Anúncios

O estado do Paraná enfrenta uma forte estiagem que dura vários meses, o que afetou a produção agrícola e compromete o abastecimento de água em algumas regiões, como a de Curitiba. 

A estiagem colabora também para a ocorrência de queimadas. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Paraná teve 337 focos de calor detectados por satélite no mês de julho, perto da média histórica mensal de 380.


Focos de calor nas últimas 72h no Sul do Brasil (NASA)

Fumaça de queimada é uma das prováveis causas do engavetamento ontem que deixou 8 mortos e mais de 20 feridos na BR-277 em São José dos Pinhais. No momento do desastre o trecho da rodovia em que ocorreu o engavetamento tinha baixíssima visibilidade por fumaça e neblina no momento do acidente. 

Reprodução

Esta é uma época crítica para queimadas no Paraná. Julho e agosto são os meses mais secos da climatologia anual e neste ano se soma a forte estiagem, agravando o risco de fogo. Não se prevê chuva em grande parte do Paraná ao menos até a metade do mês, exceção de áreas costeiras. 


Anúncios