Anúncios

Diz o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa para o verbete histórico que é “digno de ser lembrado” ou “memorável”. A onda de frio que assolou o Brasil e a América do Sul não apenas entra para as estatísticas, alterando os rankings de mínimas absolutas em normais climatológicas, como é um evento memorável porque será lembrado futuramente pelas marcas e eventos que proporcionou. 


A América do Sul registrou uma atípica, muito intensa e abrangente incursão de ar polar que gelou extensas áreas com mínimas extremamente baixas, até recordes em algumas estações de mais de um século, e com evento de neve e precipitação invernal abrangente que alcançou áreas que estão pouco acostumadas a este tipo de fenômeno. Foi evento meteorológico raro e fora do comumente observado em intensidade e abrangência na região. A MetSul Meteorologia resume os principais fatos históricos desta histórica onda de frio.

◾️ Menores mínimas em décadas no Rio Grande do Sul

Levantamento do Oitavo Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) a pedido da MetSul revela que as mínimas da sexta-feira (21) foram as mais baixas em décadas no mês de agosto em algumas das principais cidades do Rio Grande do Sul. Na estação convencional do órgão em Bagé, a sexta-feira começou com -2,1ºC. Tratou-se da menor mínima no mês de agosto na estação desde nada menos que 1917, quando os termômetros indicaram -2,2ºC. Em Santa Maria, a estação convencional do Inmet apontou -1,0ºC, ou a menor mínima no mês desde o registro de -1,2ºC em agosto de 1992. Em Passo Fundo, região do Planalto Médio, a temperatura mínima da sexta-feira de -1,3ºC foi a mais baixa para o mês desde os mesmos -1,3ºC em 2006. Em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, o Inmet observou mínima de -1,2ºC na sexta, a menor marca em agosto desde que fez -1,5ºC em 1995.

◾️ Mínima recorde no Rio Grande do Sul

A temperatura mínima na estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia em Quaraí, na fronteira com o Uruguai, chegou a 5,0ºC abaixo de zero na sexta-feira (21). Foi recorde de mínima para a estação no mês de agosto desde o começo das medições em 2007, superando a menor marca anterior no mês de -3,3ºC em agosto de 2013.

◾️ Mínima recorde em Santa Catarina

A estação do Instituto Nacional de Meteorologia no Morro da Igreja, no Planalto Sul de Santa Catarina, anotou mínima na sexta-feira (21) de 8,6ºC abaixo de zero. É recorde para agosto e absoluto de toda a série histórica que se iniciou no ano de 2007. A mínima superou as registradas em todas as ondas de frio nos últimos 13 anos, inclusive as que entraram para a história como os eventos que trouxeram neve em julho e em agosto de 2013 em muitas áreas do Sul do Brasil.

Paulo Inácio

◾️ Mínimas históricas na Argentina

A província argentina de Corrientes, que faz fronteira com o Oeste do Rio Grande do Sul, registrou mínimas históricas no amanhecer da sexta-feira (21), segundo os dados do Serviço Meteorológico Nacional da Argentina (SMN). Na capital Corrientes, a mínima de -1,7ºC foi recorde e bateu a mais baixa anterior de 5/8/1966, quando fez -1,3ºC.

Na província do Chaco, a mínima de -6,1ºC na sexta em Saenz Peña foi recorde para o mês, batendo o registro anterior de -4,8ºC de 15/8/1999, dia em que a neve foi forte ao ponto de acumular e branquear cidades do Nordeste do Rio Grande do Sul. Em Resistencia, com -3,8ºC, foi a menor mínima em agosto desde os -4,1ºC de 2/8/1991, outra onda de frio histórica que produziu uma grande nevada em Mar del Plata e que trouxe a temperatura mínima mais baixa até hoje em São Joaquim (SC) com -10,0ºC em 2/8/1991.

Na quinta-feira (20), as localidades de Villa Reynolds e Santa Rosa de Contara, na província de San Luis, bateram seus recordes de mínima para agosto com -13,1ºC e -12,0ºC respectivamente. Rio Cuarto, em Córdoba, teve a menor mínima para agosto dos últimos 70 anos com -5,0ºC, segundo o SMN. Na província de Buenos Aires, a mínima em Junin de -6,8ºC ficou a 0,2ºC do recorde de agosto de -7,0ºC em 1967.

◾️ Mínima histórica no Paraguai

Marcas recordes diárias e mensais foram registradas no Paraguai pela Dirección de Meteorologia e Hidrologia. A capital Assunção teve a menor mínima em 55 anos para um 21 de agosto com 1,2ºC, batendo o registro de 2,2ºC de 1965, quando da onda de frio que entrou para a história por ter coberto a Metade Norte gaúcha de neve a ponto de ter virado livro sobre o chamado “flagelo branco”.

A cidade de Pilar, em Ñeembucu, anotou na sexta-feira uma mínima de -0,8ºC, batendo o registro anterior de 2,8ºC do ano de 2011. Coronel Oviedo, San Juan Bautista, Caazapá, Capitán Mesa e Encarnación são outras cidades que anotaram marcas recordes.

◾️ Muito frio na selva peruana

 A temperatura mínima do sábado (22) em Puerto Maldonado, na selva peruana, foi de apenas 11,9ºC, uma marca muito incomum para a localidade, e que resultou da friagem intensa que chegou às latitudes baixas da América do Sul.

