Anúncios

Equipes da Defesa Civil atuaram durante toda a semana em áreas de risco ante o risco de deslizamentos e sirenes de alerta chegaram a ser acionadas em alguns momentos | CODESAL/DIVULGAÇÃO

A cidade de Salvador enfrenta transtornos e contabiliza os estragos causados pela chuva que já dura uma semana. Desde o último fim de semana a capital baiana vem sofrendo com a chuva que em alguns momentos é de forte intensidade e acompanhada por raios, produzindo altos volumes. A MetSul havia emitido alerta na última sexta-feira de que os baianos de Salvador enfrentariam vários dias seguidos de muita chuva com risco de deslizamentos e transtornos por alagamentos.


As consequências da chuva estão nas capas dos jornais de hoje da capital baiana. A Defesa Civil de Salvador (Codesal) registrou 289 solicitações através do sistema 199 relacionadas às fortes chuvas que caem na cidade desde o último sábado. Dentre as ocorrências esteve o desabamento de parede de um casarão tombado pelo Iphan, na Ladeira da Montanha, no Centro Histórico.

O balanço das autoridades aponta que até o momento houve 50 ameaças de desabamento, quatro ameaças de desabamento de muro, 33 de risco de deslizamento, 13 árvores ameaçando cair, duas árvores caídas, sete avaliações de área, 83 avaliações de imóveis alagados, três desabamentos de imóveis, seis desabamentos de muro, dez desabamentos parciais, 58 deslizamentos de terra, dois destelhamentos, 16 infiltrações, uma orientação técnica e uma pista rompida.


Em razão da chuva volumosa por vários dias seguidos, as equipes da Defesa Civil soaram as sirenes algumas vezes em áreas de perigo ante o risco geológico de deslizamentos de terra. Os altos acumulados de precipitação saturam o solo de umidade e tornam o terreno muito instável, o que favorece o escorregamento de encostas.

De acordo com dados da estação de Ondina do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a chuva acumulada nos últimos sete dias na cidade de Salvador chega a 319 mm. O acumulado em apenas uma semana supera a média mensal histórica de precipitação da cidade em abril de 284,9 mm. Abril é um dos meses com mais altos índices de chuva na climatologia anual de Salvador.

O episódio de chuva da última semana foi desencadeado pela chegada de uma frente fria ao estado da Bahia. O sistema frontal conseguiu avançar muito para o Norte ao ser impulsionado por uma massa de ar frio que trouxe temperatura baixa para o Sul, o Centro-Oeste e o Sudeste. Um ciclone extratropical que se formou em latitudes médias no Atlântico contribuiu para reforçar a atuação da frente na altura da Bahia.

A previsão é de que a instabilidade ceda. Embora ainda haja possibilidade de chuva nesta sexta e em alguns momentos nos próximos dias, a tendência de precipitação para os próximos sete dias não aponta elevados volumes de chuva. Podem ocorrer somente eventos isolados de pancadas fortes associados ao ar tropical quente e úmido.

Anúncios