Anúncios

Chegada do forte temporal na região do Vale do Sinos e que trouxe vendaval na região com a linha de instabilidade gerada pela formação de um ciclone extratropical | Lucas Lovatto

O aprofundamento de um centro de baixa pressão entre o Uruguai e o Rio Grande do Sul que dá origem a um ciclone extratropical nesta sexta-feira no oceano organizou, como era previsto, uma linha de instabilidade que avançou pelo território gaúcho e outras áreas do Sul do Brasil ao longo desta quinta-feira.

Mais de 300 mil clientes ou cerca de 1 milhão de pessoas estavam sem energia no final da tarde desta quinta-feira por efeito dos fortes temporais de vento que atingiram o Estado, de acordo com as concessionárias.


A linha de instabilidade alcançou a Grande Porto Alegre e os vales depois das 16h com chuva localmente torrencial, muitos raios e ainda fortes a intensas rajadas de vento. Os temporais mais fortes com vento ocorreram na área metropolitana entre Canoas e o Vale do Sinos.

Em Porto Alegre, no aeroporto, as rajadas chegaram a 78 km/h. Na base aérea de Canoas, boletim especial reportou rajadas de 59 nós ou 109,3 km/h. O vendaval foi intenso também no Vale do Sinos com rajadas de 81 km/h em Campo Bom.

As operações chegaram a ser interrompidas por meia hora no Aeroporto Salgado Filho devido à grande incidência de raios na área do aeródromo. Moradores de Novo Hamburgo relataram que por volta das 16h o ruído era incessante de trovoadas, o que se percebia também em Gramado, na Serra Gaúcha.

Houve queda de árvores, janelas foram arrancadas pelo vento e falta de energia por danos na rede elétrica na região metropolitana, o que afetou operações do Trensurb. A empresa informou que os trens somente circulavam entre as estações Mercado e Sapucaia.

A Metroplan foi acionada para ampliar o serviço de ônibus à população entre Sapucaia e Novo Hamburgo pela falta de energia na subestação Sapucaia. Em Cachoeirinha, a cobertura de uma unidade da rede Lebes desabou.

Na Serra, vendaval causou destelhamentos, queda de árvores e outros danos entre Garibaldi e Bento Gonçalves. Houve estragos por temporal ainda em Três Coroas, no Vale do Paranhana com destelhamentos.

Chuva irregular

A chuva, como se antecipava, foi muito irregular. Choveu pouco em vários locais e muito em alguns. Os volumes até 17h eram de 64 mm em Uruguaiana, 44 mm em São Borja, 41 mm em Itaqui, 37 mm em Rosário do Sul, 36 mm em Cachoeirinha, 35 mm em Canoas, e 33 mm em Alegrete, conforme dados do Cemaden).

Calor e baixa pressão favoreceram fortes temporais

Os temporais isolados foram precedidos por muito calor. Máximas chegaram a 34,4ºC em Porto Alegre, 35,5ºC em Campo Bom e 37,5ºC em Parobé. Na Serra, Gramado, Caxias do Sul e Bento chegaram a marcas entre 32ºC e 33ºC.

A pressão atmosférica muito baixa somou-se para agravar o risco de vendavais. Era de 999 hPa em Campo Bom e 1.002 hPa em Porto Alegre momentos antes do temporal.

O pior já passou?

No Rio Grande do Sul, o pior já passou na maior parte do território gaúcho, inclusive na área de Porto Alegre que teve o retorno do sol com arco-íris no fim da tarde. O Noroeste e o Norte do estado gaúcho seguem com risco de temporais nesta noite.

O pior nas próximas horas ocorre em Santa Catarina e no Paraná com situação de perigo para tempestades severas à medida que a linha de instabilidade associada ao ciclone se desloca para o Norte. Potentes áreas de instabilidade ingressavam no Oeste dos dois estados a partir da província argentina de Misiones e do Paraguai, onde tempestades severas foram registradas no período da tarde.

Previsão do tempo para a sexta-feira

Muitas nuvens persistem sobre o Rio Grande do Sul nesta sexta-feira em consequência de um ciclone extratropical sobre o oceano a Leste e Sudeste do Estado. No decorrer do dia, a circulação ciclônica traz nebulosidade variável com céu nublado a encoberto, mas com aberturas.


Pode ainda ocorrer chuva isolada e passageira na maioria das regiões pela circulação de umidade do ciclone, especialmente na Metade Leste gaúcha que inclui a Serra, o Litoral e Porto Alegre. Apenas áreas mais ao Oeste gaúcho terão tempo aberto e sem chance de chuva.

O sistema ciclônico traz vento moderado com rajadas, em média, de 50 km/h a 70 km/h no Sul e no Leste gaúcho, sobretudo no Litoral Sul e na área das lagoas e seu entorno, em cidades como Rio Grande, Mostardas e São José do Norte.  Na maior parte do Estado, o vento nesta sexta será fraco a ocasionalmente moderado, uma vez que não se trata de um ciclone extratropical intenso pela sua pressão não muito baixa.

Anúncios