Anúncios

Não, não há nenhuma evidência provada que tenha relação com as luzes não identificadas que foram observadas por pilotos de aviões nos últimos dias no Sul do Brasil, mas a região chama atenção da ciência por uma crescente cavidade no campo magnético da Terra que pode causar grandes dores de cabeça para os satélites. Esta área problemática está sobre o Atlântico Sul e parte do Sul do Brasil no que é conhecida como SAMA, na sigla em Inglês, ou Anomalia Magnética do Atlântico Sul.

EUROPEAN SPACE AGENCY (ESA)

O campo magnético da Terra atua como um escudo protetor ao redor do planeta, repelindo e prendendo partículas carregadas do Sol. Ocorre que sobre a América do Sul e o Sul do Oceano Atlântico, um ponto extraordinariamente fraco no campo – chamado de Anomalia do Atlântico Sul, permite que essas partículas mergulhem mais perto da superfície do que o normal.


A radiação de partículas nesta região pode derrubar os computadores de bordo e interferir na coleta de dados dos satélites que passam por ela, uma das principais razões pelas quais os cientistas da NASA desejam rastrear e estudar a anomalia.

A Anomalia do Atlântico Sul também é de interesse dos cientistas terrestres da NASA que monitoram as mudanças na força do campo magnético e como afetam tanto a atmosfera da Terra quanto como um indicador do que está acontecendo com os campos magnéticos do planeta nas profundezas do globo.


Atualmente, a anomalia não cria impactos visíveis na vida cotidiana na superfície. No entanto, observações e previsões recentes mostram que a região está se expandindo para o Oeste e continuando a enfraquecer em intensidade. Também está se dividindo com dados recentes mostrando que o chamado “vale da anomalia”, ou a região de força mínima de campo, se dividiu em dois setores, criando desafios adicionais para missões de satélite.

Uma série de cientistas da NASA em grupos de pesquisa geomagnética, geofísica e heliofísica observam e modelam a anomalia para monitorar e prever mudanças futuras, além de ajudar a se preparar para futuros desafios para satélites e humanos no espaço.

EUROPEAN SPACE AGENCUY (ESA)

A Anomalia do Atlântico Sul surge de duas características do núcleo da Terra: a inclinação de seu eixo magnético e o fluxo de metais fundidos dentro de seu núcleo externo. A Terra é um pouco como um ímã, com polos Norte e Sul que representam polaridades magnéticas opostas e linhas de campo magnético invisíveis que circundam o planeta entre eles.

Mas, ao contrário de um ímã, o campo magnético do núcleo não está perfeitamente alinhado ao longo do globo, nem é perfeitamente estável. Isso porque o campo se origina do núcleo externo da Terra: fundido, rico em ferro e em movimento vigoroso 3 mil quilômetros abaixo da superfície.

Esses metais agitados girando nas profundezas da Terra agem como um gerador maciço, chamado geodínamo, criando correntes elétricas que produzem o campo magnético. À medida que o movimento do núcleo muda ao longo do tempo, devido a condições geodinâmicas complexas dentro do núcleo e no limite com o manto sólido acima, o campo magnético também flutua no espaço e no tempo.

Esses processos dinâmicos no núcleo ondulam para fora do campo magnético ao redor do planeta, gerando a anomalia e outras características no ambiente próximo à Terra, incluindo a inclinação e a deriva dos polos magnéticos, que estão se movendo ao longo do tempo. Essas evoluções em campo, que acontecem em uma escala de tempo semelhante à convecção de metais no núcleo externo, fornecem aos cientistas novas pistas para ajudá-los a desvendar a dinâmica do núcleo que impulsiona o geodínamo.

As forças no núcleo e a inclinação do eixo magnético juntas produzem a anomalia, a área de magnetismo mais fraco, permitindo que partículas carregadas presas no campo magnético da Terra mergulhem mais perto da superfície.

O Sol expele um fluxo constante de partículas e campos magnéticos conhecidos como vento solar e vastas nuvens de plasma quente e radiação chamadas ejeções de massa coronal. Quando esse material solar flui pelo espaço e atinge a magnetosfera da Terra, o espaço ocupado pelo campo magnético da Terra, ele pode ficar preso e preso em dois cinturões em forma de rosquinha ao redor do planeta chamados Cinturões de Van Allen.

NASA

Os cinturões restringem as partículas a viajar ao longo das linhas do campo magnético da Terra, saltando continuamente para frente e para trás de polo a polo. O cinturão mais interno começa a cerca de 600 quilômetros da superfície da Terra, o que mantém sua radiação de partículas a uma distância saudável da Terra e de seus satélites em órbita.

No entanto, quando uma tempestade particularmente forte de partículas do Sol atinge a Terra, os cinturões de Van Allen podem ficar altamente energizados e o campo magnético pode ser deformado, permitindo que as partículas carregadas penetrem na atmosfera.

A Estação Espacial Internacional, que está em órbita baixa da Terra, também passa pela Anomalia do Atlântico Sul. Está bem protegido e os astronautas estão seguros contra danos enquanto estão dentro. No entanto, a ISS tem outros “passageiros” afetados pelos níveis mais altos de radiação: Instrumentos. A anomalia do Atlântico Sul causa “blips” em alguns instrumentos a bordo e reinicia as placas de energia do instrumento cerca de uma vez por mês.

Para entender como a SAMA está mudando e se preparar para futuras ameaças a satélites e instrumentos, cientistas da NASA e seus colegas usam observações e Física para contribuir com modelos globais do campo magnético da Terra. A equipe avalia o estado atual do campo magnético usando dados da Agência Espacial Europeia, missões anteriores de agências de todo o mundo e medições em solo.

A mudança no comportamento da anomalia oferece aos pesquisadores novas oportunidades para entender o núcleo da Terra e como sua dinâmica influencia outros aspectos do sistema terrestre. Ao rastrear essa anomalia no campo magnético em evolução lenta, os pesquisadores podem entender melhor a maneira como nosso planeta está mudando e ajudar a se preparar para um futuro mais seguro para os satélites.

Anúncios