Anúncios

O Japão enfrenta um inverno de muitíssima neve neste ano. Já são três grandes nevascas no país em pouco mais de um mês.  A última deixou perto de 40 mortos e trouxe mais de um metro de acumulação com muitos transtornos para os transportes rodoviário, aéreo e ferroviário. 


A última tempestade, que atingiu seu pico durante o último fim de semana, deixou mais de 1.200 motoristas presos na via expressa Hokuriku, na ilha de Honshu. O episódio é o mais recente na série de tempestades que atingiu o Japão, incluindo uma recorde em meados de dezembro que deixou dois metros de neve e prendeu 1.000 motoristas em um engarrafamento de 16 quilômetros.

Ao longo da costa Centro-Oeste de Honshu, vários locais registraram quantidades incríveis de neve devido a uma combinação de ar frio e umidade. Em Takada, na costa Oeste da prefeitura de Niigata, mais de dois metros de neve caíram em um período de três dias. Isso equivaleria a 2,5 centímetros de neve caindo a cada hora por 72 horas seguidas. Hijiori, que sofreu vários episódios de forte nevasca nas últimas semanas, teve 3 metros de neve no chão na noite de domingo, e acrescentou outro meio metro na manhã de segunda-feira. 

A mídia japonesa informou que algumas áreas ao longo da costa Oeste já acumulam até nove vezes a quantidade de neve que normalmente cai desde o início deste inverno.

O Japão está localizado fora da parte continental continente da Ásia, separado pelas águas relativamente quentes do Mar do Japão. Durante o inverno, a corrente quente Kuroshio mantém a temperatura da água na casa 10°C a 15°C. Ao mesmo tempo, parte do ar mais frio do Hemisfério Norte é regularmente transportada para o Leste com os ventos predominantes da Sibéria, cruzando o Mar do Japão.


À medida que o ar frio congelante avança sobre as águas amenas, é aquecido e infundido com uma quantidade enorme de umidade. O ar sobe e se condensa para formar nuvens e neve. Esse processo, conhecido como neve por efeito do mar, é como a neve por efeito do lago, que ocorre ao largo dos Grandes Lagos a cada inverno entre os Estados Unidos e o Canadá. As cadeias de montanhas do Japão ajudam a induzir o movimento ascendente, resultando em extraordinárias precipitações. 

O inverno tem sido mais frio do que o normal em todo o Leste da Ásia, incluindo o Nordeste da China e a Península Coreana. Esse ar frio é fundamental para alimentar neves por efeito oceano. Ao mesmo tempo, várias áreas de baixa pressão (ciclones) criaram um fluxo de vento favorável para ondas de temperaturas gélidas de longa duração sobre as águas quentes do Mar do Japão para maximizar o potencial de neve para o país durante os três grandes eventos de neve até agora deste inverno. 

Anúncios