Região do Atacama, no Norte do Chile, é uma entre as que estão com alerta de elevada temperatura pela Meteorologia chilena | MARTIN BERNETTI/AFP/METSUL METEOROLOGIA

O Chile enfrenta condições extremas de temperatura entre o Sul e o Norte do país. O Sul do Chile, na região de Magalhães, foi assolado por uma tempestade de neve e gelo que forçou até a suspensão de aulas. Já o Norte é castigado por ar extremamente seco e quente com marcas raramente vistas nesta época do ano.

Ontem, a temperatura em Vicuña registrou 38,3ºC enquanto Paihuano atingiu uma máxima de 37,6ºC. A condição de calor extremo na zona andina foi corroborada pela Direção Meteorológica do Chile.


Em suas redes sociais, o órgão oficial de Meteorologia do Chile informou que a estação Vicuña Los Pimientos (DMC-DGAC), na região de Coquimbo, teve 37°C, a segunda maior temperatura máxima histórica em nível nacional para os meses de inverno. Em agosto de 1951, foi registrada uma máxima de 37,3 °C em Copiapó.

As altas temperaturas nos vales da zona Centro e Centro-Norte têm como causa imediata os ventos que chegam das montanhas. Há uma configuração meteorológica nesta área do Cone Sul associada a um crista de alta pressão que favorece o vento das montanhas.

Os ventos que descem das montanhas provocam altas temperaturas porque são quentes, se comprimem e esquentam à medida que descem a encosta da cordilheira, o que se denomina em Meteorologia de aquecimento adiabático.

O meteorologista Tomás Caballero, do Centro de Estudos Avançados em Zonas Áridas (Caeza), disse que a temperatura máxima histórica para agosto em Vicuña ocorreu em 2014, quando os termômetros atingiram 38,5ºC.


Por conta das altas temperaturas, a cobertura de neve rapidamente derreteu em parte dos Andes. A câmera instalada a 2.600 metros de altitude junto a Santiago mostra como a cobertura de neve derreteu em poucos dias com o tempo quente, o que traz preocupação com o abastecimento de água que é dependente de maior cobertura de neve nos Andes.

No extremo Sul, na região de Magalhães, uma realidade completamente distinta. A cidade de Puerto Natales, famosa por ser a porta de entrada para o parque de Torres del Paines, sofreu transtornos por efeito da neve forte.

Como resultado da grande quantidade de neve registrada na região de Magalhães, o Serviço Nacional de Prevenção e Resposta a Desastres (Senapred) decretou “emergência” para Punta Arenas. “Por conta da nevasca registrada, altera-se a conectividade viária da cidade de Punta Arenas (…) superando a capacidade de resposta local para a habilitação de ruas e vias”, afirmou a agência por meio de um comunicado.

Em Punta Arenas, a escarcha (gelo) torou o trânsito quase impossível. A secretária regional do Ministério do Trabalho, Doris Sandoval, apelou aos empregadores para flexibilizarem os horários de entrada e saída dos seus trabalhadores. Aulas foram suspensas em Punta Arenas devido à nevasca e diversas rodovias sofreram cortes.

Todos os voos no aeroporto estão suspensos devido às condições meteorológicas. A Secretaria Ministerial Regional de Transportes de Magalhães comunicou o cancelamento de todos os voos no Aeroporto Internacional Presidente Carlos Ibáñez del Campo, devido à contingência meteorológica.

“As más condições nas pistas impedem uma aterragem segura”, explicaram nas redes sociais. Esta semana houve vários voos que tiveram de ser suspensos em consequência da neve e gelo. Voltou a nevar forte com fortes ventos na região de Magalhães nas últimas horas.