Anúncios

Explosão solar classificada como X2.2 no limite do disco solar captada pela NASA no começo desta quarta-feira | SOHO/NASA

A atividade solar não para de aumentar, e rapidamente. Somente em um intervalo de 24 horas o sol produziu mais de 19 erupções solares. A contagem inclui seis explosões de classe M e uma poderosa de classe X2.2, a mais intensa até agora do atual ciclo solar de 11 anos. A grande atividade deve persistir à medida que o imenso complexo de manchas solares AR2993-94 se voltar para a Terra nos próximos dias.

O grande destaque das últimas horas foi o registro de mais uma explosão solar de classe X, a mais forte dentre todas. Satélites em órbita da Terra detectaram a explosão X2.2 nesta quarta-feira à 0h57, hora de Brasília. A explosão ocorreu numa mancha solar distante, que estava no limite da estrela e agora rotou para o lado não visível do sol. A fonte da erupção foi a mancha AR2992, que girou sobre o lado Sudoeste do sol.


A mancha solar não é mais visível. Ele está atrás da borda do disco solar. Como o local da explosão foi eclipsado pelo corpo do sol e ocorreu na borda do campo visível, a explosão real foi quase certamente mais forte do que sua classificação nominal de X2.2.

A radiação da erupção solar causou um apagão de rádio de ondas curtas no Sudeste da Ásia e na Austrália. Marinheiros e operadores de rádio amador na área podem ter notado perda de contato de rádio em frequências abaixo de 30 MHz por até uma hora.


Logo após a explosão, a Força Aérea dos EUA relatou uma explosão de rádio solar Tipo II – uma forma natural de ruído de rádio produzido por ondas de choque na atmosfera do sol. Ironicamente, essa explosão de rádio encheu os alto-falantes de rádios de ondas curtas no lado diurno da Terra com estática durante o apagão de rádio. As estações de rádio terrestres foram brevemente substituídas por ruído solar.

O que são manchas solares? Uma estrela típica, o sol tem um diâmetro de aproximadamente 1.392.000 quilômetros, quase dez vezes maior que o diâmetro de Júpiter, e é composto principalmente de hidrogênio. O núcleo do sol tem surpreendentes 15 milhões de graus Celsius enquanto a pressão é cerca de 100 bilhões de vezes a pressão atmosférica aqui na Terra.

Sob estas condições, os átomos de hidrogênio se aproximam tanto que se fundem. No momento, cerca de metade da quantidade de hidrogênio no núcleo do Sol foi fundida em hélio. Isso levou cerca de 4,5 bilhões de anos para ocorrer.

Quando o hidrogênio se esgotar, a temperatura do Sol na superfície começará a esfriar e as camadas externas se expandirão para perto da órbita de Marte. O Sol neste ponto será uma “gigante vermelha” e 10.000 vezes mais brilhante do que sua luminosidade atual.

Após a fase de gigante vermelha, o Sol encolherá para uma estrela anã branca (aproximadamente do tamanho da Terra) e esfriará lentamente por vários bilhões de anos. Um aspecto interessante do sol são suas manchas solares.

As manchas solares são áreas onde o campo magnético é cerca de 2.500 vezes mais forte que o da Terra, muito mais alto do que em qualquer outro lugar do Sol. Por causa do forte campo magnético, a pressão magnética aumenta enquanto a pressão atmosférica circundante diminui.

Isso, por sua vez, reduz a temperatura em relação ao ambiente, porque o campo magnético concentrado inibe o fluxo de gás quente e novo do interior do sol para a superfície. As manchas solares (sunspots) tendem a ocorrer em pares que têm campos magnéticos apontando em direções opostas.

Um ponto típico consiste em uma região escura chamada umbra, cercada por uma região mais clara conhecida como penumbra. As manchas solares parecem relativamente escuras porque a superfície circundante do sol (a fotosfera) é muito mais quente enquanto a umbra é menos quente. As manchas solares são bastante grandes, pois a dimensão média de uma é aproximadamente do mesmo tamanho da Terra.

Anúncios