Anúncios

O mundo saberá nas próximas horas – ou dias – quem ocupará a Casa Branca pelos próximos quatro anos. O desfecho da eleição terá enorme impacto em uma das questões que mais atrai a preocupação mundial na atualidade após a epidemia que são as mudanças do clima. Os candidatos Donald Trump e Joe Biden possuem posições muito distintas sobre o tema.

As mudanças no clima nunca tiveram tanta atenção nos debates presidenciais do país desde a eleição do ano 2000, quando o candidato do Partido Democrata era Al Gore, um ferrenho ativista do clima. O aquecimento global e os seus impactos foram objetos de perguntas dos moderadores nos dois debates realizados nesta eleição de 2020 em que as posições antagônicas sobre o tema ficaram muito evidenciadas.


Nos seus quase quatro anos de governo, o presidente dos Estados Unidos Trump reverteu uma série de compromissos assumidos pelos Estados Unidos na comunidade internacional e em legislações internas. O de maior repercussão foi o anúncio de que o país deixava o Acordo de Paris, o acordo mundial celebrados sobre as mudanças climáticas e como reduzir as emissões de gases do efeito estufa para reduzir as taxas de aquecimento do planeta.

O democrata Joe Biden, por sua vez, promete elevar a questão do clima a uma das principais prioridades do seu governo, se eleito. Apresentou uma proposta de proteção ao ambiente de 5 trilhões de dólares com incentivos para carros elétricos e energias limpas, mas se distanciou do chamado “Green New Deal”, um plano muito mais radical e ambicioso de enfrentamento das mudanças climáticas, defendido por setores do seu partido.

O governo Trump considera a qualidade da água potável em todo o mundo uma crise maior do que a mudança climática, disse o chefe da Agência de Proteção Ambiental (EPA), Andrew Wheeler, no último mês de abril. Água potável, poluição de plástico e outros detritos nos oceanos, seca nos estados do Oeste norte-americani e infraestrutura hídrica são “os maiores e mais imediatos problemas ambientais e de saúde pública que afetam o mundo no momento”, disse Wheeler em Washington no Dia Mundial da Água.

Em janeiro, contudo, Trump eliminou com as proteções de água limpa da era Obama destinadas a proteger rios, córregos, pântanos e outros corpos d’água da poluição e do escoamento de instalações industriais e agrícolas. 

A mudança atendeu as promessas de campanha. Sob as novas regras, o governo federal não protege mais riachos que fluem apenas durante algumas partes do ano ou após chuvas fortes, ou pântanos que não estão conectados a grandes corpos d’água. As proteções federais para águas navegáveis, como grandes rios e lagos e quaisquer afluentes e pântanos que fluem diretamente para eles permaneceram.

Biden se comprometeu a garantir que todas as comunidades tenham água potável e a evitar a poluição da água em comunidades vulneráveis, como Flint em Michigan, com medidas contra empresas de combustíveis fósseis “e outros poluidores” que “geram lucro com danos ao meio ambiente e ocultando informações sobre os potenciais riscos ambientais e à saúde, de acordo com o site de sua campanha.

Ao visitar a Califórnia em meio aos enormes incêndios florestais devastadores que assolaram a Costa Oeste dos Estados Unidos em setembro, Trump expressou ceticismo de que as mudanças climáticas eram as responsáveis pelos incêndios. “Vai começar a esfriar”, disse Trump ao secretário de Recursos Naturais da Califórnia, Wade Crowfoot. “Você apenas – você apenas observa.” Crowfoot respondeu: “Gostaria que a ciência concordasse com você”, ao que Trump retrucou: “Não acho que a ciência saiba realmente.”

Biden criticou Trump por seus comentários sobre os incêndios na Califórnia durante um discurso em Wilmington, Delaware, centrado em seus planos para combater as mudanças climáticas e como o efeito está piorando os eventos climáticos extremos em todo o mundo.

“Se você der a um incendiário do clima mais quatro anos na Casa Branca, por que alguém ficaria surpreso se tivéssemos mais da América em chamas? Se você der a um negador do clima mais quatro anos na Casa Branca, por que alguém ficaria surpreso quando mais de A América está debaixo d’água?”, Biden disse.

O plano de Biden para enfrentar a emergência climática aspiraria a uma economia de energia 100% limpa e alcançar emissões líquidas zero até 2050, de acordo com o site de sua campanha. 


Assine gratuitamente nossa newsletter para notícias e alertas

O democrata considera as mudanças do clima uma ameaça existencial para a humanidade. Já o republicano escreveu no passado que aquecimento global não existe e foi inventado pelos chineses para prejudicar a indústria norte-americana. 

Anúncios