Anúncios

Operatión Mer Propre/Divulgação

Com canais com águas cristalinas em Veneza, vida selvagem vagando em cidades e céu mais limpo em grandes metrópoles, a melhora ambiental foi apontada como um efeito positivo da devastadora pandemia de coronavírus.

À medida, porém, que mais e mais pessoas se aventuram após semanas ou meses de confinamento, elas se deparam com um dos custos ambientais da pandemia – máscaras faciais e luvas poluindo praias, rios e oceanos.


“Vimos como o lixo de luvas e máscaras no oceano aumentou consideravelmente. Por favor, descarte esses itens adequadamente se quiser que os oceanos fiquem limpos ”, disse Carmen Soto Barrera, pescadora profissional nas Ilhas Canárias da Espanha, em um apelo nas mídias sociais no final de maio.

Da mesma forma, os mergulhadores na Espanha notaram uma nova camada de equipamento de proteção individual (EPI) misturando-se com peixes, vida marinha e o plástico habitual que cobre o fundo do mar.


As máscaras são parcialmente plásticas, o que pode levar centenas de anos para se degradar, mas não pode ser reciclado. As autoridades dizem que devem ser embrulhadas em um saco plástico e jogadas em uma lata de lixo comum.

“O papel dos plásticos para ajudar a reduzir a disseminação do coronavírus para manter as pessoas seguras é absolutamente claro”, disse Richard Thompson, diretor do Instituto Marinho e professor de biologia marinha da Universidade de Plymouth, à Agência Anadolu.

Embora as luvas não sejam oficialmente recomendadas para uso regular, supermercados e outras lojas geralmente fazem com que os compradores usem uma antes de entrar na Europa. As luvas também não são recicláveis. Cidades espanholas já notaram o crescente problema do lixo de coronavírus e diversos municípios estabeleceram multas para descarte irregular  que variam entre €100 e €3.000. 

Em Miami, nos Estados Unidos, surgiu o #TheGloveChallenge no Instagram. Centenas de pessoas, de todos os cantos do mundo, postaram mais de 1.000 fotos de luvas descartadas nas ruas.

Mesmo que máscaras ou luvas sejam atiradas em terra, elas podem facilmente chegar ao oceano. O vento ou a chuva podem levá-los a rios ou lagos que correm para o mar.

No final de maio, a Operação Mer Propre, na França, destacou o problema no Mar Mediterrâneo, quando o fundador Laurent Lombard mergulhou para coletar plástico, descobriu que o desperdício de coronavírus era dominante. No mergulho, ele pegou 10 luvas de látex, quatro máscaras cirúrgicas, seis latas de bebida e quatro garrafas de vidro.

A ONG alertou que o lixo de coronavírus pode “se tornar um verdadeiro desastre ecológico”, que pode aumentar à medida que mais pessoas vão para a praia.

Thompson disse que o novo desperdício é apenas a ponta do iceberg gigante de plástico.

“Se você pensar em como a poluição do ar reagiu ao bloqueio, ela caiu rapidamente. A poluição sonora pode ser eliminada imediatamente. Mas se você pensar em plásticos, uma das coisas que os tornam desafiadores é a persistência ”, afirmou.

Mesmo que milhões de máscaras e luvas cheguem ao mar, elas apenas se somarão às estimadas 8 milhões de toneladas de lixo plástico que desaguam nos oceanos a cada ano. É o equivalente a encher 15 sacos cheios de lixo plástico em cada metro de costa do mundo e despejá-lo no mar. 

Anúncios