Anúncios

Greenpeace

As emissões de dióxido de carbono (CO2) provenientes de fontes de combustíveis fósseis atingiram um declínio diário máximo de 17% em abril, como resultado do drástico declínio na demanda de energia ocorrido durante a pandemia de Covid-19.

A análise, publicada hoje na revista “Nature Climate Change”, foi conduzida por pesquisadores das universidades de East Anglia (Reino Unido) e Stanford (EUA), do Centre for International Climate and Environmental Research (Cicero), ligado à Universidade de Oslo (Noruega), e da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (Csiro, da Austrália), como parte do Global Carbon Project.


As emissões atingiram seu pico de declínio em 7 de abril, com um declínio de 17% em relação ao mesmo período do ano passado. As emissões diárias caíram em média entre janeiro e abril em 8,6% novamente em comparação com o mesmo período do ano passado.


O impacto da pandemia nas emissões globais foi estimado com base em uma combinação de dados de energia, atividade e política disponíveis até o final de abril de 2020.

Os dados foram coletados de 69 países, que representam 97% das emissões globais e 85% da população mundial. As estimativas foram então comparadas com dados de emissões diárias do mesmo período em 2019.

Os decréscimos nas emissões em 2020 foram maiores na China, onde a indústria e as comunidades passaram por lockdown (bloqueio) pela primeira vez, vindo a seguir Estados Unidos, Europa e Índia.

O pico de declínio diário de 17% em 7 de abril ocorreu porque a China, os EUA, a Índia e todos os outros principais países emissores de carbono estavam em um alto nível de bloqueio ao mesmo tempo. 

De acordo com as projeções ambientais das Nações Unidas, para impedir que as temperaturas globais subam mais de 1,5°C, o mundo precisa reduzir as emissões em 7,6% a cada ano entre agora e 2030.

Para permanecer abaixo de 2°C do aquecimento, o que os cientistas concordam que é importante para evitar os impactos mais devastadores das mudanças climáticas, é necessário reduzir as emissões em 2,6%, de acordo com os acordos climáticos de Paris de 2015.

Infelizmente, as crises passadas sugerem que as emissões aumentarão novamente. Na última crise global, a Grande Recessão de 2008-2009, as emissões globais diminuíram 1,4% em 2009. Então, em 2010, as emissões voltaram a subir 5%, como se nada tivesse mudado.

Anúncios