Anúncios

Parte do Rio Grande do Sul amanheceu ontem com frio atípico para esta época do ano. A mínima na estação automática do Inmet em Bagé foi de 4,2ºC, a menor do verão e deste ano até agora no Estado. Em Morro Redondo, a MetSul anotou 5,5ºC. No Uruguai, fez 3,2ºC em Florida. Na Argentina, o Aeroporto de Ezeiza teve 5,6ºC e em várias cidades do interior da província de Buenos Aires as mínimas ficaram entre 0ºC e 2ºC com geada, o que deve trazer prejuízos para a safra local de soja. Em Mar del Plata, na beira da praia, a mínima foi de 0,2ºC. O pior do frio nesta semana, porém, foi ontem. Nos próximos dias, a temperatura não cairá tanto devido à instabilidade e aquece quando o tempo melhorar em direção ao final da semana.



Como ocorre com grande frequência nesta época do ano, quando fortes massas de ar frio avançam pelo Sul do Brasil e sobre o oceano em direção ao Sudeste, estados da Região Sudeste sofrem com episódios de chuva extrema, notadamente o Rio de Janeiro. É o caso de agora. A passagem de uma frente fria pela costa e o fluxo de umidade do mar rumo ao continente, encontrando a barreira da Serra do Mar, com o resfriamento do ar, acabou por induzir chuva orográfica extrema nos litoral Norte de São Paulo, Região Serrana do Rio e na Baixada Fluminense. Os volumes de chuva em 24 horas até 9h desta segunda-feira na Região Serrana do Rio de Janeiro são assombrosos. Dados do Inea indicaram até 9h de hoje acumulados em Petrópolis de 399 mm em Quitandinha, 345 mm em Morin e 338 mm em Coronel Veiga. Na área de Teresópolis, a chuva em alguns pontos desde ontem atinge 200 mm, e em Nova Friburgo de até 180 mm.

A Defesa Civil do Rio de Janeiro confirma três mortes por deslizamentos em Petrópolis e desaparecidos. As águas tomaram conta do Centro da cidade na noite de ontem e durante a madrugada de hoje (foto) com muitos prejuízos para os moradores. Choveu muito ainda nas áreas de Teresópolis e Xerém. Vários rios da região foram declarados em nível de alerta máximo. Em São Paulo, a forte chuva que atingiu o Litoral Norte no fim de semana deixou famílias ilhadas em São Sebastião, isolando Maresias e interditando a rodovia Rio-Santos. Em alguns locais, a água alcançou até dois metros nas residências. Pelo menos 300 pessoas ficaram desalojadas em São Sebastião (reprodução abaixo da Folha de São Paulo) que hoje decreta estado de calamidade pública. Moradores caminhavam ontem pelas ruas com água na altura do peito. Os rios da região transbordaram e inundaram dezenas de vias.

Cidades em áreas costeiras junto à Serra entre o Litoral Norte do Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro, o que inclui os litorais de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, precisam ficar atentas nesta primeira metade da semana devido ao fluxo de umidade do mar para o continente que pode induzir chuva orográfica com volumes muito altos em curto período em alguns pontos. Com a queda da pressão entre o Norte da Argentina e o Sul do Brasil entre amanhã e quarta, o gradiente de pressão com o centro de alta associado ao ar frio no oceano deve aumentar e com intenso tende a se intensificar a circulação marítima, o que vai agravar o risco de chuva forte orográfica nas áreas mencionadas, notadamente entre os litorais de Santa Catarina e do Sudeste do Brasil.


Esta área de baixa pressão que vai avançar do Norte da Argentina vai trazer chuva para todo o Sul do Brasil nos próximos dias. Aqui no Rio Grande do Sul, já choveu de forma esparsa na madrugada, especialmente no Oeste, Sul e Litoral Norte. Nas próximas horas, a chuva de forma isolada atinge outras regiões e pode cair na região de Porto Alegre, a despeito do sol desta manhã. Amanhã, a atmosfera estará ainda mais instável no Estado com chuva mais uma vez em diversas regiões no decorrer do dia, sobretudo nas Metades Oeste e Norte, onde até pode chover forte em algumas localidades. Parte da terça, especialmente de manhã, poderá ter aberturas de sol em algumas áreas como mais ao Sul e ao Leste do Rio Grande do Sul.


Projeção de chuva do modelo Europeu para terça à noite


Projeção de chuva do modelo Europeu para quarta de manhã


Projeção de chuva do modelo Europeu para quarta à noite


Projeção de chuva do modelo Europeu para quinta de manhã



Projeção de chuva do modelo Europeu para quinta à noite

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

A instabilidade mais forte e generalizada é esperada no Rio Grande do Sul para a quarta-feira com o deslocamento da chuva mais forte de Oeste para Leste, alcançando a região de Porto Alegre. Pode ter chuva localmente forte na maioria das regiões gaúchas durante a quarta-feira com alto risco de acumulados localizados em alguns pontos no Sul e aqui no Leste do Estado. À medida que a baixa se aprofunda e escoa para o Sul, posicionando-se junto ao Uruguai na quinta-feira, ingressa ar mais seco durante a quinta no Estado e o sol aparece na maior parte do território gaúcho, apesar de um começo de dia ainda com chuva em algumas áreas. Pode haver, porém, um típico cenário de circulação ciclônica com nebulosidade variável e chuva esparsa. Não se afasta até da tarde para a noite da quinta o avanço de uma faixa de instabilidade, como um ramo frontal secundário, com chuva forte e risco de granizo em pontos isolados. Na sexta, o sol aparece na maioria das regiões e a temperatura estará em elevação com temperatura agradável, já que não se espera que o sistema de baixa impulsione ar polar para o Estado. O tempo até quinta estará ventoso no Sul e no Leste gaúcho com rajadas mais fortes entre quarta e quinta no Sul do Estado.

Anúncios