Anúncios

A onda de tempestades no Cone Sul associado ao deslocamento de uma frente fria pela região deixou como saldo mortes e destruição. Há mais de 10 vítimas fatais já noticiadas e o número deve aumentar, confirmando os temores da MetSul que advertia para “grave episódio de tempo severo” no Cone Sul. Os casos mais graves se deram na província argentina de Catamarca. Uma mulher morreu e seus cinco filhos foram feridos com a queda de um raio na localidade de Tatón, mas tragédia maior se deu com torrentes de lama e pedras com a enxurrada que invadiu algumas localidades. Até o começo deste sábado, as autoridades locais tinham confirmado oito mortos e mencionava um número incerto de desaparecidos, entre oito e onze, devido aos temporais. O pior se deu em El Rodeo e Siján, arrasadas pela lama e pedras que vieram com a enxurrada.



Bombeiros, Defesa Civil, polícia, agentes de serviços públicos e voluntários foram mobilizados para atender as vítimas e restabelecer água e luz para as zonas afetadas. Foram acionados ainda profissionais médicos e psicólogos. O local mais castigado foi El Rodeo, a 36 quilômetros da capital Catamarca, onde o temporal trouxe enxurrada de água, logo e pedras que arrastou casas, carros e uma ponte. Entre as vítimas estão crianças que se encontravam em acampamento. Um jovem que acampava na área e sobreviveu, Martin Barros, publicou em seu Facebook chocantes fotos das conseqüências da enxurrada.


A ideia de que o avanço da frente fria com a presença de uma corrente de jato em baixos níveis poderia provocar até tornados nos países do Prata se confirmou. De acordo com a imprensa argentina, um tornado foi registrado junto à Ruta 2 na localidade de Chascomus, no interior da província de Buenos Aires (imagem abaixo de Juan Odroziola/Reprodução Canal TN).


No Uruguai, a onda de tempestades deixou saldo de três mortos, dois em Montevidéu e uma vítima fatal em Pando. O temporal afetou principalmente Montevidéu, Canelones, Maldonado e San José com queda de árvores, cabos de energia, destelhamentos e inundações. Cerca de 45 mil clientes da empresa estatal de energia UTE ficaram sem luz. Em Montevidéu, ao redor de 140 árvores caíram. Uma das localidades mais afetadas foi a de Salinas pouco depois da meia-noite de sexta com mais de 300 árvores derrubadas pelo vento. “Cinco minutos impressionantes”, descreveram moradores sobre a tempestade.


Os temporais mais violentos ocorreram no começo da madrugada da sexta-feira no Sul do Uruguai, mas outras áreas do país também enfrentaram tempestades no decorrer do dia, em departamentos do Leste e mais ao Norte do país, com o deslocamento da frente fria pra Norte. Não foram registrados, porém, danos como observados em locais mais do Sul uruguaio


Passagem do temporal na manhã de sexta pela cidade de Melo, departamento de Cerro Largo – Gustavo Silveira


Chegada do temporal na praia em Aguas Dulces, no departamento uruguaio de Rocha – Portal Águas Dulces

A frente fria chegou mais fraca que nos países vizinhio ao Rio Grande do Sul, mas provocou temporais. Jaguarão e Livramento tiveram chuva forte. Em Dom Pedrito, o vento atingiu 96 km/h. Já em Uruguaiana, o vento no aeroporto da cidade foi de 70 km/h. Na BR-290 entre Uruguaiana e Alegrete, contudo, o vendaval que foi muito mais intenso na área (rajadas certamente acima de 120 ou 130 km/h) chegou a virar caminhão (foto de Márcio Cobelli/Especial/Correio do Povo).


Porto Alegre teve uma das madrugadas mais quentes de sua história com não menos que 28,2ºC no Jardim Botânico, valor acima da menor mínima na história da cidade (27,9ºC em 3 de fevereiro de 2010) desde o começo dos registros em 1910. O dado, entretanto, não foi a maior mínima da história de Porto Alegre porque o registro leva em conta o período de 24h até 0h UTC (22h na hora de verão), o dia meteorológico, e ao fim da tarde e começo da noite a temperatura caiu abaixo de 27,9ºC com a chuva que caiu torrencial e com vento em parte da cidade (foto abaixo de Rafael Marafon). Foi uma impressionante sequência de dias tórridos em Porto Alegre, uma das mais fortes ondas de calor da história recente. As máximas na rede do Sistema Metroclima foram 36,9ºC no dia 17, 37,9ºC em 18/1, 38,0ºC em 19/1, 39,2ºC no dia 20, 39,0ºC no dia 21, 38,9ºC no dia 22, 39,5ºC em 23/1 e 38,9ºC no dia 24. Em São Leopoldo, a temperatura não baixou de 27,9ºC na estação da MetSul no Morro do Espelho, maior valor mínimo para a noite já anotado desde o início dos registros meteorológicos no ano de 1987.


