Anúncios

Um mistério de 106 anos chegou ao fim nas profundezas da Antártida. Na madrugada desta quarta-feira no Brasil, a missão para localizar a mítica embarcação Endurance atingiu o seu objetivo e encontrou em excelente estado o navio histórico que afundou esmagado pelo gelo durante uma expedição do explorador Ernest Shackleton. A descoberta foi anunciada em um comunicado da expedição de busca, a Endurance22.

Uma equipe de aventureiros, arqueólogos marinhos e técnicos localizou os destroços no fundo do Mar de Weddell, a Leste da Península Antártica, usando drones submarinos. Lutando contra o gelo do mar e temperaturas congelantes, a equipe estava procurando por mais de duas semanas em uma área de 200 quilômetros quadrados ao redor de onde o navio afundou em 1915.


O veleiro Endurance, de madeira com 44 metros e três mastros, ocupa um lugar reverenciado na história polar porque gerou uma das maiores histórias de sobrevivência nos anais da exploração.

Sua localização, a três mil metros de profundidade em águas que estão entre as mais geladas da Terra, o colocou entre os naufrágios mais famosos que não foram encontrados.


As primeiras imagens do navio desde as tiradas pelo fotógrafo de Shackleton, Frank Hurley, revelaram partes do navio em detalhes surpreendentes. Uma imagem da popa mostrava o nome Endurance acima de uma estrela de cinco pontas, um resquício de antes de Shackleton comprar o navio, quando se chamava Polaris.

Outra imagem, tirada de cima, mostra o convés traseiro aberto do navio. A pressão do gelo danificou fortemente o Endurance antes de afundar e, na imagem, a parte dianteira do navio parece estar muito quebrada.

O diretor de exploração da expedição, Mensun Bound, disse que, com a água fria e a falta de organismos que danificassem os destroços no mar de Weddell, ele esperava que os restos do navio estivessem relativamente bem preservados. A popa, especialmente, parecia notavelmente intocada.

Nos termos do Tratado Antártico, o pacto de seis décadas destinado a proteger a região, o naufrágio é considerado um monumento histórico. Os submersíveis não tocaram o veleiro afundado e as imagens e digitalizações serão usadas como base para materiais educativos e exposições em museus.

A equipe que localizou o Endurance trabalhou no navio de pesquisa e logística polar da África do Sul Agulhas II, de propriedade do Departamento de Florestas, Pescas e Meio Ambiente e sob o comando do Mestre, Capitão Knowledge Bengu, usando os veículos de busca submarina híbridos Sabertooth da Saab.

Donald Lamont, presidente do Falklands Maritime Heritage Trust, que financiou a busca afirmou que “os objetivos para o Endurance22 eram localizar, pesquisar e filmar o naufrágio, mas também realizar pesquisas científicas importantes e executar um programa de divulgação excepcional”.

Já Mensun Bound, Diretor de Exploração da expedição, comemorou: “Estamos impressionados com a nossa sorte em ter localizado e capturado imagens do Endurance. Este é de longe o melhor naufrágio de madeira que já vi. É vertical, intacto e em excelente estado de preservação.

Este é um marco na história polar. No entanto, não é tudo sobre o passado; estamos trazendo a história de Shackleton e Endurance para novos públicos e para a próxima geração, a quem será confiada a proteção essencial de nossas regiões polares e de nosso planeta”.

“Esperamos que nossa descoberta envolva os jovens e os inspire com o pioneirismo, coragem e fortaleza daqueles que navegaram Endurance até a Antártida. Prestamos homenagem às habilidades de navegação do capitão Frank Worsley, o capitão do Endurance, cujos registros detalhados foram inestimáveis ​​em nossa busca para localizar o naufrágio”, disse Bound.

Pesquisa climática na Endurance 22

Sob a liderança do Dr. Lasse Rabenstein, cientista-chefe da expedição Endurance22, uma equipe líder mundial de cientistas de instituições de pesquisa e ensino conduziu com sucesso centenas de horas de estudos relacionados às mudanças climáticas durante a expedição.

Representantes do South African Weather Service, da empresa alemã Drift & Noise, do Alfred-Wegener-Institute da Alemanha, da Agência Espacial Alemã (DLR), da Universidade Aalto na Finlândia e da Universidade Stellenbosch da África do Sul pesquisaram os desvios de gelo, as condições climáticas do Mar de Weddell, estudos da espessura do gelo marinho, e foram capazes de mapear o gelo marinho do espaço.

Combinados, esses importantes estudos ajudarão materialmente a compreensão dessa região remota e como ela influencia nosso clima em mudança.

A missão da Endurace e o pioneirismo de Shachelton

O naufrágio do Endurance foi um dos mais famosos da história, possivelmente comparável ao do Titanic, segundo alguns especialistas. É uma relíquia da idade heroica da exploração da Antártida, quando aventureiros empreenderam expedições complexas e de alto risco ao continente e ao polo Sul, atraindo interesse popular enorme. A primeira tentativa, em 2019, teve que ser cancelada devido a condições climáticas extremas. Mas uma nova expedição será feita em 2022.

O próprio Shackleton, cujo plano de ser o primeiro a atravessar a Antártida foi frustrado pela perda de seu navio, descreveu o local onde o navio afundou como “a pior parte do pior mar do mundo”. “É o navio naufragado mais inatingível que existe”, disse o arqueólogo marinho Mensun Bound, diretor de exploração da expedição, Endurance22. “Por isso esta é a maior caça a um navio naufragado de todos os tempos.”

O Endurance foi um veleiro de três mastros no qual Sir Ernest Shackleton navegou para a Antártida, em 1914, para efetuar a Expedição Transantártica Imperial. Foi lançado ao mar em 1912, em Sandefjord na Noruega e, durante a expedição, ficou encalhado no gelo do Mar de Weddell sendo, mais tarde, esmagado por esse gelo, acabando por afundar em 1915.

Ernest Shackleton observa os restos de seu navio pouco antes de afundar nas profundezas da Antártida | Universidade de Cambridge

Desenhado por Ole Aanderud Larsen, o Endurance foi construído das docas de Framnæs em Sandefjord, Noruega, e concluído em 17 de dezembro de 1912. Foi construído com a supervisão do mestre Christian Jacobsen, conhecido por exigir que os seus homens tivessem conhecimentos navais e experiência em pesca de baleias ou focas. Cada detalhe da sua construção foi planejado para assegurar a máxima durabilidade.

Foi lançado ao mar em 17 de dezembro de 1912 com o nome original de Polaris (de Estrela Polar). Embora o seu casco parecesse ser idêntico ao de outros navios, tal não correspondia à realidade. Foi construído pensando nas condições extremas encontradas nas regiões polares. A sua quilha era constituída por quatro sólidas placas de madeira de carvalho, sobrepostas, enquanto as laterais no convés tinham espessura que era o dobro dos navios convencionais.

Quando foi lançado ao mar, o Endurance era um dos barcos em madeira mais fortes da época, à excepção do Fram utilizado por Fridtjof Nansen e Roald Amundsen. No entanto, havia diferenças: o Fram tinha um fundo arredondado o que permitia resistir melhor ao esmagamento feito pelo gelo. O Endurance, por seu lado, foi desenhado para operar em gelo solto, não estando preparado para grandes pressões.

Anúncios