Anúncios

Uma foto aérea de 15 de agosto de 2019 mostra um iceberg flutuando ao longo da costa Leste da Groenlândia, perto de Kulusuk. | JONATHAN NACKSTRAND/AFP/METSUL METEOROLOGIA

A perda de gelo da Groenlândia ocorre em nível alarmante e assusta os cientistas. Dados que acabam de ser divulgados pelo centro polar dinamarquês com base nas medições do satélite GRACE até agosto de 2021 indicam que o manto de gelo da Groenlândia perdeu cerca de 4.700 gigatoneladas ou 4.700 km³, o suficiente para cobrir todos os Estados Unidos com meio metro de água. O derretimento, conforme os cientistas dinamarqueses, contribuiu com 1,2 cm para o aumento do nível do mar.


Os níveis do mar na era moderna aumentaram para um novo recorde em 2021 devido a uma combinação de derretimento do gelo terrestre (como geleiras e mantos de gelo), a expansão térmica da água à medida que aquece e as mudanças no armazenamento de água terrestre. Nos últimos anos, houve contribuições maiores para o aumento do nível do mar devido ao derretimento das camadas de gelo e geleiras, uma vez que as temperaturas mais altas aceleram as perdas das camadas de gelo na Groenlândia e na Antártida.

Desde o início da década de 1990, o aumento do nível do mar global é estimado usando dados de altímetros de satélites. Os níveis do mar globais anteriores foram reconstruídos a partir de uma rede de medições globais de medidores de maré. Isso permite que os pesquisadores estimem como o nível do mar mudou desde o final de 1800.

O gráfico acima mostra sete conjuntos de dados diferentes de elevação do nível do mar (linhas coloridas), juntamente com medições de altímetros de satélites da NASA, conforme avaliado pela Universidade do Colorado (em preto) após 1993. Como os dados de elevação do nível do mar ainda não foram divulgados para o todo o ano, o valor de 2021 é estimado com base em dados até julho.

Carbon Brief

O gráfico se baseia nos dados de aumento do médio global do nível do mar entre 1900 e 2021 de Palmer et al 2021, Frederikse et al 2020, Dangendorf et al 2019, Hay et al 2015, Jevrejeva et al 2014, Church and White 2011 e Ray e Douglas 2011. Os dados de altímetro de satélite de 1993 (preto) até o presente são da Universidade do Colorado.

Os níveis do mar subiram cerca de 0,2 metro (200 mm) desde 1900. Embora as estimativas de aumento do nível do mar concordem principalmente nas últimas décadas, divergências maiores são evidentes antes de 1980. Há também evidências de aceleração do aumento do nível do mar no período pós-1993, quando os dados de altimetria de satélite de qualidade passaram a ficar disponíveis.

Uma parte dessa elevação do nível do mar está sendo impulsionada pelo derretimento das geleiras terrestres. Os cientistas medem a massa das geleiras ao redor do mundo usando uma variedade de técnicas de sensoriamento remoto, bem como através de medições GRACE do campo gravitacional da Terra. O equilíbrio entre a queda de neve em uma geleira e a perda de gelo através do derretimento e da quebra dos icebergs determina se as geleiras crescem ou encolhem ao longo do tempo.

Um novo estudo descobriu que, pelo sexto ano consecutivo, os oceanos do mundo estiveram mais quentes em 2021 do que nunca na história recente devido às mudanças climáticas induzidas pelo homem. A equipe de pesquisadores descobriu que no ano passado, os 2.000 metros superiores em todos os oceanos absorveram 14 zettajoules a mais de energia produzida pelo homem do que no ano anterior, o equivalente a cerca de 145 vezes a geração de eletricidade do mundo em 2020.

Um oceano em aquecimento cria uma infinidade de problemas, causando eventos climáticos extremos, acelerando o aumento do nível do mar, interrompendo a biodiversidade marinha, ameaçando a segurança alimentar global e derretendo as plataformas de gelo polar. Especialistas dizem que a melhor maneira de reduzir os impactos climáticos oceânicos é diminuir as emissões de carbono e cumprir a meta do Acordo de Paris de não permitir que o aquecimento global ultrapasse 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais.

Anúncios