Devido ao mau tempo, o voo da Gol 1951 que vinha de Florianópolis teve que arremeter no Aeroporto Salgado Filho. O piloto informou que o motivo era o forte vento e que a aproximação teria que ser feita pela cabeceira da zona Norte. Raios provocaram cortes de luz em pontos da área metropolitana. No interior, apesar de temporais isolados, não houve estragos.


Pancadas de chuva associadas ao calor ontem por Dardania Rigatti (Garibaldi) e Alexandre Pinto (Novo Hamburgo)


Virada do tempo ontem ao final da tarde teve nuvens muitos carregadas sobre a cidade de Carazinho – Dianete Lorenzon


Em Bom Princípio, na região do Vale do Caí, a noite acabou vindo mais cedo com a chegada do temporal – Gabriela Selbach


Nuvem de tempestade avançou no fim da tarde da sexta-feira sobre a cidade serrana de Farroupilha – Nicolau Loeblein


Em Caxias do Sul, a mesma nuvem carregada de Farroupilha provocou muitos raios ao entardecer – Fabrício Dalla Santa

Pancadas de chuva e temporais isolados também foram registrados em Santa Catarina e, assim como o Rio Grande do Sul, sem maiores conseqüências. O que houve foram muitos raios, que sempre trazem problemas para consumidores que têm equipamentos queimados pelas descargas. Paulo Hammes e Jacqueline Estivallet registraram os raios área de Florianópolis.


E depois da chuva, frio ! Palavra difícil de acreditar que possa descrever o tempo no Rio Grande do Sul só horas depois do Estado ter experimentado uma das mais fortes ondas de calor da última década. Mas aconteceu. E a maioria das pessoas gostou muito e comemorou o refresco. O extremado clima gaúcho proporcionou que algumas cidades que tiveram quase 40ºC na semana começassem o sábado com temperatura de 12ºC. Fez 12,2ºC em Herval, 12,9ºC em Bagé, 13,5ºC em Canguçu, 13,9ºC em Jaguarão, 14,2ºC em Dom Pedrito e 14,5ºC em Caçapava do Sul. Em cidades da nossa Serra Gaúcha, exagero ou não, havia gente vestindo jaqueta e demanta no rosto na tarde de hoje (foto abaixo de Janaína Casanova do Grupo Sinos). Resultado de uma massa de ar frio muito forte que se previa cobriria parte do Rio Grande do Sul neste sábado e que na Argentina chegou a provocar nevadas um tanto atípicas para o verão em Bariloche, Villa Langostura e Chapelco, até com acumulação. O ingresso do ar frio se deu com vento Sul de 60 km/h em Porto Alegre e 80 km/h no Chuí. Na Argentina, onde a cidade de Buenos Aires teve sensação de incríveis 47,6ºC às 18h de quinta, o amanhecer do sábado teve 8,8ºC no aeroporto de Ezeiza e gelo de 4,3ºC em Tandil e 4,4ºC em Azul, no interior da província. No vizinho Uruguai, fez 9,4ºC em Mercedes.


A diferença do tempo de ontem para hoje é brutal aqui no Rio Grande do Sul. O nosso meteorologista da MetSul Eugenio Hackbart já falava em comentário durante a semana em queda de temperatura que descreveu seria “espetacular”. E foi. A temperatura às 16h20m que ontem na estação da Sertório, zona Norte de Porto Alegre era de 38,9ºC, hoje na mesma hora foi 21,6ºC. Diferença de 17,3ºC. Em Gramado (comparação abaixo de ontem e hoje por Nadia Gandini), a temperatura ontem à tarde era de 30ºC e hoje no mesmo horário fazia só 14ºC com tempo fechado, nevoeiro, garoa e cena tipicamente invernal.  



Já diz o ditado que “alegria de pobre dura pouco”, pois massa de ar quente, úmido e instável avança do Norte para o Sul do Estado durante este domingo e afasta o ar frio que garantiu o sábado ameno. Nesta transição de ar frio para quente, a atmosfera volta a se instabilizar com mais força no Rio Grande do Sul com chuva no decorrer do dia na maioria das regiões. Em alguns locais já chove entre a madrugada e de manhã enquanto outros apenas da tarde para a noite. Há risco de chuva forte isolada com raios e até granizo localizado, como não raro se vê neste tipo de situação em frentes quentes de inverno. Aberturas de sol até são possíveis em alguns pontos do Estado. A temperatura se eleva, mas o dia não chega a ser de calor. Com o contínuo ingresso de ar mais quente de Norte, a nova semana reserva mais jornadas de forte a intenso calor, e pior, com sensação de abafamento, o que vai trazer pancadas localizadas de chuva e temporais de verão, alguns localmente fortes.

Anúncios