Anúncios

NASA/GSFC/SDO

Imagens de sondas registraram na segunda-feira um filamento de magnetismo que deixou a atmosfera do Sol formando um gigantesco cânion de fogo. O Solar Dynamics Observatory da NASA captou o momento da formação gigantesca.


As paredes de fogo do cânion tinham pelo menos 20 mil quilômetros de altura e 200 mil quilômetros de extensão. Elas traçaram o canal onde o filamento foi anteriormente suspenso por forças magnéticas dentro da atmosfera do Sol.

Cientistas especializados em tempo espacial monitoraram durante toda a última semana pelas imagens do Observatório de Dinâmica Solar da NASA uma mancha solar hiperativa que gerou explosões que desencadearam apagões de rádio e impressionantes exibições de auroras na Terra.

A espaçonave fotografa todo o disco do Sol em uma faixa de comprimentos de onda a cada dez segundos, fornecendo imagens com uma resolução 10 vezes maior do que a da televisão de alta definição, de acordo com a NASA. Uma das imagens captadas na semana passada foi de uma erupção do tipo M.

A imagem colorida em particular mostra o clarão na parte ultravioleta extrema do espectro que destaca sua alta temperatura. Um clarão de classe M é bastante poderoso, uma liberação repentina de radiação eletromagnética do Sol que viaja na velocidade da luz.

NASA

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) classificou a explosão da última quinta-feira como M9.6, o que significa que não esteve muito longe de se tornar o tipo mais forte, classe X. O clarão causou um apagão moderado de rádio quando atingiu a Terra, disse a NOAA em comunicado.

As explosões solares podem interromper as comunicações de rádio de alta frequência, pois os raios X e a radiação ultravioleta extrema que emitem ionizam a parte superior da atmosfera da Terra, a ionosfera. A ionosfera se estende de 48 quilômetros a 965 quilômetros acima da superfície do planeta e inclui as camadas atmosféricas mais externas: a exosfera, a termosfera e partes da mesosfera.

Em circunstâncias normais, ondas de rádio de alta frequência, que transmitem sinais de comunicação por longas distâncias, refletem partículas na ionosfera superior de volta à Terra, mas quando uma explosão solar carrega a ionosfera inferior, as ondas de rádio perdem energia à medida que passam a atmosfera, degradando-as ou mesmo absorvendo-as.

Um apagão moderado pode interromper as comunicações por dezenas de minutos, de acordo com o Met Office. Esse tipo de apagão afeta principalmente a aviação e a comunicação marítima, mas também os radioamadores e as emissoras de ondas curtas. A ionização também pode interromper a transmissão de sinais de satélites de navegação, como a rede GPS.

A mancha solar “magneticamente complexa”, chamada 2975, que deu origem à erupção, jorrou cerca de 20 erupções solares na semana passada, incluindo uma explosão de classe X, a mais forte de todas, no dia 30 de março. Algumas dessas explosões foram acompanhadas por ejeções de massa coronal (CMEs), que são expulsões de plasma magnetizado da atmosfera superior do Sol, a coroa.

As CMEs viajam muito mais lentamente do que as erupções e geralmente atingem a Terra alguns dias após a formação. Quando uma CME chega, ela pode interromper o campo magnético do planeta, provocando belas exibições de auroras.

E foi o que aconteceu com incríveis aparições de auroras no final de março e no começo deste mês no Hemisfério Norte e mais ao Sul do planeta. Observadores relataram auroras impressionantes em todo o Canadá, no Norte dos Estados Unidos e na Nova Zelândia.

As erupções solares são classificadas primeiro por categoria – as classes A são as mais fracas, depois as classes B, C e M, com a classe X a mais forte; e depois por tamanho, com números menores representando erupções menores dentro da classe. A explosão da última quarta-feira foi uma explosão da classe X1.3.

As explosões são explosões de luz, mas às vezes estão relacionadas a ejeções de massa coronal (CMEs) que lançam bolhas de partículas carregadas de energia no espaço. Se uma ejeção de massa coronal emergir da labareda e for apontada para a Terra, isso pode causar auroras, os impressionantes espetáculos de luz causados por partículas carregadas eletricamente que atingem a atmosfera da Terra.

O sol iniciou seu atual ciclo de atividade solar em 2019 e deve atingir o pico por volta de 2025. Os cientistas ainda não têm certeza de quão ativo será esse ciclo solar, embora a previsão seja de menos manchas solares do que o normal, o que até agora não vem se confirmando.

A NASA e outras agências espaciais monitoram constantemente a atividade solar para melhorar as previsões meteorológicas solares. Na maioria dos casos, as CMEs simplesmente causam auroras quando partículas carregadas atingem a Terra. Tempestades mais fortes, no entanto, podem causar problemas com satélites ou linhas de energia.

Anúncios