Anúncios

Poluição atmosférica atinge níveis críticos na capital do Irã com a chegada do frio de inverno e suspende aulas | HOSSEIN BERIS/MIDDLE EAST IMAGES/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Crianças em idade escolar e funcionários do governo em Teerã foram obrigados a ficar em casa neste começo de semana devido à poluição atmosférica na capital iraniana, um fenômeno recorrente no outono e no inverno. O “alerta vermelho” para a qualidade perigosa do ar se estende para além da capital, afetando as principais cidades do país, incluindo Ahvaz, Isfahan e Tabriz.

Em Teerã, uma metrópole extensa com cerca de nove milhões de habitantes, jardins de infância e escolas fecharam suas portas desde domingo, fazendo a transição para aulas online.


O gabinete do governador provincial aconselha que as pessoas consideradas “sensíveis” – como crianças, idosos e mulheres grávidas – devem abster-se de atividades ao ar livre e exercício físico. Os trabalhadores vulneráveis do setor público foram instados a trabalhar remotamente.

Azam Keyvan, um funcionário público de 40 anos, lamenta: “A situação é horrível. Minha garganta coça assim que saio para a rua”. Ela acrescenta que as condições desafiadoras a privaram da capacidade de praticar exercícios por vários dias. “Não conseguimos mais respirar”, lamenta Saeed Sattari, um vendedor ambulante de 42 anos em Teerã que vende refeições cozidas. Ele lamenta o custo econômico da poluição, dizendo: “Vou à falência”, uma vez que as pessoas evitam sair de casa.


O padrão familiar revela-se à medida que o tempo mais frio se instala: o céu azul claro ao amanhecer sucumbe lentamente à espessa poluição amarelada que cobre as cidades afetadas durante o dia, obscurecendo a vista. Muitos especialistas alertam para as graves consequências económicas e sanitárias da poluição. Dizem que ceifa a vida a cerca de 40 mil pessoas todos os anos no país rico em petróleo, com cerca de 85 milhões de habitantes, conforme noticiado pela comunicação social.

Teerão, conhecida pelo seu tráfego congestionado e elevada população, representa cerca de um sexto do total de vítimas, de acordo com um relatório parlamentar. “O fornecimento de eletricidade tornou-se mais dependente de centrais térmicas e a gás, o que naturalmente aumenta as fontes de poluição atmosférica”, afirma o especialista ambiental Sadegh Partani.

“Recorrer a fontes de energia novas e sustentáveis, como a solar, é uma das melhores formas de reduzir a poluição atmosférica causada pelas indústrias produtoras de eletricidade”, acrescenta o professor universitário.

Ganhando consistentemente um lugar de destaque entre as cidades mais poluídas do mundo, Teerã está situada na encosta Sul das montanhas Alborz. Esses picos imponentes funcionam como uma armadilha para o ar contaminado da cidade. Desde março, “Teerã teve apenas nove dias de ar limpo”, informou na segunda-feira o serviço responsável pelo monitoramento da qualidade do ar. O fenômeno conhecido como inversão térmica atinge o pico durante o inverno, quando o ar frio e a falta de vento prendem a poluição perigosa sobre a capital por dias a fio.

Em 2017, o parlamento iraniano adotou a “Lei do Ar Limpo”, que confere às autoridades, incluindo o governo, os municípios e a polícia, um mandato para intensificar as medidas para reduzir a poluição. Apesar da sua promulgação, a lei tem tido dificuldades em controlar o problema, forçando as autoridades a fechar jardins de infância, escolas e universidades e, em casos raros, repartições públicas nas estações mais frias.

Anúncios