Anúncios

Um gato é resgatado após os incêndios florestais em Villa Independencia, Viña del Mar, Chile. Um exército de bombeiros voluntários, socorristas e populares forma onda de solidariedade para atender pessoas e animais em meio ao desastre do fogo. | JAVIER TORRES/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Terremotos, tsunamis, megaincêndios: o Chile é propenso a desastres naturais, mas paradoxalmente não possui um corpo de bombeiros oficial, mas sim voluntários como o arquiteto Jorge Peña ou o vendedor de seguros Cristian Lobos para enfrentar o incêndio mais mortal de sua história recente.

Ambos vestem trajes de bombeiro. “Aqui você continua até morrer”, diz Lobos, que deixou seu escritório na sexta-feira para ir combater as chamas em Viña del Mar. O Estado chileno não possui corpo de bombeiros próprio. Desde 1970, este trabalho é realizado por voluntários a nível nacional, constituídos por mais de 50.000 homens e mulheres, que são financiados por doações internacionais, contribuições privadas e estatais.


Numa organização de estilo militar, que possui uma academia de formação própria, nenhum dos membros – muitos deles profissionais de outros setores – recebe remuneração. Os bombeiros do Chile são uma espécie de ONG, a mais conceituada do país com quase 100% de aprovação, ainda mais popular do que qualquer instituição pública, segundo pesquisas.

Independentemente da função, Jorge Peña é arquiteto. Ele tem 33 anos e um filho de um ano. Na sexta-feira ele viajou 12 horas desde o sul do Chile para combater o incêndio em Valparaíso. Desde 2013 é bombeiro voluntário especialista em incêndios florestais e domésticos.  Desta vez ele não conseguiu salvar as florestas nem mesmo uma única casa.


Peña e seus colegas estão removendo escombros e “resfriando” os locais onde ainda pode haver corpos. “A partir de sábado mudamos o nosso papel”, explica à AFP. Ao chegar aqui, prossegue, “já havia muita destruição”, por isso “agora estamos a trabalhar na remoção (de escombros), na extinção de incêndios e na busca de pessoas”.

As fontes de calor são reativadas a qualquer momento e então o inferno volta. Peña resfria as casas que “ainda estão quentes” para facilitar o acesso das equipes de resgate que procuram entre as ruínas pessoas declaradas desaparecidas. “Nestes onze anos, o que mais me impressionou foi a magnitude da destruição deste incêndio. Nunca vi este nível de violência de um incêndio florestal, que depois se espalhou para a casa e é o mais chocante”.

O arquiteto e bombeiro voluntário Jorge Peña trabalha na área atingida pelos devastadores incêndios em Villa Independencia, região de Valparaíso, no Chile. Chile não tem Corpo de Bombeiros oficiais e desastres são enfrentados por voluntários. | PABLO VERA/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Peña trabalha para uma construtora, mas “só nesta emergência” estava de férias. Porém, ele se vestiu de brigadeiro (camisa amarela de manga comprida, calça verde musgo, colete e capacete vermelhos) e subiu no caminhão de bombeiros.

Em 2017, em um megaincêndio conhecido como “tempestade de fogo”, ele foi cercado por chamas que mudaram abruptamente de rumo. Ele sobreviveu. “Antes eu não pensava nisso ao atender essas emergências, mas agora penso um pouco mais. Meu filho tem quase um ano”, confessa. Mas mesmo assim, ele reflete por um momento: “Continuarei sempre” como voluntário.

Cristian Lobos vende apólices de saúde em Viña del Mar. Ele pendurou a gravata para ajudar a apagar o incêndio que consumiu os morros superlotados de sua cidade, antes de comandar o grupo que hoje busca restos mortais dentro das casas ou o que sobrou deles após a passagem das chamas.

“Resgatamos vítimas em diversos estados (…) corpos totalmente carbonizados, outros moderadamente carbonizados”, diz o homem calvo e de óculos, pai de três filhos. Lobos é voluntário há 23 anos. “Quando você decide, você faz os cursos e geralmente fica (nisso) até morrer.”

Muitos entregadores de app estão nas áreas atingidas pelos incêndios com transporte de alimentos e água para as vítimas em Viña del Mar e Valparaíso | PABLO VERA/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Na segunda-feira, junto com sua equipe, ele encontrou mais dois corpos que estavam recolhidos pelo serviço médico-legal, único autorizado para este trabalho. Desde sexta-feira, quando ocorreu a pior catástrofe que o Chile enfrentou desde o terremoto e tsunami de 2010, ele dormiu pouco e só conseguiu falar com os filhos por videochamada.

Pela proximidade com a Vila Independência, onde morreram pelo menos 19 pessoas, ele viu toda a sequência de uma tragédia: “Como o fogo avançou, foram atingidos casas, vidas, animais, carros”. Segundo Lobos, é a “mais caótica e violenta” de todas as emergências em que esteve.

“Os nossos bombeiros perderam as suas casas ou veículos, felizmente” não perderam a vida nem familiares. Apesar da exaustão, ele mantém sua disposição em ajudar. No Chile, orgulha-se, os bombeiros voluntários têm a “compreensão” dos seus empregadores e das suas famílias e a boa imagem da sociedade. Ainda estou aqui “até morrer ou meu corpo me permitir continuar contribuindo”.

A MetSul Meteorologia está nos canais do WhatsApp. Inscreva-se aqui para ter acesso ao canal no aplicativo de mensagens e receber as previsões, alertas e informações sobre o que de mais importante ocorre no tempo e clima do Brasil e no mundo, com dados e informações exclusivos do nosso time de meteorologistas.

Anúncios