Anúncios

Mauro Schaefer/Correio do Povo

“Quando para este vento que não acaba nunca”, questionou uma seguidora da MetSul na rede social Twitter a respeito de mais um dia com vento moderado e por vezes com rajadas em Porto Alegre. A resposta direta é não tão cedo e é preciso entender o motivo.

Primeiro de tudo, esta época do ano é tradicionalmente ventosa em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul. Não à toa surgiu a expressão Vento de Finados. No inverno, massas de ar frio mais fortes têm trajetória na maioria das vezes pelo interior do continente, recebendo por isso o nome de continentais. Já nesta época do ano e no verão, o avanço das massas de ar frio se dá prioritariamente pelo oceano, recebendo o nome de marítimas.

À medida que se aproxima o verão, os dias são mais longos e o continente aquece mais. E, ainda, há mais incursões de ar quente a partir do Norte da Argentina e o Paraguai. Com as massas de ar frio  atuando no oceano e ar mais quente no continente, estabelece-se um maior gradiente de temperatura e pressão, e o resultado é vento.

Como aquece ao longo do dia, especialmente à tarde, o ar mais frio do oceano – mais denso e pesado – migra para as áreas em que o ar está mais quente – menos denso e mais leve. Este movimento gera o vento que sopra principalmente da tarde para a noite vindo do quadrante Leste.

Como estamos em ano de La Niña, há uma maior propensão para massas de ar frio tardias que avançam pelo oceano. Em razão disso, a tendência é que tenhamos ainda muitos dias ventosos com rajadas do quadrante Leste da tarde para a noite, assim como uma maior frequência de vento Nordestão nas praias durante o período de veraneio.

Anúncios