 ◾️ Frio histórico à tarde em São Paulo

 A cidade de São Paulo teve na sexta-feira (21) a segunda tarde mais fria em 60 anos no mês de agosto. Com temperatura às 15h de apenas 9,3°C na estação automática do Mirante de Santana do Instituto Nacional de Meteorologia, a capital paulista só teve frio maior no mês de agosto no horário desde 1961 em 19/08/1987, quando no meio da tarde fazia 9,3°C. Veja as menores temperaturas às 15h no Mirante de Santana, na cidade de São Paulo, no período 1961-2020:

  1. 19/08/1987 – 8,8°C
  2. 21/08/2020 – 9,3°C
  3. 02/08/1991 – 9,4°C
  4. 15/08/1999 – 9,6°C
  5. 21/08/1976 – 9,8°C

Já a temperatura máxima diária da sexta-feira foi de 12,6°C, que ocorreu no começo do dia à medida que a temperatura foi caindo ao longo da sexta-feira, ficou entre as 12 menores máximas para agosto nos últimos 60 anos de observação na cidade de São Paulo.

 ◾️ Rio Branco com tarde mais fria que as capitais do Cone Sul

 O Aeroporto de Rio Branco, estado do Acre, na região amazônica, registrava às 15h da sexta-feira (21) temperatura de 12°C. Marca mais baixa no mesmo horário que nos aeroportos de Porto Alegre (14°C), Montevidéu (15°C), Buenos Aires (17°C) e Santiago do Chile (23°C). Rio Branco às 16h tinha temperatura de 13°C, menor que a do mesmo horário de 14°C no aeroporto de Bariloche. El Calafate, em Santa Cruz, na Patagônia, às 16h tinha 13,2°C, mesma temperatura do aeroporto da capital acreana.

 ◾️ Precipitação invernal em Buenos Aires e no Uruguai

 Entre quarta (19) e a quinta-feira (20) registrou-se precipitação invernal na região do Prata. Na quarta-feira, houve registros de precipitação de chuva congelada e graupel (pelotas de neve) em diferentes pontos da região metropolitana de Buenos Aires e até em alguns bairros da capital argentina.

O que se repetiu na cidade de Montevidéu e em vários departamentos do interior uruguaio como Colonia, Canelones, Maldonado e Rocha.

A precipitação invernal chegou a braquear o topo do Cerro Catedral (500 m), no departamento de Maldonado.

◾️ Chuva congelada e/ou graupel em dezenas de municípios gaúchos 

Houve registro de chuva congelada e/ou graupel do Sul ao Norte do Rio Grande do Sul com registros de precipitação invernal em dezenas de municípios no Sul, Campanha, Centro gaúcho, Vales, Serra e Aparados, o que é muito pouco comum de ocorrer e somente se dá em erupções muito intensas de ar gelado. Fenômenos foram observados em São Francisco de Paula, Gramado, Canela, Nova Petrópolis, Alto Feliz, Salvador do Sul, General Câmara, Canoas, Canguçu, Morro Redondo, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Chui, Herval,Triunfo, Pelotas, Santa Maria do Herval, Bento Gonçalves, Montenegro, Caxias do Sul, Farroupilha e Lajeado, dentre outros. 

Houve registro de chuva congelada até mesmo na praia do Cassino, em Rio Grande, ao nível do mar, o que é muito raro de ocorrer. 

◾️ Chuva congelada na Grande Porto Alegre 

A tarde da quinta-feira (20) registrou a ocorrência de precipitação invernal na região metropolitana de Porto Alegre que, na sua maior parte, está situada ao nível do mar e onde ocorrências de precipitação invernal são raras e se verificam apenas em eventos de frio muito intensos e com tempo de recorrência maior.

Houve registro de chuva congelada em municípios como Canoas, limítrofe com Porto Alegre, e em Triunfo. Na estação convencional do bairro de Lomba Grande, em Novo Hamburgo, a temperatura na tarde da quinta-feira era de 8,3°C com chuva. 

 ◾️ Neve mais abrangente no Sul do Brasil desde 2013

 Desde as grandes nevadas de julho e agosto de 2013, o Sul do Brasil não registrava um episódio de neve tão abrangente. Nevou nos três estados do Sul e, inclusive, em cidades que muito raramente tiveram o fenômeno nas últimas décadas. Chegou a nevar em Rancho Queimado, na Grande Florianópolis.

Nevou no Rio Grande do Sul (granular e/ou flocos) em Gramado, Caxias do Sul, Canela, São Francisco de Paula, Riozinho, Cambará do Sul, Jaquirana, Bom Jesus e São José dos Ausentes, conforme levantamento da MetSul. Já em Santa Catarina, de acordo com balanço da Epagri/Ciram, nevou nos municípios de São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urupema, Urubici, Grão Pará, Anitápolis, Rancho Queimado, Alfredo Wagner, Major Gercino, Mafra, Itaiópolis, Rio Negrinho, São Bento do Sul, e Joinville (Serra Smith).

A precipitação acumulou mais em pontos da borda da Serra no Rio Grande do Sul (São Francisco de Paula) e em Santa Catarina (Bom Jardim da Serra), mas ficou distante dos índices de acumulação registrados em 2013. Em São Francisco de Paula, desde agosto de 2013 não se observava acumulação.

 ◾️ Neve em Curitiba e região

 Nevou na noite da sexta-feira (21) na cidade de Curitiba, fenômeno documentado nos últimos 50 anos na capital paranaense somente em 1975 e em 2013. Os flocos caíram mais em pontos do Sul da cidade, justamente a área em que a MetSul indicou como a de maior probabilidade.

Houve registro de neve e chuva congelada ainda em cidades da região metropolitana de Curitiba. No Pico Araçatuba, em Tijucas do Sul, na Grande Curitiba, o cume ficou branco pela neve.

 ◾️ Picos nevados vistos das partes baixas

 A onda de frio com neve trouxe cenas raras que não eram vistas desde 2013. Caso dos picos dos morros cobertos de neve vistos a partir das partes baixas do Leste catarinense, como do município de Anitápolis.


Com o tempo aberto da manhã seguinte à neve foi possível ver os cumes nevados.

Anúncios