Anúncios

O furacão Ian tocou terra pela segunda vez nos Estados Unidos nesta sexta-feira perto de Georgetown, estado da Carolina do Sul. Ao tocar terra, Ian era uma tempestade de categoria 1 com ventos sustentados de 137 km/h e uma pressão atmosférica mínima central de 977 hPa.

CIRA/CSU

Os maiores impactos de Ian desta segunda chegada ao território norte-americano serão de marés de tempestade de até dois metros e inundações por chuva de até 250 mm. No entanto, os danos serão muito menores que na sua chegada ao Sudoeste da Flórida na quarta-feira.


ESPECIAL: VEJA AS IMAGENS DA DEVASTAÇÃO DE IAN

Depois de enfraquecer ao cruzar pela Flórida de Oeste para Leste sobre terra, Ian recuperou força e status de furacão ao ressurgir no Atlântico e se dirigiu para os estados costeiros da Carolina do Norte e do Sul, de acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos.


Ian, um dos furacões mais fortes que os Estados Unidos já sofreram, forçou o resgate de centenas de pessoas na Flórida. O governador do estado, Ron DeSantis, descreveu nesta sexta-feira a área costeira de Fort Myers como “marco zero”, mas observou que há “efeitos internos também”.

Muitas pessoas conseguiram deixar suas casas, mas pelo menos 20 mil optaram por ficar, disse DeSantis. Autoridades locais confirmaram a morte de pelo menos 12 pessoas, principalmente no condado de Charlotte. DeSantis alertou que é muito cedo para fazer um balanço do número de mortos e que aguarda mais dados nos próximos dias.

O NHC emitiu alerta de furacão para toda a costa da Carolina do Sul, bem como para partes da Geórgia e Carolina do Norte. Espera-se que Ian enfraqueça rapidamente e se dissipe “perto da divisa entre Carolina do Norte e Virgínia na noite de sábado”, disse o NHC.

A Flórida continua tentando dimensionar a extensão da devastação. A cidade de Fort Myers, onde Ian atingiu a costa na quarta-feira como um poderoso furacão de categoria 4, foi uma das mais atingidas. Ali as ruas viraram rios e a água do mar inundou as casas.

Um morador, Tom Johnson, foi testemunha da devastação em seu apartamento no segundo andar de um prédio junto ao porto. “Tive medo porque nunca passei por isso”, contou o homem de 54 anos à AFP. “Eram barulhos assustadores, com detritos voando por todos os lados, pelos ares”.

Dezessete imigrantes continuam desaparecidos depois que o barco em que viajavam afundou na quarta-feira perto do arquipélago da Florida Keys, no extremo Sul da Flórida. Das 27 pessoas a bordo, uma foi encontrada morta e outras nove foram resgatadas, disse a Guarda Costeira. Entre eles estavam quatro cubanos que nadaram até a praia em Keys.

Grande parte da costa Sudoeste da Flórida ficou na escuridão com a passagem de Ian. Na sexta-feira, cerca de 2 milhões de residências e empresas ficaram sem energia elétrica, de um total de 11 milhões, segundo o site especializado PowerOutage.

Duas ilhas perto de Fort Myers, Pine Island e Sanibel Island, que muitas vezes atraem turistas, foram isoladas depois que a tempestade danificou estradas para o continente. Antes de varrer a Flórida, o Ian atingiu Cuba na terça-feira, causando pelo menos três mortes e um apagão generalizado. A eletricidade voltava gradativamente nas últimas horas, mas muitas casas ainda estavam sem energia.

Anúncios