Anúncios

As emissões do vulcão Etna, na Itália, chegaram ao Extremo Oriente do planeta. É o que mostram as imagens do satélite Sentinel 5 do sistema europeu Copernicus. O satélite detectou material resultante da erupçã sobre a China e a Leste do Japão.

Na imagem do satélite Sentinel 5 é possível observar a nuvem de origem vulcânica sobre os céus da República Popular da China, outra a Leste do Japão e uma terceira nuvem do Etna sobre a Grécia e o Mar Egeu. 


Adam Plataform

As erupções levam para a atmosfera uma grande carga de gases. Os gases mais abundantes nos magmas do Etna são dióxido de carbono e dióxido de enxofre. 

Estes, ao contrário das cinzas que quase imediatamente caem no chão, podem atingir as camadas mais altas da troposfera ou mesmo entrar na estratosfera. 

A partir desse momento, eles participam da dinâmica de dispersão impulsionada por ventos de grande altitude que se movem a velocidades muito maiores do que os ventos de baixa altitude, as famosas correntes de jato.

Isso justifica o fato de, mesmo em poucos dias, os gases conseguirem se deslocar por grandes distâncias em elevadas altitudes no planeta.

Etna segue muito ativo 

O monte Etna da Itália, o vulcão ativo mais alto da Europa, está iluminando o céu noturno com explosões, fontes de lava e colunas de cinzas e maravilhando os observadores no local e nas redes sociais por semanas. 


ESA

A lava desce ao longo da margem ocidental da montanha de 3,3 quilômetros de altura e é visível na maior parte do litoral Leste da Sicília. 

Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

USGS

A cratera Sudeste está no epicentro da atividade, que começou em 16 de fevereiro e iluminou o vulcão repetidas vezes nos últimos dias. Cinzas e fragmentos de rocha cobriram ruas e edifícios de cidades pequenas vizinhas.

Anúncios