Anúncios

Abertura de uma nova boca que expele magma na noite da segunda-feira fez com que a área coberta por lava da erupção do vulcão na ilha de La Palma aumentasse muito durante a terça com mais casas destruídas e aumento do número de pessoas desalojadas | Desirreé Martin/AFP/MetSul Meteorologia

A superfície coberta por lava aumentou 50% em apenas doze horas e atinge 153 hectares na ilha de La Palma em consequência da erupção do vulcão Cumbre Vieja que teve início no domingo. Até o momento, 5.700 pessoas foram evacuadas das áreas mais próximas à erupção no arquipélago das Canárias. A erupção vulcânica em Cumbre Vieja tem emitido para a atmosfera entre 6.140 e 11.500 toneladas de dióxido de enxofre (SO2) por dia, segundo medições feitas pelo Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias.

A estimativa foi feita após a realização de várias medições com um sensor ótico remoto no solo e com a instrumentação instalada em um dos helicópteros da Guarda Civil em Tenerife.


De acordo com o Involcan, as concentrações lineares de dióxido de enxofre (SO2) em partes por milhão registradas por suas observações terrestres são equivalentes às registradas pelas observações do satélite TROPOMI.

No entanto, indica que os resultados de emissão de SO2 obtidos por meio de observações terrestres são subestimados quando se observa a grande dimensão da pluma de dióxido de enxofre registrada pelas observações do satélite TROPOMI.

O mapa mais recente fornecido pelo programa europeu de monitoramento de emergência do Sistema Copernicus mostra que a área afetada cresceu de 103 para 153 hectares. O Plano Especial de Proteção contra o Risco Vulcânico das Ilhas Canárias (Pevolca) encontrou 185 edifícios danificados ou destruídos por paredes de lava. As grandes espessuras da parede de magma que avança em direção ao mar em La Palma, de até 12 metros de altura em alguns pontos, podem causar nas zonas de maior declive e a formação de grandes fragmentos de lava que podem desprender-se da frente e atingir maiores distâncias.

Além disso, os colapsos da lava podem dar origem a pequenos fluxos piroplásticos. O magma avança a uma velocidade de 200 metros por hora e a deformação do solo na área próxima à erupção do vulcão é de 25 centímetros.

A atividade vulcânica concentra-se hoje em quatro bocas principais. O relatório do comitê científico da ilha de La Palma indica que a erupção continua apresentando o mesmo estilo eruptivo de fissura, com mecanismo estromboliano, em uma fissura no sentido Noroeste-Sudeste.

A atividade está atualmente concentrada em quatro principais centros eruptivos (bocas), sendo que o último se abriu na noite da segunda-feira. Mantém-se o valor dado em estimativas anteriores de que os gases vulcânicos emitidos podem atingir 3.000 metros de altura.

Atividade vulcânica em La Palma

A erupção é a primeira em La Palma desde outubro de 1971, quando o vulcão Teneguia expeliu lava durante três semanas. La Palma, com 85 mil habitantes, é uma das oito ilhas do Arquipélago das Canárias. No seu ponto mais próximo com a África, dista 100 quilômetros do Marrocos. As Canárias estão a 460 quilômetros da ilha da Madeira, em Portugal, e a 1.428 quilômetros da Ilha do Sal, em Cabo Verde.

O cenário de abertura de novas fissuras eruptivas é possível. A superfície continua a inflar e se deformar, o que é um sinal de que mais magma está sendo armazenado no subsolo e pode irromper na superfície. Os especialistas dizem que os caminhos existentes não são grandes o suficiente e que o vulcão pode optar por aumentá-los ou criar novos com aberturas de mais fissuras.


A atividade vulcânica na parte Sul da ilha de La Palma já dura pelo menos 125.000 anos e formou o vulcão conhecido como Cumbre Vieja, ou também simplesmente como Dorsal Sur. Apesar de serem estruturas diferentes, o Cumbre Vieja pode fazer parte do vulcão Taburiente. O Cumbre Vieja entrou em erupção em 1971, 1949, 1712, 1677, 1646 e 1585.

É o vulcão mais ativo das Ilhas Canárias. As erupções ocorreram em intervalos de 20-60 anos. Exceção foi a notável dormência de 237 anos entre 1712 e 1949. Cientistas especulam que a enorme erupção de seis anos na vizinha Ilha de Lanzarote, em 1730, induziu a longa dormência em Cumbre Vieja de mais de dois séculos até 1949.

Anúncios