Anúncios

Não há como fixar com segurança data para o final do atual período de calor extremo no Rio Grande do Sul. Projeções de modelos numéricos nesta época do ano têm confiabilidade média para sete dias e menor para dez dias, com grandes alterações no dia a dia, e todos os indicativos são de que a temperatura vai seguir muito acima do normal por todo o restante desta semana e ainda por grande parte da semana que vem, fazendo que o Rio Grande do Sul experimente sua primeira metade de fevereiro mais quente já registrada desde o começo das observações meteorológicas no Estado em 1910. A segunda-feira foi escaldante no Estado com máxima na casa dos 40ºC pelo segundo dia seguido. Segunda tinha feito 40ºC na Base Aérea de Canoas e na zona Norte de Porto Alegre. Ontem, os termômetros indicaram 40,4ºC em Taquara, 40,1ºC em Santa Rosa, 39,4ºC em Santa Cruz do Sul, 39,2ºC em Teutônia, 39ºC em Canoas, 38,9ºC em Porto Alegre e São Leopoldo, 38,7ºC em São Borja e Lajeado, 38,6ºC em Campo Bom e 38,2ºC em Santa Maria. O calor será mais intenso no Estado na segunda metade desta semana, quando termômetros podem indicar entre 41ºC e 43ºC, até mesmo na área de Porto Alegre.



Esta terça é o terceiro dia seguido com máximas ao redor de 40ºC no Estado. A Grande Porto Alegre deve ter entre 38ºC e 40ºC. Massa de ar extremamente quente sobre o Sul do Brasil. O sol predomina na maior parte do Rio Grande do Sul, apesar de nuvens no céu. Da tarde para a noite, chance de chuva localizada de verão, ocasionalmente forte e com temporais isolados e passageiros que localmente podem ser intensos. No Sul e na fronteira com o Uruguai segue alto o risco de temporais intensos localizados, como se deu mais uma vez ontem em Pelotas e região (fotos acima de Jacque Reydams e Marcos Martins). Em Porto Alegre e região metropolitana, assim como na Serra Gaúcha que teve queda de granizo isolado, o final da segunda-feira foi de muitos relâmpagos e raios, na maioria, nuvem-nuvem no céu, um verdadeiro festival elétrico celestial.


Começo da noite foi um festival de relâmpagos no céu e de raios no horizonte na Capital – Fernando Mainar


Tormenta elétrica para o setor Leste de Porto Alegre foi a maior vista nos últimos meses – Rafael Marafon


Início da noite foi de muitos relâmpagos também na Grande Porto Alegre, como em Canoas – Gerson Simões

Os relâmpagos estiveram associadas às nuvens de desenvolvimento vertical e que emprestaram ao entardecer imagens lindas do céu em tom dourado (fotos de Pablo Syn em Canoas, Diego Baldi em Porto Alegre e Eduardo Aguiar em Barra do Ribeiro).


Temporais voltaram a atingir ontem mais uma vez a fronteira com o Uruguai. A estação automática de Jaguarão apontou vento de 103 km/h. Em Aceguá (foto abaixo de Beatriz Eloguesi), também ocorreu temporal, mas sem informações de danos. 


Dentro do Uruguai, a situação não para de se complicar pela chuva persistente e o tempo severo. Ontem, tornado destruiu pequena localidade no departamento de Cerro Largo. A chuva forte que cai há vários dias segue a provocar cheia e o número de desabrigados atinge centenas com muitas estradas cortadas (reproduções abaixo dos jornais La Republica e El País).



A situação vai piorar no Uruguai nos próximos dias. Apesar de melhoras temporárias, a instabilidade vai aumentar muito com chuva intensa e copiosa em diversos departamentos entre quinta (6/2) e segunda (10/2) com acumulados de 200 mm a 300 mm em diversos locais, o que trará mais inundações e transbordamento de rios e arroios, aumentando os desabrigados e transtornos. A MetSul Meteorologia alerta que o Centro e o Norte do Uruguai, por estarem sob uma maior influência do ar bastante quente no Sul do Brasil, permanecem com risco de tempestade severa e até “turbonadas” hoje e nos próximos dias.

Anúncios