O número de mortos em um incêndio florestal que transformou uma cidade histórica havaiana em cinzas subiu para 36 pessoas, disseram autoridades na quarta-feira. “Enquanto os esforços de combate ao fogo continuam, 36 mortes no total foram descobertas hoje em meio ao incêndio ativo de Lahaina”, disse o governo do condado de Maui em um comunicado.

Os incêndios começaram na terça-feira, atingindo residências, empresas e serviços públicos, bem como mais de 35.000 pessoas na ilha de Maui, informou a Agência de Gerenciamento de Emergências do Havaí em comunicado.

Os incêndios queimaram mais de 800 hectares, disse a agência estatal. “Ventos fortes e rajadas e condições secas colocaram grande parte do Havaí sob um alerta de bandeira vermelha (fogo) que terminou na quarta-feira, e mais incêndios estavam queimando na Ilha Grande e em Maui”.


Os incêndios fizeram com que moradores desesperados pulassem no oceano em uma tentativa de escapar das chamas que se moviam rapidamente. Mais de 270 edifícios foram danificados ou destruídos na cidade seriamente afetada de Lahaina, disseram autoridades na quarta-feira.

“Grande parte de Lahaina em Maui foi destruída e centenas de famílias locais foram deslocadas”, disse o governador Josh Green sobre a cidade histórica de 12.000 residentes, que é popular entre os turistas. Um vídeo postado nas redes sociais mostrou chamas destruindo o centro da cidade à beira-mar e levantando enormes nuvens de fumaça preta.

Fotos aéreas feitas na quarta-feira a partir de voos de helicópteros e aviões trouxeram um panorama chocante. Praticamente toda a cidade de Lahaina foi rapidamente destruída pelas chamas. As imagens mostravam quarteirões e mais quarteirões de casas e prédios que viraram cinzas com o fogo.


Grande parte da cidade histórica havaiana de Lahaina se transformou em cinzas após ser atingida pelo fogo alimentado por rajadas de vento superiores a 100 km/h na terça-feira. | CARTER BARTO/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Dezenas de quarteirões com casas e comércios foram atingidos pelas chamas e as construções se transformaram em cinzas. Grande parte da cidade foi destruída pelo fogo que rapidamente se espalhou. | CARTER BARTO/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Foto aérea mostra que o Centro da histórica cidade de Lahaina já não existe mais e foi devastado pelas chamas do incêndio. | CARTER BARTO/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Fumaça podia ser vistas ainda cobrindo o que sobrou da cidade durante a quarta-feira enquanto as equipes de busca e salvamento procuravam por sobreviventes do desastre pelo fogo na ilha de Maui | CARTER BARTO/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Dezenas de pessoas perderam a vida durante o incêndio que rapidamente tomou conta da cidade de Lahaina. Moradores descreveram uma verdadeira parede de fogo que avançou pela cidade e que consumiu tudo em sua dianteira. | RICHARD OLSEN/AFP/METSUL METEOROLOGIA

Pessoas se jogaram no mar para escapar das chamas. Guarda Costeira efetuou resgates de moradores que estavam nas águas do mar para se salvar dos incêndios. | RICHARD OLSEN/AFP/METSUL METEOROLOGIA

A ilha continua a evacuar turistas. Cerca de 600 pessoas dormem no aeroporto durante a noite antes de partirem na manhã desta quinta-feira. Ao todo, 1.500 passageiros devem partir no dia de hoje. Pouco mais de 11.000 viajantes já foram retirados de Maui, disse Ed Sniffen, do departamento de transporte, em coletiva de imprensa.

Catástrofe terrível

“Sofremos uma catástrofe terrível”, disse, em nota, o governador do Havaí, Josh Green, acrescentando que as chamas afetam Mauí e a Ilha Grande, no arquipélago norte-americano. “Foi confirmado que tivemos seis vítimas fatais e ainda continuamos as operações de busca e resgate, por isso não sabemos o que acontecerá com esse número”, disse o prefeito de Mauí, Mitch Roth, em coletiva de imprensa.

