o nível dos rios e deixou o solo encharcado, sobretudo, em cidades da Metade Sul e Oeste do Rio Grande do Sul. A expectativa de mais pulsos de chuva forte nos próximos dias eleva o risco de alagamentos, enchentes relâmpagos e deslizamentos de terra em trechos de Serra. Além disso, o sistema de baixa pressão atmosférica irá favorecer rajadas de vento moderadas a fortes que podem provocar danos, principalmente nas faixas Leste e Sul. A maioria dos modelos concentra os maiores acumulados previstos para as áreas do Centro, Oeste e Sul  do Estado, mas é precisó ressaltar que temporais isolados deverão afetar também as demais regiões do Estado e há risco de transtornos.

Projeção de precipitação total de 24 horas do modelo canadense para AMANHÃ:

 


Projeção de precipitação total de 24 horas do modelo canadense para SEXTA-FEIRA:

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

Anúncios