Anúncios

Daniel Fleck

Não há precedente nos últimos 30 anos de sequência tão longa de dias de calor no Rio Grande do Sul no mês de julho, com base em dados da estação do Instituto Nacional de Meteorologia em Porto Alegre, aponta levantamento exclusivo da MetSul. 

Ontem foi o quinto seguido com máximas acima dos 30ºC no Estado. O município de Parobé anotou máximas de 33,3ºC no sábado, 32,9ºC no domingo, 31,2ºC na segunda, 31,1ºC na terça e 32,1ºC ontem. 


O gráfico acima mostra as anomalias de temperatura máxima (o quanto a máxima do dia desviou da média máxima mensal histórica de 19,6ºC) entre o dia 1º de julho e ontem em Porto Alegre, no Jardim Botânico. A primeira metade deste mês teve como marcas dias mais frios do que a média, mas desde sábado as anomalias positivas têm sido extremamente elevadas com máximas diárias 10ºC a 12ºC acima do normal pra época do ano na Capital. 


Levantamento da MetSul mostra que ao menos desde 1990 não se viu em julho tantos dias seguidos com máximas iguais ou acima de 28ºC na Capital. Foram cinco dias de sábado a ontem e pode chegar a sete com o calor que projeta para hoje e amanhã. 

Calor em julho é normal, ocorre em quase todos os anos, entretanto em um ou dois dias seguidos. Nos últimos 30 anos, julho em Porto Alegre teve dois dias seguidos com máximas iguais ou superiores a 28ºC em 1992, 1997, 2005, 2006, 2007, 2010, 2012, 2015, 2018 e 2019. 

Houve três dias seguidos em 1991, 1994 e 2016, porém nenhum ano com quatro ou mais dias. E agora podemos chegar a sete. 

Em 2005, houve um evento de calor mais intenso que o atual, mas que começou em julho e terminou em agosto. Foram seis dias com mais de 30ºC no Jardim Botânico: 32,2ºC em 30/7/2005, 31,6ºC no dia 31, 30,8ºC no dia 1/8/2005, 30,4ºC no dia 2, 30,1ºC no dia 3. 30,8ºC no dia 4 e 30,6ºC em 5/8/2005.

Anúncios