Anúncios

Área destruída por um grande incêndio causado pelo terremoto no Japão no primeiro dia do ano coberta de neve nesta segunda-feira na cidade de Wajima, província de Ishikawa | KOKI KATAOKA/YOMIURI SHIMBUN/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Depois da chuva com deslizamentos, muita neve complica a situação na área afetada pelo violento terremoto no Japão no primeiro dia do ano. O número de pessoas desaparecidas após o terremoto no Japão no Dia de Ano Novo mais do que triplicou nesta segunda-feira, chegando a 323, enquanto o número de mortos subiu para 168, de acordo com as autoridades locais.

Um intenso acúmulo de neve, entretanto, complicou os esforços de socorro uma semana após o terremoto de magnitude 7,5, com mais de 2.000 pessoas ainda isoladas e muitas outras sem energia elétrica ou forçadas a se abrigar em locais de emergência lotados.


Uma nova lista publicada pela prefeitura de Ishikawa, no centro do Japão, na segunda-feira, mostrou o número de pessoas desaparecidas disparando de 31 para 281 em Wajima, uma das áreas mais afetadas, onde o terremoto destruiu dezenas de casas e um grande incêndio devastou uma grande área.

Na cidade de Suzu, uma mulher de 90 anos conseguiu sobreviver cinco dias sob os destroços de uma casa desmoronada antes de ser salva no sábado. Socorristas foram ouvidos chamando a mulher, em imagens da polícia publicadas pela mídia local. “Você vai ficar bem!” eles gritavam. “Mantenha-se positiva!”


No entanto, nem todos tiveram tanta sorte, com Naoyuki Teramoto, 52 anos, inconsolável na segunda-feira após os corpos de três de seus quatro filhos serem encontrados na cidade de Anamizu. “Estávamos falando em planos de ir para Izu”, um famoso resort de águas termais, depois que sua filha passou no exame de admissão à escola secundária, disse ele à emissora NTV.

Neve recorde na área do terremoto no Japão

Dias de chuva aumentaram o risco de deslizamentos de terra, enquanto uma nova precipitação intensa de neve poderia fazer com que mais edifícios desabassem sob seu peso, alertou o governo regional. Nevou muito nas últimas horas nos locais arrasados pelo abalo sísmico.

Forte nevasca atinge área arrasada pelo terremoto violento do primeiro dia do ano no Japão | STR/JIJI PRESS/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Neve cobre área destruída pelo terremoto na cidade de Wajima, província de Ishikawa, nesta segunda-feira. A neve complicou os esforços de socorro para mais de 2.000 pessoas ainda isoladas e muitas outras sem energia ou em abrigos de emergência lotados. | JIJI PRESS/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Casas desabadas cobertas de neve na cidade de Suzu, província de Ishikawa, uma semana após o poderoso terremoto | NORIAKI SASAKI/YOMIURI SHIMBUN/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Nas áreas afetadas pelo terremoto na prefeitura de Ishikawa, a neve cria desafios adicionais para os sobreviventes e equipes de resgate. A Agência Meteorológica do Japão e as autoridades estão instando as pessoas a terem cuidado extra, especialmente com edifícios danificados pelo terremoto que estão em risco de desmoronar sob o peso da neve, e a se manterem aquecidas em meio ao frio intenso para prevenir a hipotermia.

A neve significativa também está afetando a região mais ampla de Hokuriku, bem como a prefeitura de Niigata. Até a manhã de segunda-feira, 8 de janeiro, a acumulação de neve na cidade de Suzu, na prefeitura de Ishikawa, atingiu 13 cm com as cidades vizinhas de Nanao e Wajima registrando 11 cm e 9 cm, respectivamente.

Prevê-se que a neve intensa continue principalmente nas áreas montanhosas da região de Hokuriku e na prefeitura de Niigata, com as áreas planas também esperando neve pesada. As cidades de Otaru e Okishi em Hokkaido registraram 68 cm de neve em apenas 12 horas, estabelecendo um novo recorde absoluto. Outro recorde de queda de neve de todos os tempos também foi relatado em Rankoshi, Hokkaido, com 59 cm em 12 horas.

Mobilização por ajuda

Aproximadamente 18.000 residências na região de Ishikawa ainda estavam sem eletricidade na segunda-feira, enquanto mais de 66.100 residências estavam sem água no domingo. Para as 28.800 pessoas lotadas em abrigos do governo, muitas também estavam sem água, eletricidade e aquecimento suficientes, de acordo com relatos da mídia.

Bombeiros procuram sobreviventes em ruínas cobertas de neve na cidade de Suzu, província de Ishikawa, nesta segunda-feira, uma semana depois que um grande terremoto de magnitude 7,5 atingiu a região de Noto. | JIJI PRESS/AFP/METSUL METEOROLOGIA

“As mortes relacionadas ao desastre devem ser evitadas a todo custo. Quero melhorar o ambiente precário nos abrigos”, disse o governador de Ishikawa, Hiroshi Hase, à emissora NHK. “A primeira prioridade foi resgatar pessoas sob os escombros e alcançar comunidades isoladas”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida à NHK no domingo. O governo “mobilizou vários helicópteros da polícia e do corpo de bombeiros”, bem como pequenos grupos de tropas a pé para alcançar as comunidades isoladas, disse ele.

O Japão experimenta centenas de terremotos todos os anos, embora a maioria não cause danos devido a códigos de construção rigorosos em vigor há mais de quatro décadas. Mas muitas estruturas são antigas, especialmente em comunidades rurais que envelhecem rapidamente, como Noto. O país ainda é assombrado pelo monstruoso terremoto de 2011 que desencadeou um tsunami, deixou cerca de 18.500 pessoas mortas ou desaparecidas e causou uma catástrofe nuclear na usina de Fukushima.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios