Anúncios

Um intenso terremoto foi registrado no começo da noite deste sábado no Atlântico Sul, nas ilhas Shetland do Sul, na Antártida. De acordo com o governo do Chile, o terremoto foi de magnitude 7,1 com epicentro a 216 quilômetros a Nordeste da Base Polar de O’higgins, Antártida Chilena, que foi evacuada.


Logo depois do sismo na Antártida houve um terremoto de magnitude 5,5 na região metropolitana de Santiago do Chile. Por um erro, moradores do litoral do Chile receberam por SMS em seus celulares um alerta de tsunami, mas que só era válido para a região antártica. 

A ONEMI, agência de emergências do Chile, pediu para deixar a área de praia do território antártico ante a possibilidade de tsunami gerado pelo forte terremoto que teve profundidade de apenas sete quilômetros. 

 A ONEMI informa que 80 pessoas foram evacuadas da Base Frei, 40 da Base O’Higgins, 10 da Base Fildes e 31 da Base Prat. Além disso, 5 bases estrangeiras perto da Base Fildes foram evacuadas.

Especialistas já temiam um forte terremoto na região por uma onda de abalos sísmicos que durou meses. As equipes das bases polares Carlini (Argentina) e Villa Frei (Chile) estabeleceram até protocolos de seguranças para o caso de uma evacuação ser necessária após uma incomum “onda sísmica”, segundo o portal argentino Infobae. 

Os terremotos ocorridos na região, próxima da base brasileira Comandante Ferraz, que está a Nordeste da base Carlini da Argentina, somaram mais de 50 mil de 28 de agosto ate o começo de outubro passado. Deles, mais de mil ultrapassaram os 3 graus de magnitude.


A situação faz parte de um período “incomum” que mantém em alerta especialistas de diferentes órgãos. As equipes na Antártida estão em alerta porque é uma área cuja instrumentalização é muito incipiente. Não existe o aparato técnico de monitoramento disponível em outros locais, e que forneça informações mais específicas sobre o comportamento dos movimentos sísmico.

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

Na opinião de Joaquín Vásquez, atual membro e ex-Diretor da Rede Geocientífica do Chile, é uma onda de abalos “incomum”, razão pela qual foi dado o alerta. A onda de abalos teve início no dia 28 de agosto, por volta das 17:52, momento em que ocorreu um primeiro terremoto de magnitude 2,9. Nas horas seguintes foi registrada uma série de terremotos de comportamento incomum, o que não parou desde então.

Anúncios