Duas superluas se destacam como eventos astronômicos neste mês de agosto. A primeira se dá nesta terça-feira e a segunda ocorrerá em 30 de agosto. Como resultado desse fenômeno, a lua estará maior e mais brilhante neste dia 1º e em 30 de agosto, pois estará no perigeu, ponto da órbita de máxima aproximação da Terra.

A lua cheia ocorre quando o sol e a lua estão alinhados em lados opostos da Terra. A superlua de 30 de agosto é também chamada de “Lua Azul” por ser a segunda lua cheia do mês. Assim, em 30 de agosto teremos uma “superlua Azul”, que será a superlua mais próxima da Terra este ano. O horário exato do instante da lua cheia varia de acordo com o fuso horário. A Lua cheia de 30 de agosto será às 22h35min, hora legal de Brasília.

Conforme explica a Dra. Josina Nascimento, astrônoma do Observatório Nacional os termos “lua azul” e “superlua” não são definições científicas. O termo “superlua” foi criado pelo astrólogo Richard Nolle em 1979.


Na revista periódica americana Dell Horoscope, que não existe mais, ele escreveu que receberia o selo “super” uma lua cheia que ocorre com a lua no perigeu ou até 90% próxima desse ponto. Não está claro por que ele escolheu o corte de 90% em sua definição.

Como o termo não é originalmente científico, instituições astronômicas podem divergir sobre a distância da Lua em relação à Terra que caracteriza a superlua. A superlua, que pode ser cheia ou nova, ocorre de uma a seis vezes por ano.

Veja as belas imagens feitas desta primeira superlua de agosto no Rio Grande do Sul pelos seguidores da MetSul Meteorologia nas redes sociais.


CENTRO DE NOVO HAMBURGO | IGOR MULLER

AEROPORTO SALGADO FILHO – PORTO ALEGRE | FERNANDO OLIVEIRA

AEROPORTO SALGADO FILHO – PORTO ALEGRE | FERNANDO OLIVEIRA

AEROPORTO SALGADO FILHO – PORTO ALEGRE | FERNANDO OLIVEIRA

PORTO ALEGRE | ROSINARA FERREIRA

PORTO ALEGRE | ROSINARA FERREIRA

FAROL DOS MOLHES – TORRES | SANDRO MULLER

FAROL DOS MOLHES – TORRES | SANDRO MULLER

LIVRAMENTO – ANDERSON ALVES

LIVRAMENTO – ANDERSON ALVES

LIVRAMENTO – ANDERSON ALVES

Em alguns casos, a distância Terra-Lua é menor do que em outros. Isso ocorre porque a órbita da lua não é circular, mas sim elíptica. Portanto, em sua trajetória ao redor da Terra, a lua fica ora mais próxima, ora mais afastada. Quando o satélite se encontra no ponto da órbita mais próximo em relação à Terra, está no perigeu. Por outro lado, quando está no ponto da órbita mais afastado da Terra, a lua está no apogeu. Em média, a distância entre a Terra e a Lua é de cerca de 382.900 quilômetros.

“Os observadores poderão notar uma lua mais brilhante do que outras luas. O fenômeno poderá ser visto em todas as regiões do planeta, basta que o tempo esteja favorável”, destacou Josina. A astrônoma explica que todas as luas cheias nascem no horizonte (a leste), quando o sol se põe (a oeste), e se põem (a oeste) quando o sol nasce (a leste), portanto é possível ver a Lua durante toda a noite.

Ainda segundo Josina, no dia 14 de novembro de 2016, ocorreu a Superlua mais próxima da Terra desde 26 de janeiro de 1948. Naquela data, a Lua estava 356.509 quilômetros de distância do nosso planeta. A próxima vez que a Lua Cheia vai chegar ainda mais perto da Terra será em 25 de novembro de 2034.