Passo Fundo (foto) foi a cidade que registrou o maior volume de chuva entre as estações oficais com mais de 300 mm. Bairros da cidade ficaram submersos e moradores fizeram de tudo para salvar os seus pertences. | PREFEITURA DE PASSO FUNDO/DIVULGAÇÃO

Volumes extraordinariamente altos foram registrados na Metade Norte do Rio Grande do Sul neste começo de semana com precipitação que neste início de setembro já alcança três vezes a média histórica de precipitação do mês todo. A chuva excepcional, que era alertada desde a última semana pela MetSul Meteorologia, deixou quatro mortos e causou inundações e danos.

Dados de estações oficiais do Instituto Nacional de Meteorologia mostram que os acumulados de chuva em 72 horas até o começo da noite desta segunda-feira foram de 291 mm em Passo Fundo, 281 mm em Serafina Corrêa, 274 mm em Cruz Alta, 236 mm em Ibirubá, 225 mm em Cambará do Sul, 251 mm em São Luiz Gonzaga e 211 mm em Vacaria.

Choveu ainda pelas estações oficiais no mesmo período 197 mm em Bento Gonçalves, 185 mm em Palmeira das Missões e Santiago, 177 mm em Soledade, 168 mm em Lagoa Vermelha, 165 mm em Canela, 150 mm em Tupanciretã, 145 mm em Santo Augusto, 144 mm em Teutônia, 133 mm em São Vicente do Sul, 123 mm em Santa Maria, 121 mm em Torres, 119 mm em Santa Rosa, 116 mm em Rio Pardo, 115 mm em São Borja, 107 mm em São Vicente do Sul, e 105 mm em Alegrete.


Já na rede do Centro Nacional de Monitoramento de Desastres (Cemaden), os volumes em 72 horas até o começo da noite desta segunda-feira foram de 310 mm em Passo Fundo, 279 mm em Vacaria, 275 mm em Ijuí, 271 mm em Água Santa, 265 mm em Entre-Ijuís, 195 mm em Santa Maria, 192 mm em Caxias do Sul, 175 mm em Nova Petrópolis, 172 mm em Serafina Corrêa, 156 mm em Igrejinha, 152 mm em São Francisco de Paula, 159 mm em Fontoura Xavier e 155 mm em Alto Feliz.

Estação meteorológica automática particular (PWS) no Sul de Passo Fundo reportou 346 mm. No município vizinho de Carazinho, outra estação automática particular acusou precipitação de 389 mm. Em Não-Me-Toque, estação particular em propriedade rural registrou 300 mm.

Na Grande Porto Alegre, a chuva somou até o começo da noite desta segunda 134 mm em Gravataí, 133 mm em Canoas, 131 mm em Campo Bom, 124 mm em Viamão, 123 mm em Sapucaia do Sul e 122 mm em São Leopoldo. Em Porto Alegre, a chuva somou 104 mm na zona Norte, 82 mm no Jardim Botânico e 74 mm em Belém Novo, no extremo Sul.


Inundações e alerta de graves enchentes

Várias cidades da Metade Norte do Rio Grande do Sul enfrentaram inundações hoje, especialmente no Alto Jacuí, Planalto Médio e na Serra. Houve pontos em que as águas subiram muito com forte correnteza, bloqueando rodovias e inundando áreas urbanas e rurais. A chuva causou ainda deslizamentos de terra e quedas de barreiras.

Moradores de Nova Bassano viram desesperados a cidade sendo invadida pelas águas com as ruas se transformando em rios | PREFEITURA DE NOVA BASSANO

A preocupação agora passar a ser com rios. A MetSul Meteorologia alerta que vários rios que têm nascentes e cortam a Metade Norte do Rio Grande do Sul vão entrar em cotas de cheias e inundações com enchentes como resultado dos volumes extremos de chuva registrados.

Dois grandes rios do Rio Grande do Sul devem ter cheia nos próximos dias. O Uruguai por conta dos excessivos volumes até agora de 150 mm a 250 mm no Noroeste e no Norte do estado e o Jacuí pelos acumulados de 200 mm a 350 nas regiões do Alto Jacuí e do Planalto Médio. Volumes altos, acima de 100 mm, também foram registrados na bacia do Jacuí mais ao Sul, no Centro do estado, entre Cachoeira do Sul e Porto Alegre.

Rios que cortam os vales e que possuem nascentes nos Campos de Cima da Serra, como o Caí e o sistema Taquari-Antas, também merecem atenção pelos volumes de 100 mm a 300 mm na área entre São Francisco de Paula, Vacaria e Cambará do Sul. Adverte-se que a cheia do Taquari pode ser de grandes proporções e ter um enorme impacto no vale com graves inundações em vários municípios.


