Anúncios

Uma área de baixa pressão atua junto ao Rio Grande do Sul e traz instabilidade para grande parte do Sul do Brasil neste começo de semana com chuva no estado gaúcho, em Santa Catarina e no Paraná. Mantém-se a advertência da MetSul Meteorologia de chuva volumosa em algumas áreas com acumulados que podem exceder a média do mês.


Muitas nuvens tomaram conta do Sul do Brasil nesta segunda-feira. O dia já começou com chuva e trovoadas em diferentes pontos do Norte gaúcho, Santa Catarina e o Paraná, mas no decorrer do dia, como esperado, a nebulosidade aumentou no Rio Grande do Sul, onde o tempo se instabilizou em diversas regiões com chuva, inclusive em Porto Alegre.

Tal como era alertado pela MetSul, os volumes de chuva foram muito altos em parte do estado catarinense e no Paraná. De acordo com dados do Instituto Nacional de Meteorologia, até o fim da tarde desta segunda-feira havia chovido em Santa Catarina 151 mm em Novo Horizonte, 85 mm em Ituporanga, 83 mm em Rancho Queimado, 76 mm em Clevelândia e em Caçador, 65 mm em Dionísio Cerqueira, 58 mm em Florianópolis e 57 mm em Florianópolis.


O tempo vai seguir instável no Sul do Brasil. A previsão é que nesta terça o centro de baixa pressão esteja ao Sul e o Leste do Rio Grande do Sul, o que vai manter o tempo instável no estado gaúcho e manterá a chuva em Santa Catarina e no Paraná.

No Rio Grande do Sul, muitas nuvens são previstas e chove na maior parte das regiões hoje. A instabilidade atua principalmente no Norte, Nordeste, Leste e o Sul gaúcho com chuva e garoa. Há risco de pancadas localmente fortes. Chove com maiores volumes em pontos ao Norte, perto da divisa com Santa Catarina. No Oeste, apesar de nuvens, o sol aparece e não chove. Nas demais áreas, onde o tempo estará instável, apesar da abundante nebulosidade, ocorrem aberturas em alguns momentos.

O vento sopra por vezes moderado com rajadas, especialmente no Sul e no Leste gaúcho, ante a proximidade com o centro de baixa pressão na costa. Apesar disso, em não se tratando de uma área de baixa pressão profunda, não são esperadas rajadas muito intensas e o potencial de transtornos é baixo.

O cenário mais preocupante nesta terça é para área entre o Norte gaúcho e o Paraná que não apenas vão seguir com tempo instável como devem ter mais chuva e períodos de chuva forte a torrencial, não se descartando temporais isolados.

A baixa pressão vai intensificar a instabilidade e nuvens carregadas se formam com chuva e trovoadas no Oeste catarinense e no Sudoeste paranaense, avançando depois para Leste nos dois estados e atingindo setores mais ao Norte e o Nordeste gaúcho.

Com isso, os volumes de chuva que já são altos em diversas cidades, especialmente de Santa Catarina, devem aumentar ainda mais. Veja a tendência de chuva acumulada em 72 horas, até 9h de quinta, pelos dados do modelo de alta resolução WRF da MetSul.

Sob este cenário, renova-se o alerta que períodos de chuva forte a torrencial devem ser esperados em grande número de cidades de Santa Catarina e do Paraná. Com marcas de precipitação tão altas quanto as indicadas pelos modelos e com o que já choveu, os níveis dos rios exigirão atenção pelo risco de cheias e é muito alta a probabilidade de alagamentos e inundações.

O cenário de precipitação demanda atenção ainda com o risco de deslizamentos de terra e quedas de barreiras que podem afetar a trafegabilidade em algumas rodovias, sobretudo do estado catarinense que tem relevo mais acidentado.

Na quarta-feira, o centro de baixa pressão se afasta e impulsiona ar mais seco para o Sul do Brasil. Isso vai fazer com que o tempo firme no Rio Grande do Sul e o sol apareça em todas as regiões gaúchas no decorrer do dia. No Nordeste catarinense e no Paraná, entretanto, o tempo vai seguir ainda instável com períodos de chuva.

Como consultar os mapas

Todos os mapas de modelos neste boletim podem ser consultados pelo nosso assinante (assine aqui) na nossa seção de mapas. A plataforma oferece ainda mapas de geada, temperatura, risco de granizo, vento, umidade, pressão atmosférica, neve, umidade no solo e risco de incêndio, dentre outras variáveis, com atualizações duas a quatro vezes ao dia, de acordo com cada simulação. Na seção de mapas, é possível consultar ainda o nosso modelo WRF de altíssima resolução da MetSul.

Anúncios