Chamou muita atenção dos leitores da MetSul as imagens da neve que cobriu a pequena localidade de Coviahue, na Cordilheira de Neuquén, no Sul da Argentina. Foi tanta neve que chegou a atingir alturas de metros.

Nevadas com grande acumulação não são incomuns em Caviahue durante os meses de inverno. Sua condição geográfica favorece enormes precipitações com acumulações altíssimas. Estas são imagens dos últimos dias.

O clima é tão inóspito na região no inverno que as semelhanças da região de Cavihaue-Copahue com a Antártida tornaram o local o melhor cenário para treinar os argentinos que irão para as bases que a Argentina possui no continente branco. A árdua tarefa está a cargo da Escola Antártica Conjunta, que completou 25 anos agora em 2020.

A escola polar da província de Neuquén funciona de agosto a setembro e é chamada de “estágio polar”. É um treinamento físico e mental para se preparar para as demandas psicofísicas de condições climáticas extremas e o isolamento que será exposto no gelo polar na Antártida. 

A escola é quase uma réplica de uma base polar. Possui um quarto principal, uma cozinha, uma enfermaria e uma sala de comunicações. O treinamento ocorre em uma área próxima a um refúgio que possui o Regimento de Infantaria de Montanha 21, que fica em Las Máquinas. Um local intermediário entre Caviahue e a cidade de Copahue.

Os participantes recebem instruções de sobrevivência, esqui, operação de barco inflável, navegação terrestre, direção antártica de veículos, atividades de manutenção de base e operação de aeronaves. Atividades aquáticas são realizadas no lago Caviahue.

Caviahue é uma localidade situada ao pé do Vulcão Copahue e na beira do lago que leva o mesmo nome, Copahue. Sua população é de pouco mais de 600 habitantes.