O estado de emergência foi anunciado, disse vice-governadora do estado insular, Sylvia Luke, com os hospitais da ilha de Mauí “saturados com pacientes por queimaduras e pessoas afetadas por inalar fumaça”. “A linha de emergência não funciona, o serviço de celular não funciona, os telefones não funcionam”, acrescentou. Mais de 14 mil casas estão incomunicáveis, informou a poweroutage.us.

Fuga para o mar para escapar das chamas

Habitantes da região pularam na água “para evitar o fogo”, disse mais cedo o major-general do Exército americano, Kenneth Hara, à rede Hawaii News Now. Pelo menos 12 pessoas foram resgatadas do mar pela Guarda Costeira. “Foi terrível”, disse à CNN Claire Kent, moradora de Lahaina.

Kent explicou que várias regiões de Mauí, como Lahaina, ficaram sem eletricidade na madrugada, por isso os vizinhos não tinham notícias sobre o avanço do fogo. “Tudo foi de boca a boca, as pessoas corriam pela rua dizendo ‘tem que sair!’. Havia pessoas em bicicletas gritando para que as pessoas fossem embora”. Kent deixou sua casa, que foi destruída pelo incêndio, às pressas. “Não conseguia acreditar nisso”, disse.

“As chamas avançaram até o final do bairro”. “Nós nos jogamos na estrada. Olhava para trás e havia chamas dos dois lados da rodovia, com pessoas presas no congestionamento e tentando sair nas duas direções. Parecia uma cena tirada de um filme de terror”. “Tenho certeza de que houve pessoas que não conseguiram sair”.

Kent disse que tanto pessoas em situação de rua como gente que nadou para se distanciar do fogo podem ter ficado presas. “Não acredito que alguém estivesse preparado para a força que os ventos alcançaram”.

Desaparecidos

Devido à falta de comunicação em algumas regiões do arquipélago, a incerteza reina. Algumas pessoas que conseguiram fugir das chamas relataram nas redes sociais e meios de comunicação o desespero por não saber do paradeiro de seus amigos e entes queridos. “Não sei onde está meu irmãozinho”, disse Tiare Lawrence ao Hawaii News Now. “Não sei onde está meu padrasto”, completou. “Todos os que eu conheço em Lahaina tiveram suas casas incendiadas”.

Chrissy Lovitt disse ao veículo local que os barcos na marina de Lahaina foram carbonizados. “Sabemos de um casal que conseguiu sair, mas não sabemos do resto”, disse à AFP por telefone Elizabeth Smith, instrutora de uma escola de surfe em Kula.

Por que a tempestade de fogo?

Meses de seca agravaram o risco de incêndio, com mais de um terço do condado de Maui experimentando pelo menos uma seca moderada desde 1º de agosto, de acordo com o Monitor de Secas dos Estados Unidos. Condições anormalmente secas se desenvolveram rapidamente em junho e persistiram, com precipitação ligeiramente abaixo do normal durante o que é uma época tipicamente seca do ano.

Os padrões meteorológicos permitiram que os incêndios se espalhassem rapidamente. Um forte sistema de alta pressão ao Norte das ilhas está mantendo as condições secas e ensolaradas, e os ventos alísios se intensificaram quando o furacão Dora, de categoria 4, passou centenas de quilômetros ao Sul.

Uma forte diferença de pressão atmosférica entre essa zona de alta pressão ao Norte e o furacão (baixa pressão) ao Sul trouxe o vento intenso, disse o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS). O NWS publicou alertas de vento forte para partes de Maui para rajadas de até 100 km/h. O aviso foi rebaixado na manhã desta quarta-feira, quando os ventos começaram a diminuir, mas alguns locais ontem relataram ainda rajadas acima de 80 km/h, informou o Serviço Meteorológico.