Anúncios

Um indiano dorme ao lado do seu cão nas ruas de Nova Deli que recentemente sofreu com uma brutal onda de calor que afetou grande parte do Sul da Ásia com temperatura que passou dos 50ºC no Paquistão | SAJJAD HUSSAIN/AFP/METSUL METEOROLOGIA

A maioria das pesquisas que analisa o impacto das mudanças climáticas na vida humana se concentra em como os eventos climáticos extremos afetam os resultados econômicos e sociais da saúde em larga escala. No entanto, as mudanças climáticas também podem ter uma forte influência nas atividades humanas diárias fundamentais, incluindo uma série de resultados comportamentais, psicológicos e fisiológicos que são essenciais para o bem-estar.

Em um estudo publicado em 20 de maio na revista One Earth, pesquisadores relatam que o aumento da temperatura ambiente afeta negativamente o sono humano em todo o mundo. A equipe diz que suas descobertas sugerem que, até o ano de 2099, temperaturas mais altas no mundo podem resultar em 50 a 58 horas a menos de sono por pessoa por ano.


Além disso, os pesquisadores descobriram que o efeito da temperatura na perda de sono é substancialmente maior para residentes de países de baixa renda, bem como em adultos mais velhos e mulheres. “Nossos resultados indicam que o sono, um processo restaurador essencial integral para a saúde e produtividade humana, pode ser degradado por temperaturas mais quentes”, diz o autor líder do estudo Kelton Minor, da Universidade de Copenhague.

“Para tomar decisões informadas sobre políticas climáticas, precisamos levar em conta melhor todo o espectro de impactos climáticos futuros plausíveis que se estendem a partir das escolhas sociais de emissões de gases de efeito estufa de hoje”, afirma.


Há muito tempo se sabe que os dias quentes aumentam as mortes e hospitalizações e pioram o desempenho humano, mas os mecanismos biológicos e comportamentais subjacentes a esses impactos não são bem compreendidos. Dados relatados recentes dos Estados Unidos sugeriram que a qualidade subjetiva do sono diminui durante os períodos de tempo quente, mas ainda não está claro como as flutuações de temperatura podem afetar as mudanças nos resultados objetivos do sono em pessoas que vivem em uma variedade de climas globais.

“Neste estudo, fornecemos a primeira evidência em escala planetária de que temperaturas acima da média afetam o sono humano”, diz Minor. “Mostramos que essa erosão ocorre principalmente atrasando quando as pessoas adormecem e antecipando o horário que as pessoas acordam sob tempo quente”, disse Minor.

Para conduzir o estudo, os pesquisadores usaram dados globais de sono anônimos coletados de pulseiras de rastreamento de sono baseadas em acelerômetros. Os dados incluíram 7 milhões de registros de sono noturno de mais de 47.000 adultos em 68 países, abrangendo todos os continentes, exceto a Antártida. As medidas do tipo de pulseiras usadas neste estudo mostraram-se anteriormente alinhadas com medidas independentes de vigília e sono.

O estudo sugeriu que em noites muito quentes (acima de 30ºC), o sono diminui em média pouco mais de 14 minutos. A probabilidade de dormir menos de sete horas também aumenta à medida que as temperaturas aumentam.

“Nossos corpos são altamente adaptados para manter uma temperatura corporal estável, algo de que nossas vidas dependem”, diz Minor. “No entanto, todas as noites eles fazem algo notável sem que a maioria de nós saiba conscientemente, eles liberam calor do nosso núcleo para o ambiente ao redor, dilatando nossos vasos sanguíneos e aumentando o fluxo sanguíneo para nossas mãos e pés”, explicou o pesquisador.

Ele acrescenta que, para que nossos corpos transfiram calor, o ambiente ao redor precisa ser mais frio. Os primeiros estudos controlados em laboratórios de sono descobriram que humanos e animais dormem pior quando a temperatura ambiente está muito alta ou muito fria. Mas essa pesquisa foi limitada pela forma como as pessoas agem no mundo real: elas modificam a temperatura do ambiente de sono para ficar mais confortável. Na pesquisa atual, os pesquisadores descobriram que, sob rotinas normais de vida, as pessoas parecem muito melhores em se adaptar a temperaturas externas mais frias do que a condições mais quentes.

Uma observação importante foi que as pessoas nos países em desenvolvimento parecem ser mais afetadas por essas mudanças. É possível que a maior prevalência de ar condicionado em países desenvolvidos possa desempenhar um papel, mas os pesquisadores não conseguiram identificar definitivamente o motivo porque não tinham dados sobre o acesso ao ar condicionado entre os indivíduos.

Os pesquisadores também observam que, como descobriram evidências convincentes de que o impacto do aquecimento das temperaturas na perda de sono é desigual globalmente, novas pesquisas devem considerar especialmente as populações mais vulneráveis, particularmente aquelas que residem nas regiões mais quentes e historicamente mais pobres do mundo.

Anúncios