Quem olhou atentamente para o céu em Porto Alegre nesta quarta deve ter percebido alguns rastros de aviões no céu misturado às nuvens altas de cristais de gelo. São trilhas de condensação (“contrails”) deixadas por aeronaves que passam sobre a região da capital gaúcha. O colaborador Rodrigo Goulart registrou algumas delas na manhã de hoje.



A imagem de satélite em alta resolução de hoje de manhã mostrava claramente a presença das trilhas de condensação sobre o Sul do Brasil. A maioria se concentrava na região de Florianópolis, no Leste de Santa Catarina, mas um em particular se estendia por centenas de quilômetros sobre o Rio Grande do Sul.


O que a imagem do satélite mostrou do espaço em Santa Catarina, era ainda mais incrível de se ver do solo. O céu estava completamente tomado de trilhas de condensação na região de Criciúma, no Sul catarinense, onde passam várias rotas de voos de Porto Alegre para outras partes do Brasil (fotos do jornalista Sandro de Mattia e de Caroline Brunel/Portal Engeplus).


É a segunda vez em poucos dias aqui no Estado que trilhas de condensação de aeronaves chamam atenção no céu. No dia 4, os chamados “contrails” ficaram muito evidentes ao entardecer sobre Porto Alegre (leia mais), o que proporcionou imagens incríveis pela dispersão das trilhas de condensação devido ao vento em altitude (foto panorâmica feita por Tiago Bischoff).


As condições de umidade em altos níveis da atmosfera era favoráveis, tal como no dia 4, para que os rastros permanecessem no céu por um longo período. A sondagem de Santa Maria mostrou umidade entre 58% e 61% (muito alta para o nível) de 10 mil a 11 mil metros de altitude na manhã de hoje, o que explica a longa duração dos rastros no céu também nesta quarta.