Anúncios

JEFFERSON GOES/ARQUIVO METSUL

Nada é mais importante para o Rio Grande do Sul neste momento que chover. O número de cidades em situação de emergência sobe rapidamente e já está ao redor de 50, a cada dia os níveis dos rios baixam mais com racionamento de água em algumas cidades e o risco que falte água em outras, além de graves prejuízos para a agricultura que vê danos crescentes para as culturas de soja e milho.

A boa notícia é que a chuva retorna ao Rio Grande do Sul nesta semana após um começo de ano sob influência de uma massa de ar muito seco e de alta pressão que favoreceu o predomínio do sol e chuva escassa na maior parte do território gaúcho.


A notícia poderia ser até melhor se os volumes fossem mais altos e as precipitações tivessem melhor distribuição, mas, no momento, qualquer chuva é muito bem-vinda para os gaúchos sob crise hídrica.

O tempo seco e firme ainda predomina no estado gaúcho durante esta segunda-feira com sol e calor à tarde, mas o aquecimento já induz algumas pancadas bem isoladas da tarde para a noite desta segunda no interior.


Na terça-feira e na quarta, as pancadas da tarde para a noite que são isoladas alcançam mais localidades, mas ainda assim grande número de municípios ficará sem chuva. Entre quinta e sexta se espera um cenário melhor de precipitação com chuva na grande maioria das cidades gaúchas.

A instabilidade deve permanecer no próximo fim de semana com sol e pancadas, especialmente concentradas na Metade Norte gaúcho ao passo que na Metade Sul o tempo seco será a condição predominante no fim de semana que vem.

Os mapas a seguir mostram a projeção de chuva acumulada diária desta segunda-feira até o sábado do modelo alemão Icon em que se enxerga a perspectiva de chover de forma mais generalizada na segunda metade da semana.

A chuva dos próximos dias não acabará com a estiagem, mas poderá amenizar o quadro em diversos pontos. Os maiores volumes são projetados para a Metade Norte, onde em diversos municípios pode chover de 20 mm a 50 mm com acumulados pontuais de 50 mm a 75 mm, isoladamente superiores.

O mapa acima mostra a projeção de chuva acumulada em sete dias do modelo meteorológico Icon, do serviço meteorológico alemão Deutsche Wetterdienst, em que se observa a tendência de a chuva ser irregular na distribuição e não satisfatória em todas as regiões gaúchas.

A chuva dos próximos dias marca o início de um período mais propenso à instabilidade no Rio Grande do Sul que fará com que a chuva seja mais frequente no estado. A segunda metade desta semana e o começo da semana que vem serão marcados pela atmosfera mais instável sobre o estado gaúcho. A combinação de calor e maior umidade favorecerá pancadas de chuva isoladas todos os dias.

A MetSul pontua que as áreas de instabilidade que vão se formar nesta semana devem trazer alguns temporais isolados. Com a atmosfera aquecida, algumas tempestades isoladas podem ser localmente fortes a severas com danos, seja por vendavais ou granizo.

Anúncios