Uma vez que o Taquari e o Jacuí devem ter cheia, e sendo os dois rios são os principais contribuintes do Guaíba, o cenário é de atenção também para as ilhas da capital e o Delta do Jacuí em cidades vizinhas mais tarde nesta semana e semana que vem.  Os acumulados não foram tão extremos, como no ciclone de junho, nas bacias do Caí e do Paranhana, mas os dois rios igual mereçam atenção.

Vários rios menores que cortam a Metade Norte do Rio Grande do Sul também devem passar por cheia com enchentes e inundações. Alguns, entre o Alto Jacuí, o Planalto Médio e a Serra, já começam a sair dos seus leitos ontem ante a incapacidade de absorver o grande volume de água.

Quatro mortes pela chuva

Chega a quatro o número de mortos pela chuva intensa e os temporais que atingem o Rio Grande do Sul. Todas as vítimas são da Metade Norte do estado, onde se concentram os mais altos volumes de chuva e os fortes temporais. A chuva em algumas cidades supera 200% da média histórica do mês.

Um homem perdeu a vida no bairro Entre Rios, o mais castigado pela chuva em Passo Fundo, no Norte gaúcho, informou a Rádio Uirapuru. A vítima foi atingida por uma descarga elétrica dentro de sua casa, após a mesma ser alagada. O homem chegou a ser socorrido com vida por vizinhos e encaminhado ao hospital, onde faleceu.

Mais cedo, outra morte foi causada pela chuva na região. A vítima, de 41 anos, estava em uma caminhonete S10, quando caiu em um rio com o veículo no município de Mato Castelhano.  Ele estava acompanhado de outro homem, que conseguiu sair nadando e sobreviveu. O homem foi identificado como Cristiano Schuslei, condutor da caminhonete, e teve seu corpo localizado pelos Bombeiros no final da manhã.

Mais duas mortes ocorreram no município de Ibiraiaras. Dois homens morreram afogados depois de tentarem atravessar um rio. O veículo foi levado pela forte correnteza gerada pela chuva de até 300 mm na região.

O que causou a chuva extrema

A chuva extrema no Rio Grande do Sul e os temporais no Sul do Brasil foram consequência da atmosfera extremamente instável devido a um centro de baixa pressão sobre o estado. Um rio atmosférico intenso trazia muita umidade da Amazônia para o território gaúcho juntamente com um corredor de vento em baixos níveis da atmosfera com ar quente.

Análise do modelo europeu das 9h de hoje mostrava uma baixa pressão ordinária de 1006 hPa sobre o Noroeste gaúcho sem configuração alguma de ciclone extratropical | METSUL

Rio atmosférico transportava muita umidade para o Rio Grande do Sul com elevados valores de água precipitável sobre o estado no começo do dia | METSUL

Massa de ar frio avançava pelo Norte da Argentina e o Paraguai enquanto ar quente ainda atuava sobre o Sul do Brasil | METSUL

Ao mesmo tempo, uma frente fria avançava e encontrou o ar quente sobre o Sul do Brasil na segunda-feira, o que reforçou a chuva e os temporais que já ocorriam antes pela baixa pressão que no fim de semana estava sobre o Norte da Argentina. O avanço da frente formou uma linha de instabilidade com chuva e tempestade de vento entre o Centro-Oeste e o Sul do país na tarde desta segunda.

Previsão do tempo

A instabilidade se afasta hoje do Rio Grande do Sul, mas parte do estado ainda terá mais nuvens e chance de chuva ou garoa no começo do dia antes de o tempo melhorar e firmar. Ar mais seco toma conta do território gaúcho sob influência de um centro de alta pressão de 1.030 hPa na foz do Rio da Prata.

Com isso, o sol aparece em todas as regiões ao longo do dia, embora a presença de nuvens. Sob ar mais frio, o dia começa com temperatura baixa principalmente no Oeste e na Campanha, até com mínimas abaixo de 5ºC em alguns municípios. A tarde será amena e na maioria das cidades as mínimas ocorrem à noite.

O sol predomina na quarta, mas a chuva retorna na quinta. A MetSul alerta que frente quente se forma na quinta com chuva forte a intensa, raios e temporais de granizo no Oeste, Sul, Centro e o Leste do estado. Na sequência, a frente avançará como fria pelo estado, levando chuva mais ao Noroeste e ao Norte gaúcho que terão sol, nuvens e calor na maior parte da quinta. Entre sexta-feira e o sábado, novas áreas de instabilidade passarão pela Metade Norte com chuva.